Lourosa encerrou comemorações do jubileu com olhos postos na desejada requalificação

 

… a necessária requalificação do espaço envolvente ao milenar templo religioso. Restou, porém, a certeza de que a obra “de uma maneira ou de outra vai ser feita”.

A freguesia de Lourosa, no concelho de Oliveira do Hospital, saiu ontem à rua para participar no encerramento das comemorações dos 1100 anos da igreja de S. Pedro, de estilo Moçárabe.

Com direito a transmissão televisiva da missa que, tal como aconteceu no arranque das comemorações, foi também ontem presidida pelo bispo da diocese de Coimbra, Virgílio Antunes, a cerimónia ontem realizada surgiu como o culminar de um conjunto de iniciativas destinadas a comemorar 1100 anos de fé e história naquela freguesia do concelho de Oliveira do Hospital.

Depois da realização da feira moçárabe realizada no dia 19 de agosto e que se afirmou como o ponto alto das comemorações jubilares, o momento ontem vivido ficou marcado pelas emoções. “Um misto de sensações”, chegou a admitir o presidente da Junta de Freguesia de Lourosa que se confessava alegre por na sua terra poder contar com a presença de “pessoas tão ilustres” e triste por assistir ao culminar de “um vasto leque de iniciativas sem paralelo”.

Américo Figueiredo não deixou de verificar a mais valia das comemorações que, tem esperança, que venham a ser “um ponto de partida pata o desenvolvimento e consolidação da freguesia, tornando-a mais dinâmica e com capacidade para se afirmar”.

“As comemorações deram a possibilidade de olhar para o passado com saudosismo e de encarar o futuro de forma positiva”, referiu ainda o autarca numa clara alusão à necessária requalificação do centro histórico da freguesia, sem deixar de apreciar também o empenho da Câmara Municipal que “desde a primeira hora abraçou a iniciativa”.

Satisfação foi também o sentimento que ontem assolou o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, que reiterou o “orgulho” que sente por as comemorações dos 1100 anos do templo coincidirem com o seu mandato autárquico.

José Carlos Alexandrino registou o empenho da autarquia, em especial, da vereadora Graça Silva na organização das comemorações, bem como o esforço orçamental, esclarecendo porém que se tratou de um “investimento na freguesia”. “O presidente da Câmara não fez política com as comemorações, o que fizemos foi com que estas comemorações ficassem à altura da história de Lourosa”, referiu, deixando a garantia de que após as comemorações a freguesia não irá ficar esquecida e que o município levará por diante o compromisso de requalificar a zona envolvente ao templo.

Uma obra que, como explicou, tem sido adiada por haver “esperança” de que os trabalhos orçados em 200 mil euros venham a ter uma comparticipação comunitária na ordem dos 80 por cento. “Esta obra de uma maneira ou de outra vai ser feita”, assegurou o autarca.

“Estas pedras apaixonam…”

Sem deixar de reconhecer o “trabalho muito sério e rigoroso” que foi realizado no decorrer das comemorações, o bispo da diocese de Coimbra, louvou a beleza da igreja moçárabe de Lourosa que “apaixona imediatamente qualquer pessoa com sensibilidade religiosa e histórica”. “Não tem a amplitude das grandes catedrais góticas, mas tem um encanto simples e equilibrado”, notou Virgílio Antunes que se chegou a referir ao templo como se de uma “jóia” se tratasse. “Estas pedras apaixonam”, insistiu o bispo de Coimbra, apelando para que uma futura intervenção no espaço envolvente “não tire o encanto e beleza que está na sua simplicidade”. Virgílio Antunes não tem dúvidas das mais valias das comemorações do jubileu, que vão marcar “o futuro da comunidade cristã local”, certo de que o monumento religioso é um “lugar de peregrinação”.

Vice-presidente da comissão responsável pelas comemorações, Higino Tchikala referiu-se ao jubileu como sendo um “marco fundamental da história da igreja” e destacou os seus impactos junto da comunidade. “O jubileu de Lourosa mexeu com todos, criou unidade e fez-nos descobrir todos os elementos da nossa cultura”, registou o pároco local.

A representar a diretora regional da cultura na cerimónia, o arquiteto Antero de Carvalho destacou a importância que a igreja de S. Pedro de Lourosa tem na história do país e deixou a garantia de que a direção regional da cultura estará disponível para colaborar com a requalificação da zona envolvente ao templo religioso.

Na cerimónia dirigida pela vereadora municipal da Cultura, Graça Silva, destaque também para a homenagem prestada ao falecido Dr. Vasco Campos e às palavras dirigidas pelo presidente da Câmara ao pároco António Borges de Carvalho que se prepara para deixar a paróquia de Oliveira do Hospital.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …