HBC entrou em insolvência e Sindicato teme pelo aparecimento de mais problemas em Oliveira do Hospital

Sem sinais de um novo investidor, os trabalhadores foram hoje informados da nomeação do administrador de insolvência, que deverão conhecer em novo plenário agendado para a próxima quarta-feira, 20 de Maio.

Quem assegura não baixar os braços é Fátima Carvalho do Sindicato do Sector Têxtil e das Confecções que pretende fazer jus à promessa de recuperação da empresa com um novo investidor.

“Estão-se a fazer diligências para uma nova reunião no Governo Civil com o novo administrador”, referiu a sindicalista ao correiodabeiraserra.com, garantindo que os cerca de 160 trabalhadores “acreditam que tudo está a ser feito e, exigem e apelam ao poder político e às forças vivas para se envolverem, no sentido de se encontrar uma solução”.

“Eles querem trabalhar e não querem estar no desemprego”, referiu, assegurando que “estão todos muito unidos, expectantes e dispostos a lutar para que a empresa possa reabrir”.

Questionada sobre o nome de possíveis investidores interessados em recuperar a HBC, Fátima Carvalho cingiu-se à existência de “hipóteses”, ao mesmo tempo que apelou à confluência de sinergias como objectivo de se encontrar um investidor.

“Estou convencida de que, a nível de Oliveira do Hospital, é possível encontrar uma solução”, sublinhou, insistindo na envolvência do poder político na busca de respostas para os problemas que afectam os trabalhadores da HBC e para as ameaças que pairam sobre outras empresas.

“Os problemas estão, em cada dia, a aumentar cada vez mais”, alertou a sindicalista que disse ter conhecimento da existência de problemas numa outra empresa de confecções a laborar no concelho.

“Iremos fazer todo o nosso trabalho e investigar o que é que se está a passar”, referiu, confessando-se “muito preocupada com a zona de Oliveira do Hospital, pela existência de uma mono indústria que “exige uma atenção redobrada de toda a gente”.

“Estas pessoas vivem com muito baixos salários”, lembrou Fátima Carvalho que também aproveitou para louvar a atitude que o centro de emprego e a Segurança Social tiveram no tratamento célere do processo da HBC. “Isso ajudou a minimizar o problema das pessoas, mas é necessário fazer mais por Oliveira do Hospital e unir esforços para que se encontrem soluções”, verificou, não escondendo o receio pelo aparecimento de “mais problemas”.

LEIA TAMBÉM

PSA anuncia produção de carros de lazer na fábrica de Mangualde

Depois de ameaçar encerrar a produção em Portugal, o grupo francês PSA aumenta a pressão …

Câmara da Guarda: Álvaro Amaro exige ser ouvido pelo Governo na estratégia nacional para o lítio

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro (PSD), emitiu ontem um comunicado onde …