Lajeosa contesta encerramento de EB1 e ameaça partir para uma “posição de força”

Responsáveis locais e municipais querem saber os critérios que ditam o encerramento da EB1 da Lajeosa e que poupam outras escolas do concelho com o mesmo número de alunos. Autarcas pedem explicações à delegada regional dos estabelecimentos escolares e ameaçam mobilizar população para “uma posição de força”.

Ainda mal recomposta da decisão de extinção da freguesia, a população da Lajeosa vê-se já a braços com o anúncio de encerramento da sua Escola do 1º Ciclo de Ensino Básico que, no próximo ano letivo, contaria apenas com 10 alunos. Uma “malandrice” que merece a contestação dos responsáveis locais que, ao final da tarde de ontem, se solidarizaram com a população e asseguraram desencadear uma luta no sentido de impedir que a Lajeosa volte a ser a “sacrificada”. “Vamos partir para formas de luta”, anunciou o presidente da União de Freguesias de Lagos da Beira e Lajeosa que à porta da EB1 ameaçada de encerramento, exigiu explicações à Delegada Regional dos Estabelecimentos e Escolares – Cristina Oliveira é também vereadora do PSD na Câmara de Oliveira do Hospital – no sentido de clarificar os critérios que conduzem ao encerramento da escola. “Tenho a impressão que há perseguição política à Lajoesa. Há escolas no concelho com o mesmo número de alunos”, referiu José António Guilherme, reportando-se em particular à EB1 de Vila Franca da Beira, que conta com 11 alunos e está próxima do Agrupamento de Escolas da Cordinha “onde há todas as condições e mais algumas” e que escapa à decisão de encerramento. “Porque é que uma fecha e a outra não?”, questiona o autarca, referindo porém não ter nada contra a EB1 de Vila Franca da Beira.

Representante da Lajeosa na União de Freguesias, Paulo Sérgio não se conforma com a política de encerramentos de que a localidade tem sido alvo e apela à delegada regional para que explique ao povo da Lajeosa o “critério” que dita o encerramento da EB1. “Inicialmente a comunicação social falava do encerramento de três escolas, agora só fecha a Lajeosa. A Drª. Cristina que venha à Lajeosa explicar aos lajeoseOLYMPUS DIGITAL CAMERAnses e aos pais destas crianças o porquê e a razão. Que venha e dê a cara aqui ao povo”, desafia o eleito local, para quem “ainda há tempo” para que a delegada regional do estabelecimentos escolares reveja esta situação.

“Calhou-nos a fava novamente e a Lajeosa volta a ser a sacrificada”, reage o presidente da Assembleia da União de Freguesias que também quer conhecer o motivo para que “a Lajeosa que tem 10 alunos e dois ou três casos de ensino ensino especial seja a contemplada, quando Vila Franca tem 11 alunos”. “Dá impressão que é para riscar a Lajeosa do mapa. Acho que a população tem que pensar em tomar uma posição de força”, entende Rui Pedro que apela à participação popular na reunião da Assembleia de Freguesia do próximo dia 30, para que se tome “uma posição em conjunto”. Com o enceramento da EB1, Rui Pedro adivinha dificuldades a outros níveis e teme que a Lajeosa se transforme num “dormitório”. “Como Lajeosense começo a sentir-me ferido e vou incentivar a população a medidas de alguma força. É a única maneira de deixarmos de ser bode expiatório”, afirmou.

“A delegada regional entregou a escola da Lajeosa para abate. Agora que nos explique o critério”

À luta dos eleitos locais associa-se também o município de Oliveira do Hospital que se revê na contestação e se solidariza com a população por nada ter a ver com a decisão do Ministério de Educação e Ciência. “Nunca a Câmara concordou e a decisão é da inteira responsabilidade do MEC e da delegada regional. A Câmara nunca foi colaborante com a criação do mega agrupamento, nem com o encerramento desta escola”, afirmou a vereadora da Educação , notando que o município foi “enganado” neste processo. Graça Silva informou que em reunião realizada no final de maio , um elemento da DGEST assegurou que não haveria qualquer encerramento de escola, pelo que estranha agora a decisão tomada e que denota “desconhecimento” do território concelhio. Preocupada com o encerramento, Graça Silva está também apreensiva quanto à escola que venha a acolher as 10 crianças da Lajeosa, a EB1 da cidade de Oliveira do Hospital, onde “há turmas enormes, com mais de 20 alunos e alunos com necessidades educativas especiais”. “A questão que se levanta é preocupante”, refere Graça Silva que depois da criação do mega agrupamento ocorrida no ano passado entendia que, pelo menos este ano, o concelho deveria ser poupado no processo de encerramento de escolas.

