IPC prepara-se para extinguir novo curso da ESTGOH

A recém criada licenciatura em Desenvolvimento Regional e Ordenamento do Território (DROT) da ESTGOH tem os dias contados. Em carta enviada aos únicos seis alunos matriculados, o IPC admite não ter condições para manter o curso em funcionamento e dá prazo de 10 dias para manifestarem interesse na “recolocação institucional”.

Depois de no verão passado ter assistido à atribuição de vagas zero à licenciatura de Administração e Marketing, vendo reduzida a sua oferta formativa a apenas duas licenciaturas (Administração e Finanças e Engenharia Informática), a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) está prestes a perder a recém criada licenciatura em Desenvolvimento Regional e Ordenamento do Território (DROT).

Tudo, porque o novo curso criado no seio da escola afeta ao Instituto Politécnico de Coimbra se revelou pouco atrativo em cada uma das três fases do concurso nacional de acesso ao ensino superior, tendo atraído apenas três estudantes que não terão chegado a efetivar matrícula, visto que os seis alunos inscritos no curso nenhum foi admitido por via do concurso nacional de acesso ao ensino superior, presumindo-se que o grupo de seis tenha sido admitido através do concurso destinado a maiores de 23 anos.

Seis alunos que, apurou o correiodabeiraserra.com, já foram convidados pelo Instituto Politécnico de Coimbra a mudar para outro curso do IPC ou até de outra instituição de ensino desde que a mobilidade seja aceite pela mesma. Um convite à “recolocação institucional” que lhe foi dirigido por carta e com prazo de resposta de 10 dias, mas que merece o contestação dos alunos que não estão dispostos a mudar de licenciatura, visto ter sido aquele o curso que decidiram frequentar e muito menos optar por um curso em Coimbra, ou Figueira da Foz, por entenderem que tal opção configuraria “mais um degrau no esvaziamento da ESTGOH”. Ainda a estudarem a forma como se hão-de posicionar em todo este processo, os alunos entendem que o IPC deveria antes “desviar” alunos de Coimbra para o curso de Oliveira do Hospital e não o contrário.

Numa altura em que, pese embora o reduzido número de alunos, o curso de DROT funcionava dentro da normalidade no seio da ESTGOH, os estudantes não se mostram surpreendidos com a comunicação que lhes foi dirigida, já que – segundo relato a este diário digital – o próprio presidente da ESTGOH já os tinha alertado para este possível desfecho. Do mesmo modo, os alunos entendem que isto só acontece porque “da parte das entidades responsáveis nada foi feito para atrair mais alunos para o novo curso, em particular, e para a ESTGOH, em geral”.

Contra a extinção do curso, os alunos ponderam reunir com a a Câmara Municipal e responsáveis da ESTGOH e do IPC. Contudo, não poupam nos reparos que fazem ao responsável máximo da ESTGOH e dirigentes da própria Associação de Estudantes que, em face dos ataques que têm vindo a ser feitos à escola “ não têm tido força, nem vontade para alterar o rumo dos acontecimentos”.

O correiodabeiraserra.com tentou contactar o presidente da ESTGOH, mas até ao momento não foi possível obter qualquer esclarecimento da parte de Carlos Veiga.

LEIA TAMBÉM

João Dinis acusa CM de Oliveira do Hospital de “negligência continuada” em estrada municipal

O membro da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca …

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

  • Bernardo

    Secretário de Estado e direcção do IPC para a rua.
    Era de prever que com a deslocalização de Administração e Marketing para Coimbra, o que pretendem é acabar com a ESTGOH.

  • marco

    é o que dá criarem Licenciaturas sem saída profissional (para o desenprego)!

  • Santos

    Isto é inacreditável. Estão a destruir a ESTGOH! Já fecharam Marketing e agora fecham Ordenamento do Território. Que virá a seguir?

  • Paulo

    Quem são os responsáveis por mais um ataque a esta ESCOLA ? Ficam impunes ? Não lhes acontece nada ? Estão a destruir uma escola, uma região e a vida dos que querem estudar na ESTGOH. Nós pagamos propinas, queremos estudar aqui!

  • Bernardo

    Porque não divulgam a Carta Aberta elaborada pela BLC (João Nunes e António Campos) ao SE acerca da ESTGOH???