João Dinis promete “debate duro” em Vila Franca da Beira

 

… e explicar essa brincadeira”.

João Dinis não esquece o momento em que, em reunião da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, realizada em setembro, o deputado independente José Vasco Campos indicou o nome da freguesia de Vila Franca da Beira para extinção e, ontem, foi à reunião de Câmara avisar que àquele deputado que “hoje é candidato à Câmara Municipal” o espera “um debate muito duro” na freguesia.

“É assim que vai ser e não é ameaça nenhuma”, referiu João Dinis, alargando o recado a “todos os outros que se atrevam a dizer que Vila Franca da Beira deve ser extinta”.

É que no ano em que a freguesia de Vila Franca da Beira se prepara para comemorar as bodas de prata, assinala 25 anos de existência, João Dinis diz não se lembrar de passar “procuração a ninguém”, pelo que quem ousou apontar o nome de Vila Franca da Beira para extinção deve “assumir as responsabilidades”.

“Vão olhar nos olhos dos vilafranquenses e explicar essa brincadeira, é só isso que têm que fazer”, avisa João Dinis, confiante que ainda está na continuidade da freguesia, que acredita ainda comemore o 26º e 27º aniversário e por aí fora, num processo que considera “iníquo” e em que se regozija de contar com o apoio da Câmara Municipal e juntas de freguesia.

“Temos estado a 95 por cento solidários neste processo”, regista, lamentando as vozes favoráveis ao processo de extinção. A proposta da Unidade Técnica de Reforma da Administração do Território que, no concelho, dita a extinção de cinco freguesias – Vila Franca da Beira, Lajeosa, S. Paio de Gramaços, S. Sebastião da Feira e Vila Pouca da Beira – foi aprovada em dezembro no Parlamento.

Uma decisão que continua a merecer a rejeição da Junta e Assembleia de Freguesia de Vila Franca da Beira que não vêem com bons olhos uma “falsa união” com a vizinha freguesia de Ervedal da Beira.

Em reuniões realizadas no final do ano, chegou a ser aprovada uma “posição comum”, onde a freguesia de Vila Franca da Beira é entendida como “uma herança comum” que a população pretende “projetar para o futuro”.

Em face de uma “afronta” que consideram “revoltante”, a Junta e Assembleia de Freguesia vilafranquenses voltam a reclamar a “revogação das leis iníquas”.

Na posição que seguiu para os orgãos autárquicos municipais, ANAFRE e para a tutela, os responsáveis vilafranquenses ameaçam “prosseguir uma luta sem tréguas” na defesa da freguesia, voltando a invocar “objeção de consciência” com o objetivo de não virem a participar nos trâmites legais, destinados à aplicação e consumação das leis em questão.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …