Governo lança investimento de 102 milhões em infra-estruturas rodoviárias e deixa IC6 de fora

O Governo apresentou hoje, no Entroncamento, um Programa de Valorização das Áreas Empresariais, que prevê a construção ou a requalificação de 12 estradas prioritárias para melhorar a ligação de zonas empresariais às grandes auto-estradas. O programa prevê um investimento de 180 milhões de euros, 78 milhões na criação e expansão de zonas empresariais e 102 milhões em acessibilidades rodoviárias, este último realizado basicamente com fundos nacionais. A conclusão do Itinerário Principal 6 (IP6), uma via há muito pedida pelo concelho de Oliveira do Hospital, porém, não está incluída neste pacote.

O ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, que esteve com o Primeiro-ministro na apresentação deste programa que vai abranger as regiões Norte (112 milhões), Centro (50) e Alentejo (18), já tinha referido recentemente em Oliveira do Hospital, aquando da apresentação da requalificação do EN17, que Portugal não tinha dinheiro para concluir aquele traçado sem a ajuda de fundos comunitários. Recorde-se que esta é uma obra reclamada pelo autarca oliveirense José Carlos Alexandrino que condicionou a sua recandidatura à presidência do município ao prolongamento do IC6 até Oliveira do Hospital.

Mas esta obra não parece estar entre as prioridades do Governo, atendendo às palavras do primeiro-ministro, António Costa, que nesta cerimónia fez questão de explicar os critérios para a escolha dos locais onde serão investidos estes 102 milhões de euros. “A prioridade foi muito clara: servir as zonas de localização empresarial e fazer o investimento público que melhor potencia o investimento privado realizado (..) e que podem ter melhor ganho de eficiência e melhor encurtamento de prazos de distribuição de mercadorias ou de acesso às matérias primas”, disse, destacando que estes “investimentos que permitem potenciar o investimento que já foi feito pelas empresas, pelas autarquias, nas zonas industriais, e pelo Estado, nas infra-estruturas rodoviárias e ferroviárias, e que temos de potenciar para termos mais crescimento, melhor emprego e maior igualdade”.

O investimento nas acessibilidades de 12 áreas empresariais já existentes tem como objectivo, segundo o Governo, reduzir o tempo de percurso até à rede estruturante, facilitar o acesso aos portos e à fronteira, fomentar o crescimento económico e a captação de novos investimentos, garantir a manutenção das empresas já instaladas nessas áreas empresariais, potenciar a captação de novos investimentos nessas áreas empresariais e aumentar a segurança da circulação rodoviária.

O bolo de 102 milhões será distribuído por três regiões. No Norte, no eixo das acessibilidades rodoviárias, terá oito intervenções (seis construções e duas requalificações), num total de 39 quilómetros de extensão, o que representa um investimento de 82 milhões de euros. O investimento mais elevado em acessibilidades, 26,2 milhões de euros, está previsto para a construção de uma ligação entre o Parque de Negócios de Escariz à auto-estrada 32 (A32), abrangendo os concelhos de Arouca, Santa Maria da Feira e Oliveira de Azeméis, no distrito de Aveiro.

Na região Centro estão previstas duas intervenções rodoviárias (uma requalificação e uma construção nova) na extensão de 21 quilómetros, num investimento de 15 milhões de euros. No Alentejo está previsto um investimento de cinco milhões para as acessibilidades, estando contempladas uma requalificação e uma construção, num total de cinco quilómetros.

O ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, explicou ainda que, além do investimento das acessibilidades em 12 áreas empresariais, o Governo tem “a expectativa de que mais 50 áreas empresariais venham a ser aprovadas no mapeamento a apoiar por Bruxelas, no mapeamento das três zonas de convergência”, as regiões Norte, Centro e Alentejo.

LEIA TAMBÉM

CDU apresenta queixa na CNE contra executivo e autarcas do PS oliveirenses por aproveitamento “eleitoralista, ilegítimos e antidemocráticos”

Depois do PSD, a CDU de Oliveira do Hospital enviou também uma queixa à Comissão …

CDU: “Julgamos demasiado sem vergonha utilizar uma inauguração pública para os candidatos de um partido [PS] se promoverem”

O candidato à Assembleia de Freguesia de União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca …

  • malha

    Aqui está uma grande medalha para este executivo municipal. Talvez seja caso para mais uma festa!

  • Ele & Ela

    Por aqui se vê o quanto as idas a Lisboa, os conhecimentos em Bruxelas e as manifestações do “presidente” Alexandrino deram frutos! Que grande parolo! Só de saber que ainda tenho de o gramar por mais 4 anos…

  • Mancamulas

    Será que não vai ter vergonha na cara e vai na mesma a votos? Está a ser gozado até ás últimas e mesmo assim vai lá! Já não há palavra de homem.