Primeiro surge a ideia com algum pormenor, depois, traços de estilos e formatos variados e nasce o “boneco” sobre a folha de papel. Alguns sem legendas, por desnecessária, face à evidência da imaginação do autor. Diz Rob Horree que os seus desenhos e cartoons não são arte – discordo e ele sorri. Quem embeleza as ideias, exercendo uma arte, é artista! É o caso de Rob Horree.

Figuras: Rob Horree

Imagem vazia padrãoComo um funâmbulo que passeia pela corda suspensa sem rede que o proteja de uma queda, Rob Horree desenha sem esboços e não utiliza a borracha para apagar pontos e traços – tudo parece estar no sítio certo, e o resultado final é excelente à vista.

Da sua imaginação nascem, na verdade, peças que, pelo conteúdo, podem satirizar determinada situação, outras ostentam sentido de humor, e há as que decalcam a sensibilidade do autor.

Rob descobriu há mais de quarenta anos os desenhos de Bosc e outros cartonistas, e fez deles exemplos a seguir. As ideias, embora simples, eram diferentes: narizes grandes, os olhos eram pontos, e a figura sempre a mesma – apenas mudavam as posições e as situações retratadas. Bosc e Giles, são os seus ídolos de menino.

– “É muito difícil para mim explicar que estes desenhos não têm nada a ver com arte, ainda que, às vezes, a “não arte” possa atingir maior perfeição do que é considerado arte. Portanto, o que eu faço, na linha dos autores que citei, é uma coisa diferente…”.

Rob, sempre de sorriso franco, encolhe os ombros, fica-se pelo raciocínio simples e não se preocupa com adjectivos ou pormenores. Diz que é assim no seu dia a dia – sempre foi assim, insiste.

Se o gosto pelo desenho vem do berço, não sabe, mas ainda menino o entretenimento preferido era brincar aos “desenhos”. Lembra-se, por exemplo, de aos dez anos ter feito banda desenhada, que guardou numa caixa de charutos do pai. Infelizmente, a obra perdeu-se…

Amesterdão: ainda te amo

Rob Horree nasceu perto de Amesterdão, Holanda. Aos dezasseis anos começou a trabalhar em agências de publicidade e reservava as noites para frequentar a Rietvel Academia – escola de artes onde aprendeu os “segredos dos primeiros traços” e a desenvolver a imaginação que se mostrava fértil.

– “Vivia num quarto e uma vez, depois de o arrumar, pus ao lado do caixote do lixo, na rua, uma pasta com todos os desenhos que tinha feito na escola. Mais ou menos um ano depois, a senhoria encontrou-os num antiquário e comprou-os por muito pouco dinheiro. Fiz isso outras vezes, deitava-os fora, perdi-os para sempre….”.

Amesterdão é uma cidade multifacetada e, para o espírito curioso do Rob, o Stedelijk Museum (Museu de Arte Moderna) era um fascínio que não se cansava de visitar.

– “Fui lá mais de duzentas vezes, toda a gente me conhecia, dos zeladores aos guardas. A minha vida era assim, entre o trabalho, a escola, e as visitas aos museus. Tinha dias de trabalhar, como freelancer, doze horas”.

Caminheiro do mundo por excelência, conta estórias incríveis das suas viagens.
– “Cheguei a Israel sem dinheiro e para conseguir trabalhar procurei a redacção de um jornal em língua inglesa. Nesse mesmo dia consegui um emprego: desenhar letras em hebraico com estilos diferentes. Tinha, na altura, vinte e dois anos e fiquei lá durante um ano. Depois fui para a Irlanda, voltei à Holanda, fui à Austrália – um país com uma luminosidade fantástica – várias vezes, e tenho viajado por outros países na companhia da minha esposa, que é australiana.

Há doze anos que reside em Portugal, na “Quinta das Mestras”, entre Nogueira do Cravo e Bobadela; é aqui que, afiança, gosta de viver e é daqui que parte à descoberta de novos horizontes.

– “Portugal é um país muito bonito, eu e a minha mulher gostamos muito de conhecer outros sítios, e em Junho espero ir ao Minho. Ao Algarve já fui duas vezes de bicicleta, uma sozinho, outra com outros amigos. Sou sócio do Clube de Caça e Pesca de Oliveira do Hospital e quando posso, saio por aí de bicicleta” .

Este ano volta ao Oriente; embora de férias ”… gosto de olhar à minha volta e receber inspiração para os meus trabalhos”.

A distância do país natal não impede que continue a produzir a “sua arte” e a editá-la na Holanda; exposições, do estilo da que tem patente em Oliveira do Hospital, apenas numa ou noutra ocasião foi possível conciliar trabalho, viagens e mostras em quantidade razoável.

Em Portugal é a primeira vez que expõe e com êxito absoluto, por isso se diz “encantado com a aceitação do público, sobretudo das comunidades belga e holandesa”. Os portugueses, fascinados com as obras expostas, gabam-lhe o talento.

O próximo passo será a ilustração de um livro de poesia do jubilado escritor holandês, Guerrit Komrij, também radicado entre nós.

Pergunto-lhe se pensa regressar à Holanda. Responde de imediato:
– “Não, nunca mais. Eu e a minha esposa gostamos muito de ir lá, mas para viver, estamos muito bem aqui”.

Há saudades, lembranças, naturalmente, e quando ouviu alguém dizer na mesa do lado, que estava de regresso ao seu país em trabalho, não se conteve:

– “Vai para a Holanda? Então quando chegar a Amesterdão diz à cidade que ainda a amo”! A Rita, por certo lembrou-se do João Villaret e foi dar o “recado”, não a Lisboa, mas à cidade dos canais.

Carlos Alberto

LEIA TAMBÉM

Cid Teles, a cigarra do Triste Fado: Na imprensa. Autor: Renato Nunes

Se compulsarmos o arquivo de A Comarca de Arganil, que já foi parcialmente disponibilizado em …

Cid Teles, a cigarra do Triste Fado: Possíveis influências. Autor Renato Nunes

Não é fácil identificar as influências de um indivíduo. Ainda assim, o estudo dos seus …