João Dinis afirma que houve abate “selvagem” de plátanos em Oliveira do Hospital e pede explicações à Câmara Municipal

O eleito da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira, João Dinis, pretende que a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, bem como aquela União de Freguesias expliquem o que classifica de “abate selvagem de vários e grandes Plátanos (e outras espécies) que se encontravam junto à berma da EN 230, entre Ervedal da Beira e a Ponte da Atalhada, sobre o Mondego. Este elemento eleito pela CDU considera que se trata de “um atentado ao nosso património vegetal”, referindo mesmo que o trabalho se realizou “em condições que indiciam alguma ‘negociata'”, uma vez que “a madeira de plátano é das mais caras…”.

João Dinis pretende que ambas as autarquias “esclareçam a situação e providenciem todas as iniciativas capazes de chamar à ordem quem tem responsabilidades directas pelo acontecido às árvores e da forma como aconteceu”. O elemento da CDU acusa ainda o presidente da União de Freguesias, Carlos Maia, de saber do que estava a acontecer e de nada ter feito. “Teve conhecimento do abate com ele em curso e quando ainda não tinham sido cortadas várias das árvores que acabaram por o ser, desconhece-se ainda a mando de quem – da ‘Infra-estruturas de Portugal’? Porquê, para executar por quem e por quanto?”, diz. “Deveria ter impedido o corte daquelas árvores que ainda se encontravam em pé. Nem que tivesse que se tocar o sino para correr à pedrada quem estava a fazer aquele trabalho”, afirma.

Num requerimento enviado a várias entidades, João Dinis solicita agora informações “sobre as condições em que ocorreu o abate em contínuo” dos Plátanos, alguns deles, diz, na área urbana de Ervedal da Beira. “Afinal, que Entidade(s) determinou(aram) esse abate e porquê ?  Quem deu “pareceres” para o abate e quais são eles? Que Entidade executou a tarefa e em que condições de remuneração ou congénere? Por que especial razão a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia não intervieram, céleres,  com o objectivo de impedir o abate de, pelo menos, algumas das árvores que elas até não foram cortadas todas no mesmo dia?”, continua na missiva que seguiu também para o presidente da Câmara. “Mas o que queremos salientar é que, assim, foram cortadas as árvores que davam dinheiro em algum negócio em que ‘alguém’ está envolvido… Afinal para onde foram levados os troncos, por que entidade e para quê? A propósito, quem levou os troncos, por exemplo dos plátanos – mais valiosos – deixou lá ficar as ramadas, no terreno, o que é inadmissível”, questiona.

O eleito da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira) pretende igualmente ser informado, em detalhe, das diligências que Câmara Municipal e Junta de Freguesia da UFEVFB já tenham feito ou venham a fazer com o objectivo de esclarecer toda “esta situação – que prefigura um autêntico atentado ao nosso património vegetal – e de responsabilizar quem o tiver de ser pelo acontecido”, remata.

O presidente da Junta de Freguesia, em declarações à Rádio Boa Nova, já veio dizer que se opõe ao corte daquelas árvores e que não foi pedido qualquer parecer àquela autarquia. “A Junta de Freguesia não é de acordo com o abate total daquelas árvores que já têm muitos anos”, referiu Carlos Maia, lembrando que as árvores são propriedade da empresa Infra-estruturas de Portugal, pela que a jurisdição “não é da Junta de Freguesia e muito menos da Câmara Municipal”.  “Não fomos contactados nesse sentido”, assegurou, adiantando que foi com “alguma surpresa” que viu o corte das árvores e admite fazer “uma comunicação à IP” a mostrar “o sentir das populações que não aceitam de bom grado o abate daquelas árvores”. O  autarca reconhece ainda que poderia ter havido “mais algum bom senso e não terem eliminado as árvores totalmente”.

LEIA TAMBÉM

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Apenas um elemento do grupo suspeito de vários crimes na zona Centro ficou em prisão

Dos cinco jovens, com idade entre os 22 e os 28 anos detidos pela PJ …