Leitores do CBS consideraram incorrecta a apresentação feita por José Carlos Alexandrino da dívida herdada do mandato de Mário Alves

Os leitores do CBS consideram que o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, não foi correcto na apresentação da alegada dívida que herdou do mandato de Mário Alves. O inquérito, que normalmente está presente no CBS e que versava sobre este tema, não apresentava, por motivos técnicos, facto pelo qual pedimos desculpa, os números parcias dos votos. O problema está resolvido. À pergunta, “Como classifica a atitude do executivo da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital relativamente à apresentação dos números alegadamente inflacionados da dívida herdada do mandato de Mário Alves?”, votaram 543 leitores. Destes, 416 consideraram a atitude da autarquia incorrecta, ou seja 77 por cento dos participantes. Já 127 leitores concordaram com a atitude de José Carlos Alexandrino, um total de 23 por centos dos participantes neste inquérito.

Votos Totais 543

Incorrecta? 416 votos (77%)

Correcta? 127 votos (23%)

LEIA TAMBÉM

Tomada de posse dos órgãos autárquicos marcada pela tragédia dos incêndios e presidente reeleito aposta em “fazer renascer Oliveira do Hospital”

Não foi uma tomada de posse normal dos novos responsáveis pelo munícipio. Os discursos inflamados …

António Lopes apresenta denúncia no MP contra as autoridades do concelho oliveirense por entender que pode existir “crime de homicídio por negligência” na tragédia dos incêndios

O eleito à Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, António Lopes, apresentou ontem uma denúncia …

  • António Lopes

    Pois No Quadro que o senhor Presidente tem na mão diz que a dívida, em 31 de Dezembro de 2009, era de 7 526 737 ,85 euros.
    No mapa da divida dos últimos dez anos, apresentado no relatório de contas, no passado dia 30, diz que era de 5 084 877,43 euros.
    Estou em condições de afirmar e provar, com documentos da Câmara, que a dívida efectiva era de 3 546 000 00 euros, sendo que havia compromissos assumidos com a Estrada de Aldeia Das Dez, Oliveira-Nogueira, e Ponte do Salto -Seixo da Beira de mais 2 milhões de euros,que estavam no banco.
    Não percebo o medo que esta gente tem da linguagem da verdade.
    Acabei de mandar a todos os jornais e partidos políticos as provas da minha razão quanto aos 380 866,33 euros, que apresenta o erro no resumo DIÁRIO de tesouraria, a 31 de Março do corrente ano. Se o documento é um resumo DIÁRIO, estou com grande expectativa para que alguém me explique o tal “espaço temporal”. Também acabo de mandar um requerimento ao Sr.Presidente da Assembleia Municipal para que me esclareçam, em “letra de foram” a minha “ignorância”..!Nestes assuntos e nos números da água, que querem esconder, mas terão que vir à luz do dia, bem como os vários números da EXPOH.A transparência não se apregoa.Pratica-se… Isto do sempre em festa, o tempo tem que faltar em algum lado…

    • João Paulo Albuquerque

      Sr. Lopes, lá está você a “confundir, baralhar e aldrabar”, o seu problema é ““não usar o mesmo período temporal do utilizado para o apuramento do referido saldo da receita”.
      É um problema temporal terrível, se estiver nevoeiro, não se vêem mais de 100 mil euros, se estiver a chover torrencialmente, não há quem encontre duzentos e muitos mil. Para desaparecerem 381 mil, deve ter havido uma forte queda de granizo no passado dia 31 de Março.
      Foi um erro crasso de utilização (possivelmente dos faróis de nevoeiro), esse é que foi o problema. Para a próxima o Sr António Lopes, não pode perguntar para lhe explicarem as contas, tem que perguntar qual é o método de utilização.
      Sr Lopes, peço imensa desculpa, mas isto já só dá para brincar e gozar. Como podem, passado duas semanas, continuar sem saber apresentar as contas?
      Como podem fazer passar por estas figuras os responsáveis técnicos?
      Enfim, mais uns valentes tiros que o Sr Presidente da Câmara deu nos pés.

      JPA