PS

Ministério Público quer constituir arguido o deputado do PS Rui Duarte, de Coimbra, pelo crime continuado de falsificação de documentos

A Comarca de Coimbra enviou para a Assembleia da República um pedido de levantamento da imunidade parlamentar do deputado do PS Rui Duarte, que o Ministério Público quer constituir como arguido pelo crime continuado de falsificação de documentos, avança o site noticiasaominuto. A antiga coordenadora da secção do PS da Sé Nova, de Coimbra, Cristina Martins, que levantou o caso, escreve hoje na sua página do facebook que “a verdade tarda… mas não falha”.”Haja justiça e seriedade…Vejam porque o PS me quis expulsar… afinal não sou eu quem tem que sair do Partido, mas vou ser eu que vai exigir cumprimento estatutário”, sublinha ao mesmo tempo que coloca o link da notícia.

“Segundo o Ministério Público existem indícios da prática por Rui Pedro Gonçalves Duarte de um crime continuado de falsificação, previsto e punido pelos artigos 30, nº2 e 256, nº 1, alíneas c), d) e e), ambos do Código Penal”, pode-se ler, segundo aquele site no documento de pedido de levantamento de imunidade parlamentar enviado ao parlamento.

“Pretende agora o Ministério Público proceder à constituição e interrogatório como arguido de Rui Pedro Gonçalves Duarte”, lê-se na carta enviada ao parlamento, que tem o carimbo de entrada na Assembleia de dia 1 de Julho. Em causa estão a alínea c) do número 1 do artigo 256 que se refere especificamente a “abusar da assinatura de outra pessoa para falsificar ou contrafazer o documento” e todo o artigo 256 refere-se a falsificação de documentos e o artigo 30 estabelece a definição de crime continuado.

O caso remonta a 2014, quando a antiga coordenadora da secção do PS da Sé Nova, de Coimbra, Cristina Martins, levou um caso de alegados falsos militantes do PS ao Departamento de Investigação e Acção Penal de Coimbra (DIAP), tendo divulgado o assunto na comunicação social. Cristina Martins, refere o noticiasaominuto, chegou a receber, na altura, ordem de expulsão do partido.

Em causa, estão inscrições de militantes em 2011 com “moradas que não existem”, “moradas erradas” e “duplas filiações”, entre outros casos, referiu Cristina Martins, mostrando, numa conferência de imprensa em Junho de 2014, as fichas de cerca de 50 militantes assinadas por Pedro Coimbra, como vice-presidente da federação, “quando não existia esse cargo”, e como proponentes Pedro Coimbra, que é actualmente o presidente da distrital, e por Rui Duarte, presidente da concelhia do PS.

LEIA TAMBÉM

Denuncia do grupo do empresário Fernando Tavares Pereira coloca IMT sob investigação do DIAP

Duas empresas do grupo Tavfer, do empresário Fernando Tavares Pereira, a CIMA – Centro de …

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …

  • Politicalex

    E são estes “republicanos” convictos.estes amantes da “liberdade e “democracia” que querem ser a alternância..,sim que alternativa…jamais…(jamé). Pelo tacho são capazes de tudo…

    • Guerra Junqueiro

      Alternativa, só na tourada…

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro