Luís Antero recolheu sons da vida sonora fabril e lançou Factory Music

A sirene da “velha fábrica instalada no centro da cidade” serviu de inspiração a Luís Antero que acaba de editar pela mão da americana Wandering Ear, o trabalho “Factory Music”.

Peça sonora original a convite da rádio zero, Lisboa, para o radia lx, festival internacional de arte rádio de Lisboa, Factory Musica pretende espelhar, justamente, a vida sonora fabril da cidade de Oliveira do Hospital, através de gravações realizadas no interior e exterior de algumas unidades fabris (de pequena e média indústria) oliveirenses.

Com esta peça sonora, o autor pretende chamar a atenção do ouvinte para uma certa musicalidade presente em cada uma das fábricas, através das suas diferentes e únicas dinâmicas sonoras.

De Factory Music fazem parte, por exemplo, sonoridades consideradas minimais, a partir das máquinas que ocupam o espaço onde está instalada uma das gráficas concelhias ou, por outro lado, as muitas dinâmicas sonoras presentes na velha fábrica de componentes metalomecânicos.

“Através dos 28 minutos de Factory Music, viajamos no tempo sonoro destas fábricas, na sua vida fabril, na vida dos que nelas trabalham e sentimo-las vivas e activas, através da sua música…”, sublinha Luís Antero.

LEIA TAMBÉM

Cid Teles, a cigarra do Triste Fado: Possíveis influências. Autor Renato Nunes

Não é fácil identificar as influências de um indivíduo. Ainda assim, o estudo dos seus …

Cid Teles, a cigarra do Triste Fado: As origens. Autor: Renato Nunes

O poeta que inspira estas palavras nasceu em 8 de Março de 1911, em Tábua, …