Depois de uma ausência de quatro meses das páginas do CBS, regresso e começo com um grande abraço de parabéns ao novo presidente da Câmara Municipal.

José Carlos Alexandrino

É com saudações sentidas e democráticas que o felicito o Prof. José Carlos Alexandrino. Neste artigo, o primeiro da era Alexandrino, podia esmiuçar as razões da sua vitória. Como podia começar a recordar-lhe as promessas que deixou em campanha para os primeiros 100 dias de governação. Como podia mesmo segredar-lhe que tenha sempre presente que antes do Partido Socialista, como antes de todos e qualquer um dos seus apoiantes, foi ele, Carlos Alexandrino, que ganhou as últimas autárquicas. Porém, não é nada disso que hoje farei.

Hoje, falarei apenas do homem que ganhou estas autáquicas.

Conheci o Prof. José Carlos Alexandrino no inicio de todo este processo autárquico. Numa altura em que já ele era candidato do Partido Socialista, embora tal facto ainda não fosse do conhecimento público. Conheci-o numa conversa política, onde logo me surpreendeu que fosse o que menos falasse e o que mais ouvisse. Como também me surpreendeu a sua genuína humildade e sempre elegante presença e interpelação. Confesso que senti ali que o PS tinha candidato. Que a termos uma direita oliveirense dividida era dele a vitória. Não me enganei.

Mas quem pensa que José Carlos Alexandrino ganhou só e apenas porque existiu uma brilhante candidatura e candidato independentes, está enganado.

José Carlos Alexandrino ganhou porque quando as pessoas estavam fartas de um poder pouco dialogante, arrogante e prepotente, foi ele o candidato da simpatia, do diálogo e da proximidade.

José Carlos Alexandrino ganhou porque quando a obra realizada tinha o selo da improdutividade, foi ele o primeiro a prometer obra reprodutiva, de apoio à classe empresarial e ao emprego.

José Carlos Alexandrino ganhou porque não parece homem de se deslumbrar com o poder.

José Carlos Alexandrino ganhou porque parece querer governar de porta aberta.

José Carlos Alexandrino ganhou porque não tem o pedantismo de se achar o detentor da verdade. Ganhou porque tem vontade e carisma para isso.

Uma das alegrias que a vitória do Prof. Alexandrino também nos dá, a nós oliveirenses, é o facto de ser natural do concelho e terminar com o séquito de vitórias de naturais de outros concelhos. Agora já não posso dizer que Oliveira é melhor madrasta do que mãe. Mas, enfim, posso dizer que em Oliveira do Hospital só podem ser Presidentes de Câmara os de “fora” ou os de “dentro”, desde que naturais de Ervedal da Beira (Simões Saraiva e Carlos Alexandrino).

Agora mais a sério, faço votos que o Prof. Alexandrino tenha um mandato repleto de elevada execução e concretização. Que coloque Oliveira do Hospital nos píncaros da modernidade e do desenvolvimento social e económico. Eu confio nele.

Sei que sendo eu militante do CDS, de alma, coração e firmeza, podem estas minhas palavras ser mal compreendidas. E mal compreendidas de cem maneiras diferentes. Porque é assim, deixo também aqui uma espécie de declaração de interesses em 4 pontos.

1 – É grande a consideração e estima que me merecem o actual Presidente do Município.

2 – Combaterei nos valores e nos princípios, sempre e democraticamente, o Partido Socialista que deu, nesta eleição, símbolo e bandeira ao actual Presidente.

3 – Faço sinceros votos, e para isso contribuirei se tal me for pedido, que a direita se saiba reestruturar a revigorar em Oliveira do Hospital. Que seja oposição construtiva no actual mandato e alternativa credível para o próximo.

4 – Para mim o actual Presidente de Câmara não goza apenas do benéfico da dúvida. A ele dá-lhe a minha pessoa todas as certezas. Agora, se a sua governação for pífia, orientada, comandada ou arrogante, terá na minha escrita, palavra e acção uma fonte inesgotável de dura oposição.

Luís Lagos
Vice-Presidente do CDS/PP

LEIA TAMBÉM

Comissão Europeia apoia promoção dos produtos agrícolas europeus. Autor: Sofia Colares Alves

Nos últimos anos, a União Europeia mostrou ser líder mundial do comércio de produtos agroalimentares …

Vivó Mundial de 1966 !!! E a seguir o de 2006 !!! Autor: João Dinis, Jano

E “prognósticos só no fim do jogo”… Sim, já somos daqueles que viram as fases …