Luís Ângelo foi reeleito e ocupa o novo lugar de director do Brás Garcia de Mascarenhas

Com dois candidatos na corrida pelo lugar de director do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas, o conselho geral transitório canalizou a maioria dos votos para Luís Ângelo que, desde há dois anos, ocupava o lugar de presidente do Conselho Executivo.

Com 15 votos a seu favor, o docente derrotou a candidata adversária, Ana Macedo, que arrecadou apenas 6 votos. Com um projecto que iniciou há dois anos e que foi interrompido pela aplicação do novo modelo de gestão, Luís Ângelo não teve outra alternativa que não fosse candidatar-se ao lugar de director do Agrupamento.

“Há ainda muito a realizar em prol do agrupamento”, referiu ao correiodabeiraserra.com, sublinhando que está em causa um projecto que não é só seu, mas de todo o agrupamento. Do leque de motivos que estiveram na base da recandidatura, Luís Ângelo destaca o gosto pelo exercício do cargo – “apesar do trabalho e de toda a exigência a que o mesmo obriga”, frisou – bem como por Oliveira do Hospital e por todo o agrupamento.

Eleito para dirigir a escola no período de quatro anos, o docente pretende “dar mais condições educativas e físicas a todas as pessoas envolvidas no agrupamento”, tendo em conta a necessária parceria com a autarquia no que respeita às condições físicas ao nível do pré-escolar e do primeiro ciclo.

O incremento do sucesso escolar é outra das metas de Luís Ângelo, a par da vontade de continuar a abrir as portas do agrupamento a toda a comunidade. Sobre a nova figura de director, Luís Ângelo considera que a mesma é sinónimo de “maior exigência e responsabilidade”.

Explicou que na prática não há grandes alterações, mas que o director passa a ser o “responsável máximo” porque, por ocasião do sufrágio, foi eleito um único candidato e não uma equipa, como acontecia anteriormente.

Segundo adiantou, depois de o seu nome ser homologado pela Direcção Regional de Educação do Centro, é da sua responsabilidade escolher os elementos da equipa com que pretende trabalhar. A este nível, Luís Ângelo não pretende desencadear grandes alterações, porque tem “total confiança” nas pessoas com quem tem vindo a trabalhar.

Para os próximos quatro anos, o docente perspectiva “bons tempos”. “Sempre fui ambicioso e não tenho medo dos desafios, nem de me envolver em grandes projectos”, confidenciou a este diário digital. Luis Ângelo disse ainda contar com a colaboração de todo o agrupamento, onde “existe uma grande harmonia”.

LEIA TAMBÉM

Alunos da ESTGOH consideram “Oliveira do Hospital uma cidade acolhedora”

ESTGOH atrai 110 alunos na primeira fase de acesso ao ensino superior, curso de Gestão das Bioindústrias sem grande adesão

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) preencheu 110 das …

Amianto vai ser retirado da Escola Secundária de Oliveira do Hospital, oposição critica “timing”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital anunciou ontem que assinou um contrato de adjudicação …