Pensada para homenagear os comerciantes de carne de porco da conhecida “terra dos porqueiros”, a Feira do Porco e do Enchido – de acordo com o presidente da Junta de Freguesia de Meruge – não tem passado indiferente aos olhos de quem por lá passa e, tem até potenciado o aparecimento de novos comerciantes de carne de porco. No entanto, João Abreu não nega que a actividade está em declínio, embora, não o suficiente para deitar por terra a tradição da freguesia.

Milhares de visitantes na Feira do Porco e do Enchido

Imagem vazia padrãoA Lage Grande de Meruge foi, manifestamente, insuficiente para acolher os milhares de visitantes que, no passado dia 11 de Novembro, não faltaram à quinta edição da Feira do Porco e do Enchido, organizada pela Junta de Freguesia local. O porco e os enchidos foram, mais uma vez, os reis do certame, a par de outras iguarias gastronómicas como Torresmos à Moda de Meruge, arroz de Sua, Feijoada à Moda de Nogueirinha, e todo um vasto leque de doçaria tradicional e artesanato. As trupes de Saltimbancos, malabares, jograis e trapezistas dos “Anyma Mundy”, as músicas dos Bombos do Paul, dos Pauliteiros de Miranda do Douro, dos Tuticatraputis, dos Sons da Suévia, com os cortejos históricos, os torneios de armas e o teatro dos VIVARTE fizeram também as delícias dos “forasteiros” que, foram ainda, presenteados com as corridas de burros, o circo de serpentes e o jogo popular “Em Busca do Leitão Perdido”.

Ao Correio da Beira Serra, o presidente da Junta de Freguesia de Meruge fez um balanço “muito positivo” de um certame que “se vem afirmando de ano para ano”. João Abreu não tem dúvidas de que “esta é, já, uma aposta ganha”, a comprovar pelo facto de as pessoas “reclamarem a realização da feira”. “Estamos em crer que o certame já tem vida própria”, referiu o autarca de Meruge, constatando que a expressão de marketing “quem vem a primeira vez volta sempre”, se tem vindo a comprovar na prática.

Apesar da dificuldade em quantificar os visitantes que acorreram à Lage Grande, João Abreu não hesitou em dar como certa a presença de “largos milhares” de forasteiros. E justificou a boa adesão com o facto de a Feira do Porco e do Enchido ser “já um cartaz turístico e promocional do porco, dos enchidos e das coisas boas, como a agricultura familiar, o artesanato e a doçaria, que há no mundo rural”.

“Porqueiros” são cada vez menos
Imagem vazia padrãoPensada para homenagear os comerciantes de carne de porco da conhecida “terra dos porqueiros”, a Feira do Porco e do Enchido – de acordo com o presidente da Junta de Freguesia de Meruge – não tem passado indiferente aos olhos de quem por lá passa e, tem até potenciado o aparecimento de novos comerciantes de carne de porco. No entanto, João Abreu não nega que a actividade está em declínio, embora, não o suficiente para deitar por terra a tradição da freguesia.

“Na prática pode já não ser uma terra de porqueiros, mas continua a sê-la pela tradição e, não devemos ter vergonha das nossas tradições, antes, pelo contrário”, considerou o autarca João Abreu, notando que “esta tradição continua a ser a imagem de marca da freguesia”. “Somos muito do que somos, graças à capacidade de iniciativa e dinamismo que, os porqueiros trouxeram, quer do ponto de vista económico, quer do ponto de vista social, à nossa terra, a Nogueirinha e à Póvoa das Quartas”, frisou.

Justificou, contudo, o declínio da actividade com o aparecimento das superfícies comerciais e com as exigências técnico-sanitárias impostas pela União Europeia. “Isso criou dificuldades, sobretudo, aos produtores mais velhos que, acabaram por abandonar a profissão”, explicou, lembrando, no entanto, que ainda se mantém em actividade “um número significativo de porqueiros, vendedores de carne e de enchidos”. Os vendedores de gado vivo marcam pontos, apenas, na tradição.

Seja como for, Abreu considera que Meruge vai sempre merecer o epíteto de “terra dos porqueiros” e alegra-se pelo facto de, “desde que se realiza a feira, terem surgido mais unidades artesanais e produção de enchidos”. “Também começam a perceber que esta é uma actividade económica rentável”, considerou.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …