Medalhas para burros! Autor: Luís Marques

Nem sei por onde começar!

Todos assistimos a quinze dias frenéticos de samba e desporto. Não foi futebol, porque o desporto é muito mais que futebol, foram os jogos olímpicos, a maior montra do desporto mundial, montra esta que representa todos os valores que o ser humano necessita para respeitar e ser respeitado (não vou enumerar os principais valores que balizam o comportamento humano, pois posso ferir as susceptibilidades dos burros).

Um espectáculo único, recheado de cor, acção e muito esforço.

Cor pelo país que acolheu estas olimpíadas, ou não fosse o Brasil e o Rio de Janeiro reis do carnaval, mas muita cor pelas diferentes nacionalidades, e culturas adjacentes, presentes neste megaevento. Pela primeira vez na história tivemos a presença de refugiados, algo que engrandeceu o evento e essencialmente a vida dos participantes e dos que ambicionam puder lá estar.  Possivelmente os burros só conhecem o Brasil pelas luxuosas e gratuitas férias!?!

Ação, muita acção. Desportos colectivos, desportos individuais, em meio aquático, em meio terrestre, equipas mistas, saltos, lançamentos, provas combinadas, tiros, chutos, na areia, na pista,  etc, etc, etc……….……ah e futebol. Estas são sem dúvida as melhores duas semanas para quem gosta de desporto, horas a fio de transmissões em direto (no meu tempo era sem pagar), blocos informativos constantes e informações online sempre a “bombar”. Claro que o mais distraído só vê as provas dos representantes do seu país, o mais atento vê tudo, ou quase tudo, e os burros, de certeza que vêem o futebol a achar que é o campeonato do mundo, ou então vêem “as corridas”.

Muito esforço, um esforço de uma vida. Horas de muito sofrimento, horas de ausência familiar, horas de solidão, horas de sorte?????

Muito se falou, neste “pequeno” pedaço de terra à beira mar plantado, sobre a desilusão de Portugal não ter conquistado mais medalhas, além do bronze da Telma Monteiro. Muitos comentários ouvi e li do tipo “atleta A desilude e fica pelo caminho”. E o mais rídiculo foi o “Telma Monteiro fica-se pelo bronze”.

DESILUDE? A quem?

FICA-SE? Ela ganhou o bronze!

Este é sem dúvida o país dos burros, dos que nada fazem e tudo cobram, dos que nada fizeram para fazerem o que fazem e cobram tudo a todos, e dos que continuam a esforçar-se!!!

Somos um país que OFERECE a disciplina de Atividade Física e Desportiva às crianças do 1º ciclo do ensino básico e os pais, com medo do mau aproveitamento dos seus educandos, não os inscrevem, sim porque a actividade é facultativa. Medalhas????

Somos um país que OFERECE Desporto Escolar a partir do 2º ciclo do ensino básico até ao ensino secundário e os pais, com medo do mau aproveitamento dos seus educandos, não os inscrevem, e só são duas horas por semana!!!!. Medalhas????

Somos um país que tem um estímulo semanal de apenas 2h15m de Educação Física no 2º e 3º ciclos do ensino básico. Medalhas????

Somos um país que retirou a nota da disciplina de Educação Física da média do ensino secundário que dá acesso ao ensino superior, fazendo da atividade física uma área facultativa e de recreação. Medalhas????

Somos um país que continua a exigir números nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, fazendo da Educação Física uma disciplina de menor importância. Medalhas????

Somos um país que vive cada vez mais “velho”, com números crescentes de doenças do sistema cardiovascular, da diabetes e da obesidade, o que se traduz numa menor mobilidade. Medalhas????

Somos um país que desconhecia os atletas que nos iam representar, atletas estes que foram aos jogos olímpicos por direito desportivo, por performance individual ou de grupo, e por esforço próprio. Pessoas iguais a todos nós. Medalhas????

No que me toca, TUGA de sangue, o meu muito obrigado a todos os atletas que representaram o nosso país.

Força, voltem mais fortes.

Medalhas???? Só para os burros que não querem ver e para os que viajam de borla!!!!

Viva Portugal.

