Lusovini investe em Nelas para potenciar exportação do vinho do Dão

Lusovini investe em Nelas para potenciar exportação do vinho do Dão

As instalações da antiga adega de Nelas vão ser reestruturadas pela distribuidora de vinhos Lusovini, no âmbito de um investimento de 2,5 milhões de euros que visa potenciar os vinhos do Dão. “Vamos ficar com uma capacidade de vinificação superior a seis milhões de litros”, disse à agência Lusa o presidente da Lusovini, Casimiro Gomes, mostrando-se convencido de que a empresa terá “uma das maiores e mais modernas instalações vinícolas do Dão”.

No dia 05 de Setembro, a ministra da Agricultura, Assunção Cristas, desloca-se a Nelas para a abertura da 23.ª Feira do Vinho do Dão e presidirá a assinatura do contrato entre a Lusovini e o Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas relativo aos fundos europeus do Programa de Desenvolvimento Rural (Proder) que irão financiar este investimento.

A adega de Nelas tem mais de 60 anos e esteve a funcionar até à campanha em 2010. Casimiro Gomes, diz que serão feitas “melhorias tecnológicas para adaptar as instalações às novas tendências de enologia”. “A estratégia do projecto é valorizar o património como um todo: as instalações, a vinha, o vinho e a cultura local. O vinho é um elemento fantástico para transmitir tudo isto”, considerou.

Casimiro Gomes referiu que, nos últimos anos, a Lusovini se focou muito na distribuição, “de maneira a garantir que o projecto de produção tivesse viabilidade”. “Ou seja, este projecto começou ao contrário do que é normal. Percebemos que primeiro tínhamos de criar as bases e criámos empresas em Angola, Moçambique e Brasil. E, para além destes países, já exportamos para 23 países”, sublinhou.

“A região do Dão tem potencial e são os operadores que muitas vezes não potenciam aquilo que ela tem de melhor. Achamos que devemos fortalecer toda a nossa actividade na região do Dão”, acrescentou. “Com o reforço desta unidade, a Lusovini poderá assegurar o desenvolvimento da sua estratégia de internacionalização e aumentar de forma significativa a actividade exportadora”.

A Lusovini representa mais de 70 marcas de vinho em todo o mundo, sendo quase cinquenta feitas em parceria com reputados enólogos e produtores nacionais. Em 2013, aumentou o volume de negócios em 20 por cento e duplicou os resultados operacionais consolidados face a 2012. Os mercados externos continuaram a ser responsáveis pela maior parte da facturação (70por cento), destacando-se Angola, Brasil e o Norte da Europa. Em Portugal, as vendas cresceram 20 por cento, ou seja, na mesma proporção que no estrangeiro.

 

 

LEIA TAMBÉM

Tomada de posse dos órgãos autárquicos marcada pela tragédia dos incêndios e presidente reeleito aposta em “fazer renascer Oliveira do Hospital”

Não foi uma tomada de posse normal dos novos responsáveis pelo munícipio. Os discursos inflamados …

António Lopes apresenta denúncia no MP contra as autoridades do concelho oliveirense por entender que pode existir “crime de homicídio por negligência” na tragédia dos incêndios

O eleito à Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, António Lopes, apresentou ontem uma denúncia …