Incêndio de grandes dimensões ameaçou populações e consumiu carro de bombeiros

Viveram-se verdadeiras horas de pânico, esta tarde, em Oliveira do Hospital. Um incêndio de grandes dimensões devastou mais de 200 hectares de floresta na zona do Vale do Alva, cercou populações e consumiu uma viatura do comando dos bombeiros de Oliveira do Hospital.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mais de 300 bombeiros, oriundos de vários pontos do país, apoiados por 87 veículos e três helicópteros travaram, esta tarde, uma luta desigual contra o fogo. Aconteceu no concelho de Oliveira do Hospital, na Zona do Vale do Alva, quando depois das 15h30 foi dado o sinal de alerta para o incêndio que rapidamente progrediu a partir da localidade das Caldas de S. Paulo, propagando-se para Santo António do Alva e Penalva de Alva. Pelo meio, várias habitações foram sendo surpreendidas pelas chamas, valendo a prontidão dos bombeiros na defesa dos habitantes e seus bens. A povoação das Quintas de S. Pedro chegou mesmo a estar cercada pelo fogo.OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

No combate àquele que já é entendido como o maior fogo, este ano, ocorrido no concelho de Oliveira do Hospital um carro do comando da corporação dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital foi destruído pelas chamas. O bombeiro que o conduzia conseguiu escapar à violência do fogo com pequenas queimaduras na face.

Com a ajuda de dois aviões de combate, o fogo foi considerado dominado pouco depois das 21h00, registando-se pontualmente pequenos reacendimentos.

Ao fim de mais de seis horas de combate ao incêndio que devastou uma zona de reconhecido potencial turístico, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital apreciou a prontidão dos bombeiros que vieram de todo o país para o combate ao “incêndio que ganhou grandes proporções e se revelou muito complicado”. Responsável pela proteção civil concelhia, José Carlos Alexandrino lamentou porém a fraca resposta dos meios aéreos que em zona de declive são considerados determinantes para o eficaz combate ao fogo. “Se os aviões tivessem chegado mais cedo, ter-se-ia resolvido o fogo melhor e mais cedo”, referiu.OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Motivo de preocupação para o autarca foram as várias habitações que chegaram a ficar ameaçadas pelo fogo. “Graças à intervenção de todos, acabou por correr menos mal”, referiu o autarca ao correiodabeiraserra.com, contando que o fogo chegou a entrar por alguns jardins e espaços de arrumos mas sem danos para as habitações e populares. Lamentando a perda da viatura de comando dos bombeiros de Oliveira do Hospital, Alexandrino regozija-se com o facto de o bombeiro envolvido no incidente ter sido poupado.

Numa altura em que ainda se apura a área devastada pelo fogo, as primeiras indicações apontam para mais de 200 hectares de floresta ardida.

Ao mesmo tempo que o fogo do Vale do Alva foi considerado dominado, outro incêndio eclodiu na zona do Moinho do Buraco, na zona Norte do concelho. Bombeiros e sapadores prosseguem no combate às chamas.

LEIA TAMBÉM

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

idosos

Idoso desaparecido em Trancoso

Os Bombeiros e a GNR estão a procurar um homem de 90 anos que foi …

  • VALE DO ALVA REVOLTADO!!

    EM VEZ DO PRESIDENTE DA CAMARA ANDASSE A PASSEAR PELO FOGO SE AJUDASSE É K ERA!!! AS BOCAS QUE VOCE RECEBEU DA POPULAÇÃO FORAM BEM MERECIDAS!! EU KERO VER O K VOCE VAI FAZER AGORA!! SERA K VAI AJUDAR?

    • Oliveirense

      Mais uma lição de vida.
      É tempo de os proprietários limparem os terrenos à volta das habitações.
      É preocupante assistirmos diariamente os mesmos problemas:
      O feno e o mato encostados às casas e depois os culpados são os bombeiros, o presidente da câmara, a falta de meios aéreos, entre outras desculpas.
      Um facto é que em meia hora o incêndio progrediu das Caldas até às Quintas de S. Pedro – não foi falta de empenho dos bombeiros nem desconhecimento dos perigos dos incêndios florestais.
      Hoje em dia os proprietários desresponsabilizam-se em vez de assumirem as suas obrigações legais.

  • Erasmo de Roterdão

    Política com elevação..! Vale tudo? Quem é que mandou bocas? Não fora o que ele ajudou e quantos hectares e problemas teriam sido..? Num dia de tantos incêndios quantos meios aéreos vieram..? A coordenação foi das mais eficazes de sempre..! Mais um mês e já se acabam as rasteiras e a baixa política..!O Povo vai dar-vos o resto da resposta..!

    • Leandro Santos

      Pois pois… A presença do “Presidente” nestas situações não é para a caça ao voto, não, nada disso! É porque é tudo pelas pessoas (algumas)!

  • Mais de um PSD em desespero.

    Oportunista e vergonhoso, sem olhar a limites para atingir fins, é o que uma candidata ao Município anda a escrever na sua página do facebook. Agora até diz que mora na Catraia.
    Num estado de calamidade e de desespero das populações anda com insinuações falsas. O desespero é tanto. Veja lá se você não é daqueles proprietários que não limpam os seus próprios terrenos.
    Depois vêm para aqui escrever, como está abaixo, a fazerem-se passar por outros.
    Eu tinha vergonha de andar com processos em tribunal, devido a andar a comer do nosso dinheiro com motoristas e outras coisas, e vir agora armar-se em santinha. Já não chega ter fechado tantas escolas deste concelho, e mandado para a rua várias docentes e auxiliares. Já agora dê educação ao seu marido. Já que enquanto docente e com responsabilidades em escola, não o faz. Ele que modere mais a língua. É só asneiras. Mais um que nos anda a comer o dinheiro.
    Gente mesmo que não vale nada e só anda na politica por oportunismo e interesse pessoal.
    Gente mesmo que só serve para a intriga e para virar umas pessoas contra as outras.
    Trabalhem.

  • S. Pedrense

    Revolta, cansaço e tristeza, são os sentimentos que ficam depois de tantas horas de horror. Subir e descer, correr tanto de um lado para o outro, gritos, pedidos de socorro… Só víamos o fogo a alastrar em tão poucos minutos e pouco ou nada conseguíamos fazer. Foram horas de horror, batalhámos bastante e as ajudas tardavam em chegar. Finalmente chegou e pareceu sempre insuficiente, o fogo não acalmava. As nossas casas rodeadas de fogo… foi uma sensação indescritível.

    Com a maior da naturalidade e depois de tudo acalmar, chegam os donos dos terrenos e matas que rodeiam as casas, para verem o cenáááário… Tanto se batalha contra esta gente todos os anos, para limparem o mato e ainda ficam zangados e geram guerras com os vizinhos, como se não fosse uma obrigação destas gentes limparem os seus terrenos, parece que ainda estão a fazer um favor. E na hora do horror não meteram sequer lá os pés para ajudar…

    Agora passou, e infelizmente só resta a paisagem negra da nossa terrinha…

    Obrigada a todos que nos ajudaram neste dia de inferno!!!