Inovação é ‘chave’ para retirar Queijo Serra da Estrela da curva descendente

 

… para inverter o sentido descendente por que está a passar o Queijo Serra da Estela.

“Não estamos de braços caídos”. A garantia foi dada, no sábado, por José Carlos Alexandrino no decorrer do 23º capítulo da Confraria do Queijo Serra da Estrela, depois de enumerar os vários fantasmas que chegam a colocar o Queijo Serra da Estrela em “perigo de extinção”.

As dívidas do estado à ANCOSE, a reduzida produção de queijo com o leite de ovelha Bordaleira ou Churra Mondegueira Serra da Estrela – “apenas 10 por cento”, referiu – e o cenário de seca foram alguns dos aspetos negativos citados pelo autarca de Oliveira do Hospital, mas que o próprio fez questão de deitar por terra, tomando por base o trabalho que no concelho está a ser desenvolvido no sentido de inverter aquele cenário.

“Neste território do interior do país também há inovação, e é com muito orgulho que anuncio que, neste concelho, está a ser desenvolvido um grande projeto de inovação, com incorporação de tecnologia, concebido para valorizar o Queijo Serra da Estrela, retirando-o da curva descendente em que se encontra, e propiciando a atração de jovens para uma atividade nobre da região”, afirmou.

José Carlos Alexandrino referia-se, assim, em concreto, ao trabalho que está a ser desenvolvido pela BLC3, em parceria com a Universidade do Minho, e cujo projeto vai ser candidatado ao QREN.

“Poderá constituir um passo decisivo para a internacionalização do afamado e genuíno Queijo Serra da Estrela”, referiu o presidente oliveirense, destacando em concreto cada uma das fases do projeto, nomeadamente e como forma de “disciplinar um mercado”, a criação de um kit analítico que permita identificar, com rigor, a utilização do leite produzido pelas raças Bordaleira e Mondegueira, de forma a garantir a autenticidade do produto.

Como forma de potenciar a exportação do produto, Alexandrino destacou a segunda fase de paralisação de bolores e, valorizou, num terceiro momento, a fatiagem do Queijo Serra da Estrela em doses individuais, possibilitando o seu acesso a mercados gourmet.

“É deste tipo de projetos, com uma nova visão, que o interior do país precisa para sairmos da crise a que a inércia e a passividade nos conduziram”, rematou o autarca.

Alexandrino falava assim numa sessão da responsabilidade da Confraria do Queijo Serra da Estrela, realizada no âmbito da 21ª Festa do Queijo Serra da Estrela e Outros Produtos Locais de Qualidade e na qual decorreu a habitual cerimónia de entronização de novos confrades.

Entre os confrades de Honra destaque para os municípios que apoiaram a candidatura do Queijo Serra da Estrela ao concurso das “7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa” e a ADIBER. O chefe de cozinha Hélio Loureiro, conhecido pela confeção de vários pratos com recurso à afamada iguaria, também foi entronizado. Prevista estava também a entronização do padrinho da candidatura do Queijo Serra da Estrela ao concurso das “7 Maravilhas”, mas o campeão olímpico Carlos Lopes não compareceu na cerimónia, onde também foram entronizados nove novos confrades efetivos.

LEIA TAMBÉM

PSA anuncia produção de carros de lazer na fábrica de Mangualde

Depois de ameaçar encerrar a produção em Portugal, o grupo francês PSA aumenta a pressão …

Câmara da Guarda: Álvaro Amaro exige ser ouvido pelo Governo na estratégia nacional para o lítio

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro (PSD), emitiu ontem um comunicado onde …