Governo propõe menos freguesias e nova lei das finanças locais

 

… a revisão do modelo de financiamento e incentivos à agregação de municípios.

A proposta apresentada esta segunda-feira pelo primeiro-ministro estabelece quatro áreas de intervenção para a tutela: o sector empresarial local, a organização do território, a gestão municipal, intermunicipal e o financiamento e a democracia local. No sector empresarial o governo pretende racionalizar, reduzindo o número de entidades.

No que respeita à lei das finanças locais, o Executivo pretende criar um grupo de trabalho que venha a rever o modelo de financiamento.

O Governo, justifica no documento, que estas medidas resultam do “Memorando de Entendimento estabelecido entre o Governo Português, a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional” pelo que qualquer reforma deve “estar orientada para a melhoria da prestação do serviço público, aumentando a eficiência e reduzindo custos, tendo sempre em consideração as especificidades locais, considerando nesse sentido a existência de diferentes tipologias de territórios, nomeadamente áreas metropolitanas, áreas maioritariamente urbanas e áreas maioritariamente rurais”.

Para isso, “julga-se imprescindível rever o regime de financiamento das autarquias locais e, por isso, será constituído um grupo de trabalho para rever a Lei das Finanças Locais”, que “actuará fora do âmbito da Reforma da Administração Local, respeitando, para o efeito, um cronograma de actuação específico”.

Na organização do território pretende reduzir-se “significativamente” o número de freguesias, “dando-lhe escala, dimensão e novas competências, e apostando nas políticas de proximidade”.

Quanto à gestão municipal, intermunicipal e financiamento, aposta-se na dupla descentralização do Estado para os municípios e dos municípios para as freguesias.

Com esta reforma, o Governo compromete-se a melhorar a “prestação do serviço público, o aumento de eficiência e a redução de custos, levando em consideração as especificidades locais, a existência de diferentes tipologias de territórios, nomeadamente áreas metropolitanas, áreas maioritariamente urbanas e áreas maioritariamente rurais”, pode ler-se no documento.

“A reforma da administração local visa o reforço do municipalismo, a promoção da coesão e a competitividade territorial através do poder local”, acrescenta.

O Governo justifica esta reforma com a necessidade de melhorar “a gestão do território e a prestação de serviço público aos cidadãos”. “Vivemos um tempo em que o modelo de gestão deve ser analisado e estruturalmente melhorado, permitindo-se de tal forma o reforço saudável do municipalismo”, lê-se no documento.

“É urgente assumir e preservar o que está bem mas, de igual modo, mudar estruturalmente o modelo de gestão autárquica em Portugal através de uma reforma que para além de resolver o presente, pretende garantir o futuro”, afirma o texto.

Afirmando que os problemas da administração local “não se resolvem com medidas avulsas”, o Governo assume a responsabilidade de “não fazer mais do mesmo”.

O Governo define ainda o Documento Verde como um “ponto de partida” para um debate que pretende alargar à sociedade portuguesa, com o objetivo de, no final do 1º semestre de 2012, estarem lançadas as bases para esta reforma.

In jn.pt

LEIA TAMBÉM

Maria Barroso faleceu esta madrugada

Maria Barroso morreu esta madrugada. Aos 90 anos, a mulher do ex-presidente da República Mário …

Mais de metade do país está em seca extrema

Maio de 2015 foi o terceiro mais seco dos últimos 11 anos e no final …