Diante de uma decisão “irracional” , um“absurdo educativo” e de uma “autêntica trapalhada”, o vice-presidente da Câmara Municipal também acredita tratar-se de uma “perseguição à Lajeosa”. “Não há nenhum critério que diga porque é que esta escola foi encerrada e outras se mantêm abertas”, afirmou José Francisco Rolo reprovando a atução do MEC de encerrar a EB1 da Lajeosa “sem que se crie uma solução razoável que dê um equilíbrio educativo aos alunos” e sem o “mínimo de respeito para com os municípios e freguesias que servem apenas para garantir recursos humanos, para tapar os buracos e problemas que o MEC cria e para fazer manutenção de instalações”. “Perante esta trapalhada toda cabe à delegada regional dar uma explicação à população da Lajeosa, ao município e comunidade educativa”, entende José Francisco Rolo, considerando haver “tempo e razões mais do que suficientes para rever e alterar esta decisão claramente irracional e persecutória à Lajeosa”. No entender do responsável, “só nos cabe lutar ao lado da população e exigir uma explicação”. “A delegada regional entregou a escola da Lajeosa para abate. Agora que nos explique o critério”, exorta o vice-presidente da Câmara.

LEIA TAMBÉM

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ deteve 12 pessoas em Coimbra por suspeita de tráfico de droga

A Directoria do Centro da Polícia Judiciária anunciou hoje ter detido, na terça-feira, doze pessoas …

  • Zeca Diabo

    Quem não luta …chora…

    • Cá o Zé

      Eles sabem, que quem não chora, não mama.

  • desalinhado

    Então mas estes senhores não lêem, não vêm televisão , ou ninguém lhe facultou as ultimas decisões da tutela? Qual o critério??!! Meus senhores infelizmente são o numero de crianças que cada vez sao menos. è triste mas é a realidade do nosso país, ou pensam que a Lajeosa foi escolhida a dedo?

  • Vigilante

    O 2º representante da União de Freguesias de Lagos e Lajeosa, o sr. Paulo Sérgio já se esqueceu que, enquanto presidente da extinta junta de Lajeosa, ele e o seu tesoureiro, Miguel Prazeres matricularam as suas filhas na escola primária de Oliveira do Hospital, contribuindo desta forma para reduzir o número de alunos na escola da Lajeosa. Agora, em vez de 10 seriam 12 alunos… talvez fizesse toda a diferença. E esta hem? Temos memória curta!!!

  • Bentaviso

    Mas onde é que eu já vi isto?
    Ah, já sei, foi nas anexações das freguesias;
    Ah, e também nos IC’s;
    É pá, também foi no centro de saúde;
    Ó, e no mega-agrupamento;
    Porra, afinal foi em quase tudo.
    Porque será que o Sr. Presidente não esteve nesta?
    Estará a ensaiar para a “marcha” do próximo sábado?

  • O enlutado

    Mais um funeral de uma instituição. Não se esqueçam que o ATL já fechou no ano passado. Para o próximo será a creche e assim sucessivamente. Bom se calhar está à vontade de muito boa gente. Somos uma terra de tristes, invejosos e desunidos, como é que acham que se vão unir para lutar pelas coisas. A Terra vai morrer aos poucos. Só vai escapar o cemitério, sabe-se lá porquê. Este pelo menos está bem vigiado pelos funcionários, nada de mal lhe pode acontecer.

  • Beirão

    Depois de tudo o que nos tiraram esta é mais uma “prenda” do Governo PSD, por nas últimas eleições legislativas o concelho de Oliveira do Hospital ter votado em força no PSD.
    Este ataque do PSD à Lajeosa e ao concelho de Oliveira do Hospital, tem a assinatura da Cristina Oliveira – a destruidora da educação no concelho.
    Vâo ter a resposta à altura, espera para veres…