História do Convento do Desagravo retratada em livro

 

… no interior do monumento fundado por Genoveva Maria do Espírito Santo.

Volvidos mais de três séculos desde a sua edificação – as obras terão tido início em 1780 –  o Convento do Desagravo do Santíssimo Sacramento abriu as suas portas para o lançamento de uma obra alusiva à sua história.

“Era um sonho que já tinha há algum tempo”, referiu a presidente da Junta de Freguesia de Vila Pouca da Beira que, desde a primeira hora, apoiou o lançamento do livro como forma de o executivo que dirige “colmatar uma lacuna existente sobre a história do Convento hoje transformado em pousada histórica”.

Para Graciosa Fontinha esta é uma forma de “dar a conhecer e evidenciar esta riqueza patrimonial material e imaterial que é ex-libris da freguesia e do concelho” e de prestar homenagem a Genoveva do Espírito Santo, “uma grande mulher que do nada conseguiu erguer esta preciosidade”.

“Uma grande lição de vida e de fé, pois o convento é prova de que quando se quer muito, tudo é possível e os sonhos podem tornar-se realidade”, entende Graciosa Fontinha, numa mensagem que integra as primeiras páginas do livro agora lançado e que é prefaciado pelo falecido Bispo de Coimbra, D. Albino Mamede Cleto que, na data de lançamento do livro, comemoraria o 78º aniversário do seu nascimento. Responsável pela apresentação da obra, o padre António Borges de Carvalho louvou o trabalho desenvolvido pelo autor que conseguiu reproduzir em livro “uma riqueza que a maior parte não sabe, nem conhece, mas que é digna de ser conhecida, para que o povo e a comunidade de Vila Pouca da Beira possa medir melhor a grandeza da sua história e presença do convento”.

Saudando a presença das irmãs Clarrisas na sessão de lançamento da obra, Borges da Carvalho aludiu àqules que são os principais momentos da história de edificação do convento, em particular o esforço e o caminho percorrido pela “pastorinha” Genoveva Maria do Espírito Santo que fundou o monumento destinado a acolher as irmãs Clarissas e a promover a educação e formação de meninas. “Foi um acontecimento extraordinário”, sublinhou, sem deixar de lamentar desativação do convento após a morte da última freira em 1889, data em que a fazenda pública tomou posse dos bens do convento, alguns dos quais se encontram espalhadas por vários espaços religiosos e outros.

Enaltecendo o poder local por apoiar o lançamento da obra, o autor Correia Góis não deixou de criticar a ausência do poder nacional que “foi convidado” mas não compareceu à sessão de lançamento da obra. Um trabalho que surge na sequência de uma investigação que tem vindo a desenvolver há 25 anos na área dos conventos e outros monumentos religiosos e registou a “boa recetividade da Câmara Municipal e Junta de Freguesia”. “Para mim é uma honra este livro que engrandece a cultura do meu concelho, a freguesia, o distrito e a cultura portuguesa”, considerou o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital a propósito da obra para a qual muito contribuiu o empenho de Graciosa Fontinha e a investigação do autor.

Satisfeito pela obra, José Carlos Alexandrino revelou-se sobretudo “orgulhoso” pelo monumento que, ao longo dos anos, se tem mantido em bom estado de conservação, acolhendo mesmo uma moderna pousada. “Agradeço à fundação Bissaya Barreto, a Viegas Nascimento e ao povo que tiveram papel preponderante na preservação”, sublinhou.

A participar no lançamento da obra alusiva a um monumento religioso inaugurado pela então Câmara de Vila pouca da Beira, Alexandrino não deixou de aludir ao “aspeto menos positivo” do livro que começa com a indicação de que “Vila Pouca da Beira é uma das 21 freguesias de Oliveira do Hospital. “Daqui a um tempo deixa de ser verdade porque um conjunto de políticos acha que é com a extinção de freguesias que se resolvem os problemas do país”, criticou o presidente da Câmara Municipal, voltando-se a opôr à decisão do governo de extinguir cinco das 21 freguesias do concelho, entre as quais a da Vila Pouca da Beira.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …