Lombas “feitas e desfeitas” tardam em ficar concluídas

 

Motivo de grande debate entre populares e no fórum disponibilizado por este diário digital, o problema em torno da construção de duas lombas na estrada que liga Oliveira do Hospital a Felgueira Velha, junto ao entroncamento da Malhadora continua por resolver.

Em causa está a construção de dois elementos de segurança rodoviária destinados a reduzir a velocidade numa zona onde, recentemente, foi instalada uma unidade empresarial, em zona de curva e à qual acorrem vários veículos pesados.

Os trabalhos, da responsabilidade da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital – responsável por melhorar os acessos à empresa – têm estado contudo a gerar polémica, nomeadamente junto dos automobilistas que, diariamente, usam aquela via para os seus afazeres profissionais.

Em causa está a demora em torno da construção das lombas, porque as mesmas já foram “feitas e desfeitas” por duas vezes. A motivar o invulgar feito – apurou este diário digital junto da Câmara Municipal – terão estado erros nas dimensões aplicadas às lombas, tendo ficado demasiado elevadas na primeira tentativa e sofrido, pela segunda vez, um abatimento do piso.

De acordo com a mesma fonte, a situação foi ainda agravada com a mudança de sub empreiteiro responsável pelo calcetamento.

Sanada esta questão, os trabalhos de construção das lombas chegaram a ser retomados no início desta semana, mas um problema com uma viatura da empresa sub contratada, obrigou a uma interrupção pelo menos durante esta quarta-feira.

“O atraso deve-se ao empreiteiro que não as fez no tempo previsto”, referiu a mesma fonte ao correiodabeiraserra.com, garantindo que as lombas, tal como a restante sinalética, estavam previstas no projeto de melhoria dos acessos à unidade empresarial, tendo em atenção o fator de segurança rodoviária.

“Com a instalação da empresa, aumentou o tráfego de pesados e não podemos descurar a segurança”, explicou, não deixando porém de compreender os motivos dos automobilistas que, desde há várias semanas, se deparam com este constrangimento, sendo por vezes obrigados a circular alternadamente em apenas uma via.

Sentido pela população em geral, o problema em torno da colocação das lombas até já chegou à Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital.

Ainda que sem conseguir obter qualquer esclarecimento por parte do presidente do município, o autarca de Lagares da Beira aludiu aos constrangimentos causados a quem por ali passa.

“As lombas perto da nova infra-estrutura condicionam o trânsito pela manhã”, referiu Raul Costa.

“As coisas demoram sempre o seu tempo”, afirmou, por sua vez, o presidente da Junta de Freguesia da Lajeosa que admite que os trabalhos estejam a “causar transtorno” a quem por ali passa.

Ao correiodabeiraserra.com, Paulo Sérgio disse ainda concordar com a colocação de lombas naquele local pelo facto de contribuir para a redução da velocidade numa zona agora mais frequentada por viaturas pesadas.

“Um camião não sai com a mesma velocidade com que sai um carro ligeiro”, verificou, identificando assim as vantagens das duas lombas e, não deixando de admitir que as mesmas não sejam bem aceites “por quem não cumpre os limites de velocidade”.

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital estima que as “polémicas” lombas fiquem concluídas até ao final desta semana, início da próxima. O que não consegue evitar é o mau estar entre os automobilistas, que são praticamente forçados a parar para transporem, em segurança, o rasgão no alcatrão.

LEIA TAMBÉM

Dominado fogo que hoje se reacendeu em Tábua

O incêndio florestal que deflagrou na terça-feira no concelho de Tábua, que esteve em fase …

Incêndios destruíram mais 500 hectares em Seia

Incêndio de Tábua reacendeu-se e mobiliza centenas de bombeiros

O incêndio que ontem deflagrou em Tábua, está novamente activo. O reacendimento aconteceu ao início da tarde …