Quarta-feira, Março 29, 2017
Início - Região - Oliveira do Hospital - José Carlos Alexandrino promete mais dois médicos para Oliveira do Hospital
José Carlos Alexandrino promete mais dois médicos para Oliveira do Hospital

José Carlos Alexandrino promete mais dois médicos para Oliveira do Hospital

O PSD não desiste. Quer saber onde pára aquele que ficou conhecido como “Programa Revolucionário para a Saúde” proposto por José Carlos Alexandrino para Oliveira do Hospital e que nunca se chegou a concretizar. Mais uma vez, o autarca voltou a ser questionado. Mais uma vez atribuiu a culpa ao anterior Governo. Mas prometeu não desistir. Garantiu que tudo está melhor, que vai voltar a trabalhar no caso e que espera em breve mais dois médicos no concelho.

“Tenho um projecto que na altura lhe chamei de revolucionário e era mesmo revolucionário que levaria médicos a todas as freguesias. Mas pergunte ao senhor Leal da Costa [ex-secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde e ministro da Saúde em 2015] porque não temos esse projecto revolucionário da saúde, porque era de facto revolucionário”, respondeu José Carlos Alexandrino, para quem, ainda assim, hoje em Oliveira do Hospital tem muitos mais médicos, muito mais assistência e muito menos doentes sem médico. E como novidade mostrou-se convencido que em breve estarão mais dois clínicos ao serviço no concelho. “Já estamos a pagar a estadia a dois e queremos pagar a mais dois”, resumiu.

O autarca definiu a luta pela saúde como “uma grande batalha” deste executivo que, no seu entender, resolveu um problema que era responsabilidade do Governo. “Ainda hoje pagamos a estadia a dois médicos e, em princípio, vamos ter mais duas colocações após um concurso que está a decorrer”, disse, antes de atirar que hoje Oliveira do Hospital tem uma unidade móvel que é um sucesso e já possui mais médicos que a vizinha cidade de Seia. “E lá têm mais habitantes e mais inscritos que nós”, referiu.

O autarca continua a garantir que a génese do seu projecto revolucionário não morreu. “Há 15 dias eu e o presidente da Fundação Aurélio Amaro Dinis estivemos reunidos com o secretário de Estado da Saúde para ver o que tínhamos negociado com o anterior Governo e o que é preciso agora fazer”, lembrou, frisando que este executivo “ganhou uma batalha, mas não ganhou a guerra”. José Carlos Alexandrino continua a defender as virtudes do seu plano. “Tenho um projecto que permitirá o acesso à saúde de todos os cidadãos. Há um conjunto de situações que pretendemos melhorar durante este ano” disse, esclarecendo que é preciso uma nova fórmula de pensar. E eu sou capaz de antecipar. Só preciso recursos”, rematou.

  • António Lopes

    Pois.. até pode ser que sim Mas, eu, que até me considero uma pessoa informada, nunca percebi uma alínea desse projecto que, aliás nunca vi. Era e é, pressuposto, que o 1º eleito à Assembleia Municipal, a quem compete analisar e decidir sobre a vida do Concelho soubesse alguma coisa do assunto.Mas, do que consta, onde está esse bendito e revolucionário projecto? De que trata? Quem o financia e paga? Sendo a saúde responsabilidade do Governo, com a autorização e acordo de quem ?O que ouvi era que “vinha uma médica gravida e um médico tetraplégico mas que eram bons médicos”..! E deviam ser.Com essa “apresentação” já nem vieram… como eu também não viria.Depois ouvi falar de um médico Cubano que, humildemente e com dignidade, disse que era humilde de um País humilde,mas não miserável, como parece, o quiseram tratar.Depois ouvi médicos que foram convidados a “gozar o prato”(particular).Depois ouvi dizer que veio uma Senhora Doutora, reformada… para Lagares.Acho que até deu festa. Ouvi mais umas coisas, não muito abonatórias, mas isso, não interessa. Do tal projecto, dos objectivos, das eventuais soluções e resoluções, disso é que nunca vinem ouvi nada.Mas também devo ser “dos que vivem o Concelho pelos jornais”..! Sendo que só leio o CBS. Os outros sabe-se como é..! Até são gabados pelo poder, não sabendo este, o poder, que é a maior ofensa que se pode fazer.O Senhor presidente ainda não descobriu que o dever dos órgãos de informação é escrutinar o poder.Todo o poder..! Ele acha que o dever da comunicação social é bajulá-lo. E consegue.Pagando..! Felizmente, tem uma excepção, como todas as regras têm..! Não terá sido a “fogachada” que afastou e inviabilizou o “projecto revolucionário”? Porque não explicam porque desistiu o Secretário de Estado Leal da Costa?Como diria D.Juan Carlos: “Porque non te calhas”..? Com a presidencial língua no lugar dela, já cá estavam os médicos e os IC… à algum tempo… Mas pronto em “bicos” e ofendendo os adversários é que dá…