Ministro inaugura nova Unidade de Saúde em Ervedal da Beira. SAP do Centro de Saúde continua encerrado, apesar das promessas de arrancar em Fevereiro

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, inaugurou ontem as novas instalações da Unidade de Saúde de Ervedal da Beira, Oliveira do Hospital, uma obra que teve um investimento de 400 mil euros, tendo sido financiada em cerca de 250 mil euros pelo poder central e o restante pela autarquia. Mas nos discursos, o presidente da autarquia não deixou de chamar a atenção para a falta de médicos no concelho, em particular aqueles que deveriam chegar para reactivar o Serviço de Atendimento Permanente no Centro de Saúde, entre as 8h00 da manhã e as 20h00, que se encontra reduzido a consultas de intersubstituição desde 31 de Outubro. José Carlos Alexandrino, recorde-se, disse mesmo a 5 de Fevereiro que talvez fosse possível reactivar o serviço naquela semana. Não aconteceu. Apenas uma médica da Fundação Aurélio Amaro Diniz passou recentemente a dar ajuda três vez por semana nas consultas de intersubstituição do Centro de Saúde. O SAP daquela unidade, porém, continua encerrado, com todos os problemas inerentes.

“O senhor ministro na nossa reunião deu de imediato ordem para serem contratualizados pela própria Fundação (Fundação de Aurélio Amaro Diniz) mais dois médicos. Penso que isso é fundamental. Mas não é para discutirmos isso hoje aqui. Esse assunto é para eu me deslocar a Lisboa e sentar-me consigo para encontrar-mos soluções. Temos de ter um caminho. Não plausível que haja um investimento na formação de médicos e depois eles queiram apenas ficar na cidade ou emigrar”, disse José Carlos Alexandrino, assegurando que não tem pretenções de mandar na saúde em Oliveira do Hospital, apesar do “empenho” que coloca “na defesa dos utententes, principalmente os mais fragilizados até o poder fazer parecer”.

“Precisamos de mais médicos. Precisamos de um SAP, seja na Fundação Aurélio Amaro Diniz (FAAD), como eu defendo, seja no Centro de Saúde. Um serviço de atendimento permanente é fundamental”, frisou o autarca, sublinhando que a solução de passar as urgências para a FAAD para evitar o encerramento das urgências no concelho entre as 20h00 e as 8h00 foi boa. “E pergunto às pesssoas que se encontram aqui se quando se deslocam à FAAD se sentem num hospital privado ou numa IPSS que é de todos nós”, reforçou, enfatizando que as respostas, ainda assim, são insuficientes e que as consultas de intersubstituição não são suficientes.  “Por isso queremos que coloque mais médicos, precisamos dois médicos a fazer o serviço de atendimento. Mas o senhor deixe passar agora mais algum prazo para respirar e voltaremos ea reunir-nos para encontrar soluções”, rematou. O ministro limitou-se a referir que não tem como não o receber, “porque se não o receber ele não pára de telefonar”.

Adalberto Campos Fernandes reconheceu ainda que não se investe o que se deveria no interior, para ajudar as pessoas que não têm acesso ao privado e precisam do apoio do Estado. “Queremos fazer mudanças e alterações, não queremos que se mantenha o esquecimento. Quero vir aqui mais vezes até ao final do nosso mandato e dar as respostas necessárias”, disse o ministro da Saúde, garantindio que irá fazer tudo “para com imaginação e fazendo uso dos recursos que temos no país, que são escassos, encontrar soluções”. O governante deu mesmo como bom exemplo a solução encontrada com o acordo com a FAAD. “Temos esta colaboração estratégica com a autarquia para que iniciativas como esta proliferem”.

O governante frisou ainda que está a  fazer tudo para resolver os problemas do interior. “Não estou a trabalhar para aqueles corporativos que estão sentados nas grandes cidades e que podem ver as suas mordomias colocadas em causa. Estou a trabalhar para os seus municipes [vitrando-se para José Carlos Alexandrino], para aqueles que precisam, para aqueles que foram fustigados pelos incêndios e que devido a essa catástrofe passaram a ser olhados de maneira diferente. A senhora presidente da ARS  tem orientações muito claras: trabalhar a proximidade, trabalhar o pequeno, trabalhar as pessoas que estão sózinhas e isoladas”, concluiu.

