Limpeza das florestas: “Há décadas que há trabalho que devia ter sido feito e não foi”

O presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses esteve reunido na segunda-feira com o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa no Palácio de Belém para discutir as medidas a adoptar à floresta nacional para evitar que tragédias como as do ano passado se repitam. No final, Manuel Machado reconheceu que “há décadas que há trabalho que devia ter sido feito e não foi feito”. Um trabalho que, explicou, é da responsabilidade de “diversos organismos do Estado”, seja central ou local.

O presidente da ANMP reiterou ainda a ideia de que a legislação que responsabiliza os municípios pela limpeza das florestas, “em termos práticos, não é exequível, a não ser que seja feito um faseamento e tendo em conta aquilo que se tem que fazer como primeira prioridade”. “Estamos a trabalhar com os órgãos de soberania para ser aperfeiçoado o que foi estabelecido na Lei do Orçamento do Estado, para ser clarificado, de modo a ser extremamente precisa a responsabilidade de quem têm que fazer o quê, a custas de quem, como e com que poderes, com que legitimidade, incluindo com base no direito de tomar posse, por exemplo, de propriedades privadas que têm protecção legal estabelecida”, avançou o representante dos 308 municípios portugueses, reforçando que a primeira grande responsabilidade pela limpeza das florestas é dos proprietários, alertando que o prazo fixado para uma acção supletiva dos municípios é mais reduzido e, “em termos reais directos, não há tempo suficiente”.

Inserido no Orçamento do Estado para 2018, o Regime Excepcional das Redes Secundárias de Faixas de Gestão de Combustível indica que os proprietários privados têm até 15 de Março para limpar as áreas envolventes às casas isoladas, aldeias e estradas e, se isso não for feito, os municípios terão até ao final de Maio para proceder a essa limpeza. “A ideia de fazer tudo na limpeza das florestas é gerar uma interpretação equívoca, um sentimento equívoco nas comunidades de que não há condições de resolver”, já que “há décadas que há trabalho que devia ter sido feito e que não foi feito por diversos organismos do Estado central, local, de todos”, sublinhou.

Sobre a necessidade de meios humanos e materiais para garantir a limpeza das faixas de gestão de combustível florestal, o presidente da ANMP advogou que os 50 milhões de euros atribuidos para estes trabalhos, “manifestamente, não são suficientes”, referindo ainda que a verba ao adoptar a forma de empréstimo “é mais difícil, porque basta a necessidade de deliberação dos órgãos, as formalidades processuais de contratação pública e tudo isso”.

LEIA TAMBÉM

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ deteve 12 pessoas em Coimbra por suspeita de tráfico de droga

A Directoria do Centro da Polícia Judiciária anunciou hoje ter detido, na terça-feira, doze pessoas …