investigadores Ana Velosa, Rui Vieira e Luís Mariz (Small)

Investigadores da Universidade de Aveiro alertam para risco de graves perdas patrimoniais no Buçaco

Os 32 edifícios do conjunto monumental da Via-Sacra da Mata do Buçaco precisam de obras urgentes de reabilitação sob o risco de degradação irreparável. O alerta partiu do Departamento de Engenharia Civil (DECivil) da Universidade de Aveiro (UA), o qual acentua que, para além da própria degradação dos edifícios construídos pela Ordem dos Carmelitas Descalços a partir do início do século XVII, nove deles se encontram em zonas de perigo de queda de árvores e 23 podem sofrer graves consequências derivadas do escoamento das águas da chuva.

A morfologia do solo e o perigo de queda de árvores são os grandes riscos que, segundo os especialistas, podem trazer consequências graves e irreparáveis para o conjunto monumental da Via-Sacra daquela Mata Nacional. Mas a construção baseada essencialmente de materiais cerâmicos, argamassas de cal e cortiça, obrigam também a uma intervenção urgente.

“Os edifícios carecem de acções de reabilitação e de manutenção urgentes sem as quais a degradação se pode acentuar de forma irreversível”, alerta Ana Velosa, coordenadora do trabalho e investigadora do RISCO, a recém-criada unidade de investigação do DECivil que tem como objectivo estudar e avaliar os riscos e a sustentabilidade na construção, incluindo a conservação do património construído. “Nove dos edifícios encontram-se em zonas de perigo de queda de árvores e apenas dois dos trinta e dois edifícios monumentais estão localizados em áreas com declive inferior a 20 por cento. Todos os outros estão em terrenos com declive que varia entre 20 a 60 por cento”, acrescenta Rui Veiga, estudante de Engenharia Civil na UA e autor da Tese de Mestrado que faz a análise dos riscos da Via-Sacra do Buçaco.

Os riscos são vários. Uma queda de árvore nos edifícios expostos a esse risco “pode destruir coberturas e paredes, causando degradação acelerada dos edificados devido, por exemplo, à entrada de água e colonização biológica”. Os declives entre os 20 e os 60 por cento nos terrenos onde foram construídos grande parte dos edifícios “acentuam a presença de água em algumas empenas [paredes laterais de um edifício], potenciando a sua degradação”, principalmente em caso de chuvas fortes.

A investigação do DECivil vai ser discutida durante o I Seminário sobre Património Edificado do Buçaco no dia 27 de Março. Organizado pela Fundação Mata do Buçaco, pela UA e pela Câmara Municipal da Mealhada, o encontro pretende marcar um momento decisivo para as acções de salvaguarda e protecção do Património Edificado do Deserto dos Carmelitas Descalços do Buçaco.

LEIA TAMBÉM

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

idosos

Idoso desaparecido em Trancoso

Os Bombeiros e a GNR estão a procurar um homem de 90 anos que foi …