Incêndio de grandes dimensões ameaçou populações e consumiu carro de bombeiros

Viveram-se verdadeiras horas de pânico, esta tarde, em Oliveira do Hospital. Um incêndio de grandes dimensões devastou mais de 200 hectares de floresta na zona do Vale do Alva, cercou populações e consumiu uma viatura do comando dos bombeiros de Oliveira do Hospital.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mais de 300 bombeiros, oriundos de vários pontos do país, apoiados por 87 veículos e três helicópteros travaram, esta tarde, uma luta desigual contra o fogo. Aconteceu no concelho de Oliveira do Hospital, na Zona do Vale do Alva, quando depois das 15h30 foi dado o sinal de alerta para o incêndio que rapidamente progrediu a partir da localidade das Caldas de S. Paulo, propagando-se para Santo António do Alva e Penalva de Alva. Pelo meio, várias habitações foram sendo surpreendidas pelas chamas, valendo a prontidão dos bombeiros na defesa dos habitantes e seus bens. A povoação das Quintas de S. Pedro chegou mesmo a estar cercada pelo fogo.OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

No combate àquele que já é entendido como o maior fogo, este ano, ocorrido no concelho de Oliveira do Hospital um carro do comando da corporação dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital foi destruído pelas chamas. O bombeiro que o conduzia conseguiu escapar à violência do fogo com pequenas queimaduras na face.

Com a ajuda de dois aviões de combate, o fogo foi considerado dominado pouco depois das 21h00, registando-se pontualmente pequenos reacendimentos.

Ao fim de mais de seis horas de combate ao incêndio que devastou uma zona de reconhecido potencial turístico, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital apreciou a prontidão dos bombeiros que vieram de todo o país para o combate ao “incêndio que ganhou grandes proporções e se revelou muito complicado”. Responsável pela proteção civil concelhia, José Carlos Alexandrino lamentou porém a fraca resposta dos meios aéreos que em zona de declive são considerados determinantes para o eficaz combate ao fogo. “Se os aviões tivessem chegado mais cedo, ter-se-ia resolvido o fogo melhor e mais cedo”, referiu.OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Motivo de preocupação para o autarca foram as várias habitações que chegaram a ficar ameaçadas pelo fogo. “Graças à intervenção de todos, acabou por correr menos mal”, referiu o autarca ao correiodabeiraserra.com, contando que o fogo chegou a entrar por alguns jardins e espaços de arrumos mas sem danos para as habitações e populares. Lamentando a perda da viatura de comando dos bombeiros de Oliveira do Hospital, Alexandrino regozija-se com o facto de o bombeiro envolvido no incidente ter sido poupado.

Numa altura em que ainda se apura a área devastada pelo fogo, as primeiras indicações apontam para mais de 200 hectares de floresta ardida.

Ao mesmo tempo que o fogo do Vale do Alva foi considerado dominado, outro incêndio eclodiu na zona do Moinho do Buraco, na zona Norte do concelho. Bombeiros e sapadores prosseguem no combate às chamas.

LEIA TAMBÉM

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ deteve em Coimbra autor de crimes de homicídio, na forma tentada e de roubo

A Polícia Judiciária deteve um homem pela presumível prática de um crime de homicídio, na …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Filho preso por suspeitas de ter matado mãe com martelo em Viseu

O homem de 37 anos suspeito de ter matado a mãe em Santarinho, no concelho …

  • VALE DO ALVA REVOLTADO!!

    EM VEZ DO PRESIDENTE DA CAMARA ANDASSE A PASSEAR PELO FOGO SE AJUDASSE É K ERA!!! AS BOCAS QUE VOCE RECEBEU DA POPULAÇÃO FORAM BEM MERECIDAS!! EU KERO VER O K VOCE VAI FAZER AGORA!! SERA K VAI AJUDAR?

    • Oliveirense

      Mais uma lição de vida.
      É tempo de os proprietários limparem os terrenos à volta das habitações.
      É preocupante assistirmos diariamente os mesmos problemas:
      O feno e o mato encostados às casas e depois os culpados são os bombeiros, o presidente da câmara, a falta de meios aéreos, entre outras desculpas.
      Um facto é que em meia hora o incêndio progrediu das Caldas até às Quintas de S. Pedro – não foi falta de empenho dos bombeiros nem desconhecimento dos perigos dos incêndios florestais.
      Hoje em dia os proprietários desresponsabilizam-se em vez de assumirem as suas obrigações legais.

  • Erasmo de Roterdão

    Política com elevação..! Vale tudo? Quem é que mandou bocas? Não fora o que ele ajudou e quantos hectares e problemas teriam sido..? Num dia de tantos incêndios quantos meios aéreos vieram..? A coordenação foi das mais eficazes de sempre..! Mais um mês e já se acabam as rasteiras e a baixa política..!O Povo vai dar-vos o resto da resposta..!

    • Leandro Santos

      Pois pois… A presença do “Presidente” nestas situações não é para a caça ao voto, não, nada disso! É porque é tudo pelas pessoas (algumas)!

  • Mais de um PSD em desespero.

    Oportunista e vergonhoso, sem olhar a limites para atingir fins, é o que uma candidata ao Município anda a escrever na sua página do facebook. Agora até diz que mora na Catraia.
    Num estado de calamidade e de desespero das populações anda com insinuações falsas. O desespero é tanto. Veja lá se você não é daqueles proprietários que não limpam os seus próprios terrenos.
    Depois vêm para aqui escrever, como está abaixo, a fazerem-se passar por outros.
    Eu tinha vergonha de andar com processos em tribunal, devido a andar a comer do nosso dinheiro com motoristas e outras coisas, e vir agora armar-se em santinha. Já não chega ter fechado tantas escolas deste concelho, e mandado para a rua várias docentes e auxiliares. Já agora dê educação ao seu marido. Já que enquanto docente e com responsabilidades em escola, não o faz. Ele que modere mais a língua. É só asneiras. Mais um que nos anda a comer o dinheiro.
    Gente mesmo que não vale nada e só anda na politica por oportunismo e interesse pessoal.
    Gente mesmo que só serve para a intriga e para virar umas pessoas contra as outras.
    Trabalhem.

  • S. Pedrense

    Revolta, cansaço e tristeza, são os sentimentos que ficam depois de tantas horas de horror. Subir e descer, correr tanto de um lado para o outro, gritos, pedidos de socorro… Só víamos o fogo a alastrar em tão poucos minutos e pouco ou nada conseguíamos fazer. Foram horas de horror, batalhámos bastante e as ajudas tardavam em chegar. Finalmente chegou e pareceu sempre insuficiente, o fogo não acalmava. As nossas casas rodeadas de fogo… foi uma sensação indescritível.

    Com a maior da naturalidade e depois de tudo acalmar, chegam os donos dos terrenos e matas que rodeiam as casas, para verem o cenáááário… Tanto se batalha contra esta gente todos os anos, para limparem o mato e ainda ficam zangados e geram guerras com os vizinhos, como se não fosse uma obrigação destas gentes limparem os seus terrenos, parece que ainda estão a fazer um favor. E na hora do horror não meteram sequer lá os pés para ajudar…

    Agora passou, e infelizmente só resta a paisagem negra da nossa terrinha…

    Obrigada a todos que nos ajudaram neste dia de inferno!!!