Luís Mota venceu Rali de Oliveira do Hospital

 

Ainda que marcado por vários despistes, o Rali de Oliveira do Hospital primou pelo espírito de competitividade entre os participantes.

A prova disso foi o resultado obtido pelos dois primeiros classificados, em que por uma vantagem de meio segundo Luís Mota se sagrou vencedor da sexta etapa do Open de Ralis, a primeira de terra.

Armindo Neves obteve a segunda classificação, seguido por António Rodrigues, em terceiro. A prova que começou sexta-feira com a disputa de uma super especial, teve ontem os momentos mais emocionantes com as máquinas e os pilotos a devolverem o rali a Oliveira do Hospital.

No final da etapa, Luís Mota confessou-se surpreendido pela vitória porque – como explicou – os troços que constituíam a prova não são os ideais para o carro (Mitsubishi Lancer) com que participou.

“Estes troços são muito estreitos para os nossos carros que precisam de espaço para andar”, referiu aos jornalistas, considerando contudo ter participado numa “luta boa”.

O piloto sublinhou ainda a competitividade que marcou a 6ª etapa do Open de Ralis – “ganhámos por cinco décimas”, referiu – e elogiou a forma como decorreu a prova em Oliveira do Hospital.

Vitorioso naquela que foi a primeira prova em fase de terra, Luís Mota revelou-se otimista em relação às provas que se avizinham. “Vamos lutar pelas vitórias”, assegurou.

Para o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital a prova traduziu-se num “bom regresso ao concelho”. Notou-se pelos participantes e número de público entusiasta”, referiu José Carlos Alexandrino, congratulando-se pelo “êxito” alcançado e pelo nível de competitividade que ficou patente nas classificações obtidas.

Para além de dar como certa a continuidade da prova no concelho, o autarca adiantou também que no próximo ano, o rali vai deixar a zona da Cordinha para se realizar no Vale do Alva.

Na opinião de José carlos Alexandrino, “Oliveira do Hospital está de parabéns por esta realização e pela centralidade alcançada”.

O presidente do Clube Automóvel do Centro fez um “balanço muito positivo” da prova e garantiu que o rali vai continuar em Oliveira do Hospital. “Este é o primeiro de muitos ralis que vamos fazer no concelho”, referiu Armando Fidalgo, notando contudo a necessidade efetuar correções e de “evoluir para melhor”.

A competitividade da prova, a boa adesão do público e o “esforço da autarquia” foram aspetos que o presidente do CAC sublinhou e, que o levaram a constatar que o “povo tinha fome de rali”.

Classificação final:

1.Luís Mota/Alexandre Ramos (Mitsubishi Lancer Evo IV), 55.01,7
2. Armindo Neves/Bernardo Gusmão (Mitsubishi Lancer Evo VII), a 0,5
3. António Rodrigues/Jorge Carvalho (Peugeot 206 GTi), a 40,8
4. Renato Pita/José Janela (Mitsubishi Lancer Evo VII), a 43,2
5. Diogo Salvi/Luís Caveleiro (Mitsubishi Lancer Evo VI), a 1.12,1

LEIA TAMBÉM

O Bava da Bola

Um tal Bava, Zeinal de primeiro nome, foi presidente executivo durante anos da PT. Em …

Aquela máquina…

Dois golos de Cristiano Ronaldo e um de André Silva asseguraram a vitória de Portugal …