HBC: Trabalhadores e sindicato esperam que o governo “não emperre” processo de viabilização

Numa altura em que é pública a existência de um investidor interessado em pegar na empresa de confecções HBC, trabalhadores e sindicato do Sector Têxtil e Vestuário do Centro revelaram alguma esperança relativamente ao desfecho do processo. “Parece que agora há uma luz ao fundo do túnel”, afirmou há instantes a sindicalista Fátima Carvalho informando que, amanhã, terá lugar pelas 16h00 no ministério da Economia, uma reunião com o investidor interessado, o Governo Civil, o IAPMEI, a Câmara Municipal e a Segurança Social.

“É a primeira vez que vamos reunir com o investidor e é uma esperança muito grande”, admitiu Fátima Carvalho, contando que, hoje mesmo e volvido quase ano desde o início da suspensão, os trabalhadores voltaram a votar pela viabilidade da empresa e não pela liquidação, porque – como acrescentou – “nesta terra só têm fechado empresas”.

Alertando para o facto “preocupante” de que “em Oliveira do Hospital o desemprego é o dobro da média nacional”, a presidente do Sindicato dos Têxteis e Vestuário do Centro lamentou que algumas propostas que surgiram, “tenham morrido após as eleições” e disse esperar que o poder central não coloque entraves ao projecto de viabilização que agora está em cima da mesa.

“Esperamos que os ministérios da Economia e da Segurança Social, amanhã, não emperrem este processo”, avisou Fátima Carvalho, garantindo que “se o fizerem, estes trabalhadores não irão baixar os braços e irão com muita razão lutar, até às últimas consequências, pela continuidade do seu posto de trabalho”.

“Deixamos já esta mensagem muito forte”, reiterou, recordando que o problema já se arrasta há quase um ano e há jovens trabalhadores que, dentro em breve, vão perder o direito ao subsídio de desemprego.

Inconformada com a realidade que está a afectar centenas de trabalhadores das confecções no concelho de Oliveira do Hospital, Fátima Carvalho apela ao governo e à Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, para que permitam que os “empresários que vivem extremamente isolados possam aceder a formas de apoio”.

Descontente com a política seguida pelos bancos e que se retraem a conceder crédito quando o ramo de actividade é o sector têxtil e das confecções, a sindicalista alerta o Estado para a necessidade de apoiar os empresários e de impulsionar feiras do sector “como acontecia noutros tempos” como forma de dinamizar os mercados.

Paralelamente, na opinião da presidente do sindicato, a solução deve também passar pela união entre os empresários, para que haja articulação no acesso aos mercados “na Europa e fora dela”. “Não podemos olhar para o fatalismo de que a China é que veio prejudicar as empresas. Há outros nichos de mercado”, verificou.

LEIA TAMBÉM

AVMISP avisa, após reunião Marcelo Rebelo de Sousa, que falta de apoios pode levar empresas afectadas pelos incêndios a encerrar

A Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) lamentou hoje, na …

Ano de 2017 foi o melhor de sempre para o turismo no Centro de Portugal

O ano de 2017 foi o melhor de sempre para a atividade turística no Centro …