Luís Ângelo foi reeleito e ocupa o novo lugar de director do Brás Garcia de Mascarenhas

Com dois candidatos na corrida pelo lugar de director do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas, o conselho geral transitório canalizou a maioria dos votos para Luís Ângelo que, desde há dois anos, ocupava o lugar de presidente do Conselho Executivo.

Com 15 votos a seu favor, o docente derrotou a candidata adversária, Ana Macedo, que arrecadou apenas 6 votos. Com um projecto que iniciou há dois anos e que foi interrompido pela aplicação do novo modelo de gestão, Luís Ângelo não teve outra alternativa que não fosse candidatar-se ao lugar de director do Agrupamento.

“Há ainda muito a realizar em prol do agrupamento”, referiu ao correiodabeiraserra.com, sublinhando que está em causa um projecto que não é só seu, mas de todo o agrupamento. Do leque de motivos que estiveram na base da recandidatura, Luís Ângelo destaca o gosto pelo exercício do cargo – “apesar do trabalho e de toda a exigência a que o mesmo obriga”, frisou – bem como por Oliveira do Hospital e por todo o agrupamento.

Eleito para dirigir a escola no período de quatro anos, o docente pretende “dar mais condições educativas e físicas a todas as pessoas envolvidas no agrupamento”, tendo em conta a necessária parceria com a autarquia no que respeita às condições físicas ao nível do pré-escolar e do primeiro ciclo.

O incremento do sucesso escolar é outra das metas de Luís Ângelo, a par da vontade de continuar a abrir as portas do agrupamento a toda a comunidade. Sobre a nova figura de director, Luís Ângelo considera que a mesma é sinónimo de “maior exigência e responsabilidade”.

Explicou que na prática não há grandes alterações, mas que o director passa a ser o “responsável máximo” porque, por ocasião do sufrágio, foi eleito um único candidato e não uma equipa, como acontecia anteriormente.

Segundo adiantou, depois de o seu nome ser homologado pela Direcção Regional de Educação do Centro, é da sua responsabilidade escolher os elementos da equipa com que pretende trabalhar. A este nível, Luís Ângelo não pretende desencadear grandes alterações, porque tem “total confiança” nas pessoas com quem tem vindo a trabalhar.

Para os próximos quatro anos, o docente perspectiva “bons tempos”. “Sempre fui ambicioso e não tenho medo dos desafios, nem de me envolver em grandes projectos”, confidenciou a este diário digital. Luis Ângelo disse ainda contar com a colaboração de todo o agrupamento, onde “existe uma grande harmonia”.

LEIA TAMBÉM

Jovens cientistas da EPTOLIVA de Tábua desenvolvem Compósito Antisséptico e conquistam segundo lugar na XI Mostra Nacional de Ciência

Jovens estudantes da Eptoliva, na Tábua, no distrito de Coimbra, desenvolveram uma solução desinfectante a …

A escola ou a escolinha (?). Autor: António Ferro.

Durante várias décadas, fui assistindo às mudanças (algumas drásticas e escusadas) no sistema de ensino …