O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital revelou-se esta manhã profundamente incomodado pelo facto de uma das suas intervenções estar a ser gravada em formato de vídeo. Em reunião pública do executivo camarário, Mário Alves interrompeu a sua explanação – quando dava resposta a uma interpelação feita pelo vereador José Francisco Rolo a propósito do recém editado Boletim Municipal – para se insurgir contra o trabalho que estava a ser desencadeado pela jornalista do Correio da Beira Serra que se encontrava a cerca de um metro de distância.

Gravação em vídeo deixou presidente da Câmara incomodado

 

Como ficou registado em formato de vídeo, o presidente do município oliveirense ao se aperceber da gravação começou a perder a linha de raciocínio até ao ponto de deitar a mão à garrafa de água que tinha à sua frente e se levantar. Por a jornalista julgar que o autarca se levantava para se ausentar da sala onde decorria a reunião, a gravação foi interrompida no momento em que Mário Alves se levantava da cadeira. Mas o que o registo em formato de vídeo não documenta é a forma como o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital se insurgiu contra o trabalho da jornalista: “ Vou-me pôr de pé para que a senhora me possa filmar melhor”, declarou Mário Alves levando à boca a garrafa de água que tinha na mão e acrescentando: “pode-me até filmar a beber água”. “Por vezes anda-se é à procura da agulha no palheiro” rematou. O momento foi de pausa nos trabalhos e de estupefacção dos presentes perante a atitude do responsável máximo pelo poder local numa reunião de câmara que é pública, permitindo a presença dos jornalistas e o exercício da sua profissão. De facto, na reunião realizada esta manhã e, no momento em que ocorreu o sucedido, estavam presentes os jornalistas que representam a totalidade dos órgãos de comunicação social em actividade no concelho: três jornais locais, um regional e a rádio local.

A sala estava cheia e o momento em que Mário Alves se manifestou incomodado foi testemunhado por todos: jornalistas, os sete elementos do município e dois funcionários da autarquia. Contudo, a supremacia de Mário Alves foi suficiente para calar toda a gente ao ponto de ninguém se ter manifestado perante tal atitude. O autarca voltou a sentar-se e retomaram-se os trabalhos que decorriam antes do período da ordem do dia.

No decorrer da reunião, nem mais uma palavra foi pronunciada sobre o episódio que, mais uma vez, marcou a posição do presidente da Câmara que já outrora se tinha manifestado avesso ao trabalho da jornalista estagiária do Correio da Beira Serra.

Note-se contudo, que a atitude de Mário Alves não surpreendeu a jornalista que esta manhã partira rumo à Câmara Municipal convicta de que o presidente do município se insurgisse contra a gravação em vídeo, por na reunião pública de Janeiro ter sido a primeira vez em que foram feitos registos em formato de vídeo. O que realmente foi uma surpresa foi a posição de silêncio assumida pelos três vereadores eleitos pelo Partido Socialista que nem um “ai” disseram sobre o assunto. 

<<Veja registo em secção Vídeos>> 

LEIA TAMBÉM

SONAE (Ai – Ai …) Ou em como o “ouro” de uns é o nosso prejuízo!

CDU vê aprovado na Assembleia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira voto de protesto contra falta de apoio das autoridades às vítimas dos incêndios

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e …

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …