Greve dos professores impossibilita 87 alunos de realizar exames em Oliveira do Hospital

Mais de 95 por cento dos professores do mega agrupamento de escolas de Oliveira do Hospital aderiram à greve aos exames marcada para hoje. Metade dos alunos inscritos não puderam realizar as provas de Português e Latim.

“Foram convocados os mais de 300 professores do 1º,2º e 3º ciclos, mas só 17 se encontram ao serviço”, informou há instantes o diretor da Escola Secundária de Oliveira do Hospital e presidente da Comissão Administrativa Provisória do mega agrupamento oliveirense, considerando tratar-se da “maior grave” já verificada naquele estabelecimento de ensino.

Uma paralisação que ganha maior impacto pelo facto de acontecer em dia de realização de exames nacionais e que, hoje, impossibilitou a realização das provas de Portugês e Latim a cerca de metade dos alunos inscritos. “ Tínhamos 175 alunos inscritos e 87 não realizaram prova”, referiu Albano Dinis ao correiodabeiraserra.com, contando que das 12 salas destinadas à realização de exames, apenas seis estão a ser utilizadas para aquele fim.

Para além dos 87 alunos afetados pela greve na Secundária oliveirense, também os dois alunos inscritos para a prova de Português Língua Não Materna se viram impedidos de realizar a prova no Agrupamento de Escola da Cordinha.

Pese embora o impacto da greve em dia de exame, Albano Dinis disse respeitar e compreender a motivação dos docentes, a maioria dos quais marcou presença na escola, mas aderiu à greve não assegurando a necessária vigilância das provas. “Não é feita greve aos exames deliberadamente, o momento é que é de realização de exames”, comentou o também docente que, sem deixar de lamentar o transtorno que a greve causa aos alunos afetados, regista a “solidariedade” que esta manhã foi manifestada por grande parte dos alunos que se colocaram ao lado dos professores nesta luta. Por esta altura o que mais preocupa os alunos e os pais é a nova data para a realização das provas.
Esta foi a primeira vez que todos os professores do 1º, 2º e 3º ciclos do concelho de Oliveira do Hospital foram convocados para a vigilância de exames nacionais. Uma medida verificada a nível nacional e que nem assim ajudou a minimizar os impactos da greve, levando a que no concelho metade dos alunos não realizasse exame. À porta da Secundária oliveirense falava-se esta manhã de “falta de igualdade de oportunidades” e chegava-se a questionar a legalidade do processo de vigilância já que um exame de português, estaria a ser vigiado por dois docentes daquela disciplina.
Com a realização desta greve que sucede à realização de uma manifestação que juntou 50 mil professores em Lisboa, os docentes contestam o regime de requalificação profissional e a mobilidade geográfica proposta pelo Governo, bem como o aumento do horário de trabalho de 35 para 40 horas semanais. Os sindicatos temem o despedimento de professores do quadro e a dispensa de contratados, em larga escala.

LEIA TAMBÉM

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ deteve em Coimbra autor de crimes de homicídio, na forma tentada e de roubo

A Polícia Judiciária deteve um homem pela presumível prática de um crime de homicídio, na …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Filho preso por suspeitas de ter matado mãe com martelo em Viseu

O homem de 37 anos suspeito de ter matado a mãe em Santarinho, no concelho …