Mega agrupamento: Câmara não reage até comunicação oficial

… rejeitando por isso tomar posição acerca daquele processo.

A lista relativa à segunda revisão da rede escolar e que, no concelho de Oliveira do Hospital, determina a fusão dos quatro agrupamentos de escolas e Secundária num único agrupamento, com perto de três mil alunos não foi, até ao momento, comunicada à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital.

Este diário digital sabe que o executivo de José Carlos Alexandrino tomou conhecimento daquela informação através dos meios de comunicação social que ao início da noite de ontem, chegaram a disponibilizar a listagem completa da criação dos novos 67 agrupamentos escolares decorrente da segunda revisão da rede escolar, levada a cabo pelo ministério da Educação e Ensino Superior.

Ainda que o executivo municipal se tenha revelado indisponível para reagir às recentes notícias, preferindo aguardar por comunicação oficial do ministério de Nuno Crato, o correiodabeiraserra.com sabe que constituição de um único mega agrupamento não apanhou a comunidade educativa de surpresa, visto ser aquela a proposta que em dezembro, a então diretora regional de Educação, Cristina Oliveira, veio apresentar na Câmara Municipal de Oliveira do Hospital.

Uma proposta que, à data, logo mereceu a contestação do conselho municipal de educação, executivo e Assembleia Municipal que, em jeito de contra proposta, defenderam a criação de dois mega agrupamentos no concelho – Cordinha/Lagares da Beira e Brás Garcia de Mascarenhas/Vale do Alva – e a autonomia da Escola Secundária oliveirense.

Uma posição que anunciava um recuo da Câmara Municipal naquilo que foi a sua postura inicial num processo, onde chegou a rejeitar semelhante proposta avança por Cristina Oliveira.

Na mira da equipa municipal estava um “projeto pioneiro” que, tal como chegou a ser ventilado, deveria também englobar o ensino profissional. Argumentos que, à data, convenceram a DREC e o ministério da Educação que deixaram o concelho de Oliveira do Hospital de fora da primeira revisão da rede escolar. “O secretário de Estado percebeu que poderíamos ter um projeto diferente”, referiu o presidente da Câmara Municipal quando, em junho passado, participou num atelier do projeto educativo local e onde falou da necessidade de se reinventar a educação no concelho, na certeza porém de que “Oliveira do Hospital não poderá ficar eternamente sem reorganização da rede escolar”. E a prova disso chegou no final do ano com a proposta da DREC, e que ontem foi confirmada pelo próprio ministério da Educação.

Num processo onde há cerca de um ano, recusaram aceder à proposta da DREC de criação de dois mega agrupamentos e Secundária, o executivo municipal e o conselho municipal de Educação vêem-se a braços com uma imposição considerada “radical” de fusão de todas as escolas num único agrupamento, colocando em causa todo o trabalho desenvolvido no âmbito do projeto educativo local, dirigido por António Rochette.

LEIA TAMBÉM

Alunos da ESTGOH consideram “Oliveira do Hospital uma cidade acolhedora”

ESTGOH atrai 110 alunos na primeira fase de acesso ao ensino superior, curso de Gestão das Bioindústrias sem grande adesão

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) preencheu 110 das …

Amianto vai ser retirado da Escola Secundária de Oliveira do Hospital, oposição critica “timing”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital anunciou ontem que assinou um contrato de adjudicação …