Freixinho despediu-se do executivo com ‘reflexão’ dos últimos quatro anos

Em jeito de despedida do lugar de vereadora da oposição (PS) que ocupou durante quatro anos, Maria José Freixinho foi à última reunião do cessante executivo camarário – teve lugar no dia 27 de Outubro – apresentar uma espécie de reflexão sobre o trabalho realizado e os momentos vividos.

Sem conseguir estabelecer uma rígida separação entre os domínios pessoal e o trabalho político, a vereadora recuou ao acto eleitoral de 2005 para lembrar que a própria, apesar de ter ocupado a quinta posição na vereação, foi a segunda candidata mais votada.

Por este mesmo motivo, Freixinho não deixou de manifestar o seu descontentamento pelo “sentimento de desconfiança” da maioria PSD em relação aos “elementos da vereação da dita oposição”.

E na declaração apresentada na última reunião do executivo não hesitou em apontar o dedo ao facto de o então presidente da Câmara nunca ter apresentado a vereadora “estreante”, aos funcionários da autarquia e, de nunca lhe ter proporcionado uma visita guiada pelo edifício.

“Expectava por um acolhimento, abertura e solidariedade que rapidamente percebi não fazer parte da cultura do executivo em permanência, sobretudo do senhor presidente da Câmara”, declarou, identificando o primeiro sinal de “autismo” do executivo em permanência, aquando da recusa na cedência de um gabinete aos vereadores socialistas. Da mesma forma, aponta o dedo à falta de entrega de documentação alusiva a legislação e procedimentos básicos.

“O desfecho eleitoral autárquico do passado dia 11 de Outubro é a resposta dos oliveirenses em relação ao rumo que pretendem ver implementado no concelho”

Sem deixar de enumerar os contributos que deu para o tratamento dos “mais elementares assuntos” e para “grandes desígnios” – “ESTGOH, ninho de empresas, incentivos aos investimento empresarial, PDM, central de camionagem (…), referiu – Maria José Freixinho lembrou que também ela se congratulou com o que de positivo era feito no concelho.

Recusou-se, contudo, a fazer uso daquela reunião para apreciar o trabalho feito pela maioria PSD, entendendo que o “desfecho eleitoral autárquico do passado dia 11 de Outubro é a resposta dos oliveirense em relação ao rumo que pretendem ver implementado no concelho”.

Com os últimos quatro anos bem presentes na memória – também marcados, como recordou, pelo nascimento de uma filha e o falecimento de dois familiares – Maria José Freixinho deu conta do “constante movimento” que marca a vida humana.

Quando terminava o mandato autárquico, a vereadora cessante recordou os estados de espírito com que cumpriu com a sua tarefa e mostrou-se “grata” pela lição que recebeu “com humildade pessoal e democrática”. Garantiu ainda, estar disposta para “pugnar activamente, enquanto cidadã e munícipe, por um concelho cada vez melhor”.

Aos novos eleitos para o executivo municipal, Freixinho deixou votos de “maiores felicidades”. Aos elementos do novo executivo em permanência desejou que “nunca lhes falte a coragem para mudar” e que “Oliveira do Hospital tenha sempre futuro”.

LEIA TAMBÉM

SONAE (Ai – Ai …) Ou em como o “ouro” de uns é o nosso prejuízo!

CDU vê aprovado na Assembleia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira voto de protesto contra falta de apoio das autoridades às vítimas dos incêndios

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e …

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …