Foi precisamente há um ano…

À hora em que esta notícia está a ser editada Oliveira do Hospital vivia, há um ano atrás, no dia 11 de outubro de 2009, momentos de grande ansiedade.

As urnas estavam prestes a fechar e nas ruas pairava já a ideia de que o PS poderia estar em vias – 20 anos depois – de recuperar a presidência da câmara de Oliveira do Hospital, que havia sido conquistada – pela primeira vez – em Dezembro dezembro de 1989, com César Oliveira à cabeça.

A notícia foi conhecida ainda antes da meia-noite e José Carlos Alexandrino foi eleito, como independente, o quinto presidente da câmara de Oliveira do Hospital após o 25 de Abril abril de 1974.

A sua vitória aconteceu num momento de grande agitação política e com o PSD “dividido ao meio”, visto que aquelas eleições ficariam inequivocamente marcadas pelo aparecimento do Movimento de Eleitores Independentes “Oliveira do Hospital, Sempre”, e que foi encabeçado pelo ex-presidente da comissão política concelhia do partido, José Carlos Mendes.

Com o terreno “minado”, o então presidente da autarquia oliveirense, Mário Alves, sofreu uma pesada derrota ao obter 4561 votos contra 5278 do PS. Surpreendentemente, os independentes, que perderam algum tempo a avançar com a candidatura, atingiram 4240 votos. Ficaram em igualdade de mandatos com o PSD, que também elegeu dois vereadores.

Nas freguesias, os socialistas entraram em território “proibido” e conquistaram a presidência das duas maiores juntas de freguesia do concelho: Oliveira do Hospital e Seixo da Beira. Na contabilidade final, o PS só tomou no entanto conta do poder em seis freguesias e o PSD manteve-se maioritário em dez. A CDU reconquistou Meruge e Vila Franca da Beira e os independentes ganharam três autarquias.

Na Assembleia Municipal, o PS apostou num antigo militante do PCP e as contas saíram-lhe bem. António Lopes foi o candidato mais votado e passaria a presidir àquele órgão autárquico, onde o PS – à semelhança do que acontece no executivo camarário – está em minoria.

Decorridas as eleições, o executivo de José Carlos Alexandrino tomou posse logo a seguir ao Dia de Todos os Santos, 2 de novembro, e está em funções há praticamente um ano.

A sua ainda curta permanência no poder tem decorrido num ambiente com alguma tranquilidade política – o autarca do PS parece ainda não ter saído do estado de graça –, mas ficou em sobressalto com o desemprego provocado, essencialmente, pela falência verificada nalgumas importantes indústrias de confeção.

Dois mil e onze é no entanto um ano decisivo para José Carlos Alexandrino que vai governar em tempos de grande austeridade e num clima de grande instabilidade política nacional.

O rigor orçamental é absolutamente obrigatório, e Alexandrino terá de mostrar os resultados do “trabalho de casa” ao nível de alguns dos dossiês com os quais se comprometeu.

DOSSIÊ AUTÁRQUICAS 2009

LEIA TAMBÉM

Dominado fogo que hoje se reacendeu em Tábua

O incêndio florestal que deflagrou na terça-feira no concelho de Tábua, que esteve em fase …

Incêndios destruíram mais 500 hectares em Seia

Incêndio de Tábua reacendeu-se e mobiliza centenas de bombeiros

O incêndio que ontem deflagrou em Tábua, está novamente activo. O reacendimento aconteceu ao início da tarde …