Mário Alves responde em Tribunal em processo movido por funcionárias

Segunda-feira dá-se início ao cumprimento da decisão proferida, dia 31 de Março, pelo Juiz de Instrução do Tribunal Judicial de Oliveira do Hospital e que obriga o presidente cessante da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital a responder em tribunal.

Em causa, está uma alegada afirmação de Mário Alves, que remonta a 2007, e que terá sido proferida no Salão Nobre dos Paços do Município – “ no ATL há duas inválidas que não fazem, nem querem fazer”, terá dito – e que não caiu bem junto de duas funcionárias, que recorriam com frequência a baixas médicas por problemas de saúde.

A alegada declaração de Alves, vale-lhe agora a presença em tribunal, no âmbito do processo que lhe foi movido pelas funcionárias – uma sofre de doença do foro oncológico e outra tem problemas ortopédicos que lhe dificultam a locomoção – pelo facto de terem percebido que “o desabafo” lhes era dirigido. Sobre o autarca do PSD recai uma acusação que é acompanhada pelo Ministério Público.

LEIA TAMBÉM

Ana Abrunhosa entregou quatro habitações reconstruídas em Seia

A presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, entregou as chaves de quatro habitações (três na freguesia …

Dez detidos por tráfico de estupefacientes em Seia e Manteigas

O Comando Territorial da GNR da Guarda deteve dez pessoas, com idades entre 18 e …