Juventude Socialista coloca cartazes na cidade em forma de protesto contra o poder local

Um pouco por toda a cidade de Oliveira do Hospital, a JS decidiu colocar pequenos cartazes com “mensagens que queremos que façam pensar”, conforme referiu a este diário digital, João Abílio, um membro daquela estrutura partidária.

Esta iniciativa, “a primeira de muitas da Juventude Socialista”, em tempo de autárquicas, vem questionar o sentido lógico de fechar o cinema no Mês de Agosto e realçar a necessidade de uma verdadeira revitalização no cinema e na cultura em Oliveira do Hospital.

Em matéria de educação, também o Centro Escolar é objecto de crítica nesta iniciativa, já que os “jotas” afirmam querer “as verbas disponibilizadas a serem verdadeiramente aproveitadas”.

Noutro dos cartazes, a pergunta “15 000 euros por um lugar é uma prioridade?” promete “vir trazer mais alguma comichão à presidência da Câmara”, ironiza João Abilio. “ (…) e esperamos que os turistas se aventurem pelas estradas do concelho, por sua própria conta e risco, para passarem a tarde a admirar a monumentalidade das rotundas da Cidade (…)”, continua o jovem socialista.

É ainda por isto que a JS diz que “O Turismo não vive de Rotundas”, referindo-se às verbas do orçamento municipal que a autarquia oliveirense tem vindo a canalizar, nos últimos tempos, na construção e decoração de rotundas.

Através desta iniciativa partidária, a JS refere também querer “mostrar, efectivamente, à população o que está mal no concelho de Oliveira do Hospital”, e pergunta – em forma de cartaz – onde está a central de camionagem e por que é que foram precisos 16 anos para fazer uma biblioteca.

Carolina Henriques (estagiária)

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …