O Fora de Jogo desta semana terá um formato diferente, pois o desafio desta semana será constituir um onze titular da década de setenta, quando também jogava futebol. Havia no concelho bons jogadores e não tenho dúvidas que alguns teriam chegado, onde chegaram Jorge Alexandre, Chalana, Paulo Piedade e Carlos Martins.

FORA DE JOGO

1. RIBEIRO (Nogueira do Cravo) – Um guarda-redes elástico, com uma presença notável entre os postes. Vi-lhe exibições que não vi a mais ninguém. Tive a felicidade de fazer dois ou três jogos com ele, daqueles particulares que se faziam na altura.

2. GARCIA (Vila Franca) – Lateral direito dos tempos de hoje, já que apoiava o seu ataque, com cruzamentos bem colocados. A defender era muito duro e em dia sim tornava-se intransponível.

3. CARDOSO (Nogueira do Cravo) – Um senhor central e quando ainda era adolescente, vi-lhe fazer exibições soberbas, com categoria e muita classe. Muito forte no jogo aéreo. Jogaria hoje na Superliga.

4. TÓ ALMEIDA (Lageosa) – outro excelente central, que jogava com uma regularidade impressionante e com dezenas de golos marcados de cabeça, quando da marcação de cantos e outras bolas paradas. Iria longe no futebol actual.

5. LUÍS FILIPE (Vila Franca) – Poucos se lembrarão dele, porque jogou pouco tempo, mas era um defesa raçudo e defendia bem no homem a homem. Infelizmente já partiu deste mundo.

6. JÃO (Ervedal) – um médio de classe, com uma boa técnica e com grande visão de jogo. Tacticamente evoluído e muito disciplinado. Tive grande prazer em jogar algumas épocas com ele, pois é fácil jogar com quem sabia.

7. JANO (Vila Franca) – Fantástica a sua capacidade técnica. Um drible curto e imprevisível. Muito difícil de marcar. Jogava ao nível da 1ª Divisão.

8. ZÉZÉ (Lageosa) – Um jogador cerebral e evoluído tecnicamente. Uma técnica primorosa e com uma grande leitura de jogo. Talvez o maior craque de todos os tempos deste concelho.

9. PIRES (Nogueira) – um jogador da frente e que fazia a ala com muita velocidade. Tinha um bom pontapé e fazia muitos golos. Bom jogador, como tantos outros de Nogueira.

10. GABRIEL (Vila Franca) – Fisicamente, fazia lembrar o ponto de lança Müller, alemão. Estatura baixa, mas um ponto de lança como hoje não se vê. Chutava com os dois pés e fazia muitos golos. Esteve na primeira subida do Oliveira.

11. ANTÓNIO RUSSO (Seixas) – Poucos se recordarão dele como jogador, mas um jogador com um pé esquerdo fabuloso. Metia a bola onde queria. Marquei muitos golos de cabeça com os seus centros milimétricos. Jogaria na nossa 1ª Divisão.

12. Depois como suplentes havia um número elevado de bons jogadores, que não entravam no onze inicial, não porque não tivessem valor para isso, mas sempre da perspectiva de quem faz a equipa. Os casos de Pinto, Simões (guarda-redes), António Campos, Tavares, Nelson da Macolar (que eu já conheci em fim da carreira, mas que ainda era craque), Peyroteo (pai do Chalana de Nogueira), Figueiredo Potência, Mira, Simões, Valério, ………

José Carlos Alexandrino

LEIA TAMBÉM

A síndrome de Javert e o espírito de Abril. Autor: Renato Nunes

Javert, o icónico inspector do romance Os Miseráveis, escrito por Victor Hugo no século XIX, …

Da promessa à efetiva criação do Plano Nacional para as demências. Autor: José Carreira

A Alzheimer Portugal há muito que tem vindo a defender um Plano Nacional para que …