Emagrecer ou Mudar de vida? Autor: Luís MarquesAutor: Luís Marques

LEIA TAMBÉM

E porque digo eu que o Futebol Clube do Porto é a equipa de futebol mais próxima de jogar como faz o Real Madrid? Autor: João Dinis

Tipo “declaração de interesses”, digo que sou Benfiquista desde que me conheço (tenho 64 anos) …

VIV´Á REPÚBLICA ! Autor: João Dinis

Viv´ó 5 de Outubro, Dia da República !  Viv´ó Feriado do 5 de Outubro que …

  • Raio

    Não cobro aos atletas lusos o facto de não obterem medalhas. Se não as ganharam é porque os adversários foram melhores. O que é um absurdo é qualquer atleta (profissional) de alta competição que atinja mínimos olímpicos passe a usufruir de um salario extra – correspondente a dois salários mínimos – dados pelo estado português. Dinheiro esse que tem por origem os descontos efectuados por gente que trabalha e não leva a vida a saltar, correr, a brincar na agua, etc

  • oculum

    oculum

    Focalizem. Veni – vedi – quasi vinci – pode dizer Telma Monteiro que «venceu» bronze e não digas que vais daqui… Cadê os outros ?…Os rapazões da canoagem ? O homem e a mulher dos saltos? Cadê ? Bravo prá jovem dos saltos…a cavalo! Bravo pró cavalo !
    E nós, somos «burros» ?!
    Estas Olimpíadas foram uma «orgia» de desilusões… Focalizem, Ah, noites del Rio…de Janeiro ! Tivera eu 20 anos e também lá iria ganhar nem que fosse um «bronze…ado» de Copacabana…
    Focalizem… E deus inventou a mulata (mas plagiou os portugas…) digo eu que sou macho… Oh tempore – o mores !

    Oculum

    • Boltonês

      Oculum:
      – “Magníficorum”, com sempre.
      Espírito olímpico, essa ampola para todos os frutos, temos nós, aqueles que daqui não saem, os que não vão a lado nenhum, e mais não fazem do que a reinventar, todos os dias…para sobreviver.
      Que fique claro que não invejo essa sorte, já que daqui não saio, de qualquer verdadeiro atleta de ir, seja onde for, na qualidade de Português, a de atleta português, competir com os melhores do mundo – que chatice!- , desde que de desporto, cultura maior, se trate,e, seja, em qualquer lugar do mundo, onde tal olímpica competição se realize.
      Desta vez, foi no Brasil.
      Melhor, ou pior, a prestação dos nossos atletas olímpicos, nesse mundial palco, apenas nos remete à nossa minúscula condição de portugueses, veja lá, que, depois de (super) campeões europeus de futebol sénior, “tomámos”, logo a seguir, na epopeia de qualificação para o mundial, que a seguir virá, 2 da Suíça…”Na realidade”…
      Confronte, depois, prezado purista do “latinorum”, os custos da coisa…
      Meta todos os nossos atletas olímpicos – e, ao Rio de Janeiro foram aqueles que temos! – num saco, envolva-o com papel celofane, ate-lhe um lindo laçarote e pergunte, a quem lho fez, os custos….
      Facilmente descobrirá que qualquer “coxo” da selecção portuguesa de futebol poderá ganhar mais, num mês de convocatória, do que todos aqueles, todos juntos.
      “Arrium, porrium”!
      E mais a Galp, o BES – perdão, o novo banco – e essa cambada que anda, há décadas, a endrominar o pessoal.
      É por isso que nós, todos aqueles que daqui não saímos, nos congratulamos com o verdadeiro espírito “olímpico” daqueles 70 políticos que, aos 50 anos, atingiram reformas – chorudas! – definitivas.
      Verdadeiros recordes.
      É esse o país onde vivemos.
      Espero que o “Prof Martelo” não venha, ainda, a condecorá-los.
      (Muitos deles até já o foram!)
      Continuemos nós, aqueles que daqui não saem, nem para férias, a manter a atitude de “lenha” para a fornalha.
      E que, daqui por algum tempo, votemos, como sempre fizemos, naqueles que nos ganham.
      Cumprimentos.