Medalha de mérito municipal para todos os produtores com queijarias artesanais licenciadas

Já passava das duas horas da madrugada, quando na passada sexta-feira, a Assembleia Municipal aprovou a atribuição da medalha de mérito municipal aos proprietários de todas as queijarias artesanais licenciadas do concelho de Oliveira do Hospital, no próximo dia 7 de Outubro, feriado municipal.

Aprovada por maioria com 13 votos contra e sete abstenções, a proposta que resultou de uma deliberação tomada em sede de executivo municipal deita, contudo, por terra aquilo que já tinha sido tornado público, indo inclusivamente contra o que foi exposto, através de carta, pela Estrelacoop, organismo responsável pela certificação do Queijo Serra da Estrela.

É que, ao invés, de prestar homenagem aos proprietários das cinco queijarias artesanais certificadas de Queijo Serra da Estrela , a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital vai distinguir todos os produtores de queijo com queijarias artesanais licenciadas, independentemente de serem certificadas ou não.

Ainda que a maioria dos deputados intervenientes na discussão tenha defendido atribuição da medalha de mérito às queijarias artesanais certificadas, a proposta colocada à votação acabou por ser a que o executivo dirigiu àquele órgão autárquico no sentido de ser prestada homenagem a todas as queijarias artesanais licenciadas.

“Isto está a separar as pessoas”

No rescaldo do bom desempenho do Queijo Serra da Estrela no concurso das “7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa”, foi visível o cuidado tido em conta, no sentido de não beliscar a iguaria reconhecida a nível mundial.

“Agora estou preocupado, porque a proposta inicial tinha o objetivo de valorizar o Queijo e não podemos permitir que agora o estejamos a desvalorizar”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, constatando, porém, que o assunto “está a separar as pessoas”.

José Carlos Alexandrino admite que o verdadeiro Queijo Serra da Estrela é o certificado, mas também se vê obrigado a verificar que “o outro queijo também é bom”.

Num momento de discussão e em que não se vislumbrava um entendimento acerca desta matéria, o autarca chegou a defender que, no dia 7 de Outubro, apenas fosse atribuída a medalha de Ouro ao Queijo Serra da Estrela e entregue Ancose e que, a restante proposta fosse repensada, com o objetivo de ganhar efeito prático por ocasião da próxima Feira do Queijo.

Inicialmente a favor do adiamento para a feira do Queijo e, depois em defesa da retirada de toda a proposta alusiva ao Queijo Serra da Estrela e produtores para que pudesse ser repensada, o presidente da Assembleia Municipal acabou, contudo, por colocar a proposta inicial à votação, correndo até o risco de a mesma ser chumbada e de a iguaria ser retirada de entre os nomes a homenagear.

“Era a pior coisa que poderia acontecer ao Queijo Serra da Estrela”, observou António Lopes que sem querer desprestigiar todos os produtores de queijo, valorizou aqueles que cumprem “as regras e as normas”.

“A Ancose não merece”

O assunto que mereceu uma discussão bastante demorada por parte dos deputados municipais acabou, contudo, por colocar a nu a indignação do eleito pela CDU, João Dinis acerca da prestação da ANCOSE junto dos produtores, bem como do processo de certificação, de um modo geral.

“A certificação serviu para concentrar em meia dúzia deles, aquilo que é propriedade ancestral de muita gente”, afirmou o também presidente da Junta de Freguesia de Vila Franca da Beira perspetivando que o atual número de queijarias certificadas venha “daqui a dois a três anos” ser reduzido a duas.

“E eu sei quais são”, continuou João Dinis que, não mostrou qualquer hesitação na hora de se opor à decisão de se fazer da Ancose a depositária da medalha de Ouro, que o município se prepara para atribuir ao Queijo Serra da Estrela. “Estou completamente em desacordo, porque a Ancose não merece”, afirmou João Dinis, garantindo que “90 por cento dos pastores dizem o pior que podem da Associação”.

“Que a Confraria seja a fiel depositária da medalha de Ouro e que atribuam a medalha de mérito aos pastores”, sugeriu.

Sem nunca colocar em causa a qualidade do queijo produzido por queijarias não certificadas do concelho, a maioria dos deputados intervenientes foi unânime em defender a atribuição de medalhas de mérito às cinco queijarias certificadas do concelho, mas também concordaram que a proposta oriunda do executivo municipal é que deveria ser colocada à votação.

A proposta de homenagem a todas as queijarias artesanais licenciadas acabou por passar com 13 votos contra e sete abstenções.

“Os produtores de Queijo Serra da Estrela, tal como eu, não vão ficar contentes…”

Tal realidade é que parece não estar a cair bem junto dos produtores com queijarias artesanais certificadas. O alerta que já tinha sido dado pelo presidente da Assembleia Municipal tendo por base uma reunião já realizada com os produtores – “um dos produtores disse que se assim fosse nem viria à cerimónia”, contou – acabou por ser confirmado pelo produtor Paulo Rogério para quem “a legislação é clara… porque diz que só é Queijo Serra da Estrela aquele que estiver certificado”.

“Agora é evidente que os produtores de Queijo Serra da Estrela, tal como eu sou, não vão ficar contentes…”, contou, lembrando que a decisão de homenagear o queijo e os produtores é consequência direta da eleição do Queijo Serra da Estrela a Maravilha da Gastronomia Portuguesa. Paulo Rogério lembra que os cinco produtores certificados no concelho são “cinco resistentes” que têm custos com o processo de certificação – “pago dois mil Euros para usufruir da DOP”, contou – e que dão prestígio ao município.

“Isto é uma questão de princípios”, observou, não deixando de verificar que muitos produtores também produzem queijo de qualidade e só não certificam devido aos custos associados. “Se calhar é tempo de se alterar a legislação”, frisou o também vice-presidente da Ancose.

Para além da atribuição da medalha de ouro ao Queijo serra da Estrela (oito votos contra e 11 abstenções) e de prata aos produtores de queijarias artesanais licenciadas (13 votos contra e sete abstenções), a Assembleia Municipal votou favoravelmente à atribuição de medalha de Ouro a Agostinho Almeida Santos (um voto contra e quatro abstenções) e de mérito municipal ao FCOH (duas abstenções) e Rádio Boa nova (dois votos contra e três abstenções).

Ainda que o voto tenha sido secreto, João Dinis teve a oportunidade de, momentos antes, criticar a atribuição da medalha de mérito à Rádio Boa Nova.

“Há muito tempo que acabou ali o pluralismo. Já ando aqui há muitos anos e conheço esses truques todos”, denunciou. Postura diferente foi assumida por José Vasco Campos que, em nome do movimento independente “Oliveira do Hospital Sempre”, apreciou cada uma das propostas e referiu-se à Rádio Boa Nova como sendo “uma das grandes instituições do concelho”.

LEIA TAMBÉM

Dominado fogo que hoje se reacendeu em Tábua

O incêndio florestal que deflagrou na terça-feira no concelho de Tábua, que esteve em fase …

Incêndios destruíram mais 500 hectares em Seia

Incêndio de Tábua reacendeu-se e mobiliza centenas de bombeiros

O incêndio que ontem deflagrou em Tábua, está novamente activo. O reacendimento aconteceu ao início da tarde …