Lançamento da Ipsis Verbis comemorou a República e denunciou “trapalhadas do ministério da Educação”

Já está disponível a nova edição da revista Ipsis Verbis, publicada pela Escola Secundária de Oliveira do Hospital e comemorativa do centenário da República Portuguesa.

Num total de 200 páginas, a publicação reúne um conjunto de artigos assinados por professores, alunos, ex-alunos, autarcas, investigadores, deputados da Assembleia da República e outras personalidades.

Contando com a colaboração da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e Fundação Belmiro de Azevedo, a revista Ipsis Verbis foi lançada na passada sexta-feira, 28 de Maio, no auditório da Caixa de Crédito de Oliveira do Hospital, exibindo na capa a caricatura do Zé Povinho rodeado por António José de Almeida, Afonso Costa, Brito Camacho, Bernardino Machado e José Maria de Alpoim.

Dispondo ainda com um conjunto de caricaturas que servem de abertura para cada tema, a “Repúblicas” foi pormenorizadamente apresentada por António Augusto Monteiro, investigador do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS 20/UC) que, destacou a “qualidade pedagógica, gráfica e literária” que a publicação encerra.

“Esta revista é única e prestigia a Escola, os professores e Oliveira do Hospital”, afirmou o investigador, entendendo que a Ipsis Verbis “deve chegar aos ministérios da Educação e da Cultura e às comemorações do centenário da República”.

Destacando a qualidade de cada um dos artigos, com realce para os que foram produzidos pelos 11 alunos que deram o seu contributo na elaboração da quinta edição da Ipsis Verbis, Augusto Monteiro, sempre munido de um característico sentido de humor, considerou que “o melhor tributo que podemos dar à revista é lê-la, relê-la e divulgá-la”.

Em dia de festa para a Escola Secundária de Oliveira do Hospital – assinalou o 35º aniversário – o lançamento da Ipsis Verbis foi ainda propósito para a manifestação de algum descontentamento relativamente às políticas do ministério da Educação.

Sem deixar de explicar que com o tema “Repúblicas”, a ESOH pretendeu associar-se à comemorações da primeira República, contribuindo ao mesmo tempo para “reflectir sobre o presente e o futuro do nosso regime republicano”, o coordenador da Ipsis Verbis, Luís Filipe Torgal, destacou também a mais valia dos textos produzidos pelos 11 alunos daquela escola.

“Comprovam que as famílias e os professores ainda vão cumprindo o seu papel de educadores e instrutores, não obstante as trapalhadas em que o ministério da Educação vai envolvendo as escolas e que estão consignadas no estatuto do aluno”, afirmou.

“A maior prioridade é fazer com que a ESTGOH seja realizada neste mandato”

Comungando da apreciação de Luís Torgal, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital criticou a política seguida pelo governo e que, em matéria de Educação, “pouco tem a ver com a qualidade pedagógica nas escolas”.

“Hoje, em Portugal, corre-se atrás de uma política economicista”, observou José Carlos Alexandrino, entendo que o ministério da Educação “quer um conjunto de números para as estatísticas, desviando os professores da sua função de ensinar e fazendo com que sejam trabalhadores administrativos”.

Assegurando que, por várias vezes, tem dado voz pela luta dos professores, o autarca defendeu que “é preciso inverter algumas coisas nas escolas”. “O sistema educativo tem que sofrer algumas transformações, mas não podemos mudar atacando a dignidade e o profissionalismo dos professores”, frisou Alexandrino, verificando que “houve um ministério que o fez, para mal do sistema educativo português, colocando em causa a relação entre a classe docente”.

Enquanto parceiro no lançamento da Ipsis Verbis, José Carlos Alexandrino valorizou a iniciativa, por considerar que os aspectos culturais “também são importantes”. “Por vezes discute-se se não há obras prioritárias, mas eu digo que esta também é uma obra prioritária”, defendeu, sublinhando que “a análise da história é um documento importante de reflexão e de futuro”.

No topo das prioridades do executivo que lidera, Alexandrino colocou contudo as instalações da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital “ESTGOH). “A maior prioridade é fazer com que a ESTGOH seja realizada neste mandato”, garantiu o presidente da Câmara, advertindo para a necessidade de empenhamento do ministério da Educação na resolução do problema das instalações da ESTGOH que “é uma escola muito importante”.

LEIA TAMBÉM

Jovens cientistas da EPTOLIVA de Tábua desenvolvem Compósito Antisséptico e conquistam segundo lugar na XI Mostra Nacional de Ciência

Jovens estudantes da Eptoliva, na Tábua, no distrito de Coimbra, desenvolveram uma solução desinfectante a …

A escola ou a escolinha (?). Autor: António Ferro.

Durante várias décadas, fui assistindo às mudanças (algumas drásticas e escusadas) no sistema de ensino …