LEIA TAMBÉM

Feridos nos fogos que afectaram Oliveira do Hospital estão isentos de taxas moderadoras e têm medicamentos gratuitos

As vítimas dos incêndios de Junho e de Outubro do ano passado, que afectaram, entre …

Oliveirense Paulo Campos entre ex-governantes de Sócrates sob escuta e pode vir a ser constituído arguido

O processo que investiga Parcerias Público-Privadas Rodoviárias, ao fim de sete anos, está na recta final …

  • António Lopes

    Esteve bem o Senhor Ministro:

    “Estou a trabalhar para os seus Munícipes”..Até já dá para gozar.O nosso presidente insiste em divulgar conversas privadas, depois vai morrer e não vai ter médicos…Isto da política é para quem sabe.Não é para quem quer.Vai daí, os médicos nunca mais vêm o SAP nunca mais abre e o presidente nunca mais se demite.E os munícipes nunca mais têm o problema resolvido.

  • João Dinis, Jano

    Haja tino e mais respeito pelas Pessoas e pela nossa inteligência !
    Com vários anos de atraso mas lá construíram e equiparam as novas instalações da até há pouco designada por “Extensão de Saúde” em Ervedal da Beira. Agora inauguraram-nas como “Unidade de Saúde”… Que aconteceu entretanto para operar esta “metamorfose” ? Hum, há aqui “água no bico” e não é nem “boa água” nem é “bom bico”… Assim:
    1 – Que vai acontecer à Extensão de Saúde em Seixo da Beira ? Em breve será encerrada a não ser que a População e os Autarcas se levantem contra ! Mas “cheira-me” que os Autarcas pouco se estão a ralar e antes pelo contrário…
    2 – “Unidade de Saúde” é uma nova “invenção” dos tecnocratas de turno para esconderem objectivos escusos que passam pela privatização de serviços do actual Serviço Nacional de Saúde. E privatizar Serviços Públicos também significa encarecê-los – e bastante ! E depois, neste caso, quem quiser saúde que a pague …
    3 – Desde logo, os Utentes da Extensão de Saúde – ou do agora “híbrido” Unidade de Saúde – vão ou não continuar sem MÉDICOS – sem ENFERMEIROS – sem TRANSPORTES até e de Ervedal para as Povoações de onde se têm que deslocar até lá ??
    3.1 – E quando encerrarem a Extensão em Seixo da Beira, os Utentes de… Sobreda…de Felgueira Velha…de Seixas…etc, lá terão eles que se deslocar até Ervedal… Então, por que não hão de ir logo para Seia ? Então que ganharam eles com a “Unidade de Saúde” tal como ela vai ficar ?
    4 – Quanto ao Presidente da Câmara que não pretenda endrominar-nos com aquela “treta” da Fundação, afinal, NÃO ser privada – é privada sim senhor ! E tamanha pretensão a “ilusionista” chega a ser ofensiva para os Utentes e para a nossa inteligência!…
    4.1 – Aposto aqui singelo contra dobrado que é fatal como o destino o encarecimento dos serviços de SAP (urgências) ou outros que passem do Centro de Saúde para a Fundação ! Aliás, até já ficaram mais caros como as taxas moderadoras para já…
    4.2 – E para ficarmos mais esclarecidos, veja-se o que se passa – há anos – com as consultas médicas de especialidade que há no Hospital da Fundação:- se marcarmos uma dessas consultas através do Serviço Nacional de Saúde, há especialidades em que se fica meses e até anos à espera da consulta. Mas se a marcarmos “privada” – fora do Serviço Nacional de Saúde – marcam-nas (os mesmos médicos…) para a semana seguinte, sim, lá, no Hospital da Fundação…só que essas consultas “privadas” são a pagar, claro !… E quem não tem dinheiro ? Morre …
    5 – E quem quiser dar-se ao trabalho de ir procurar e ler os primeiros discursos proferidos pelo Presidente da Câmara, mesmo o da sua primeira tomada de posse – já lá vão quase nove anos ! — lá vêm já as referências à vinda dos médicos para Oliveira do Hospital. Sim, afinal quantas mais referências…menos médicos ao serviço público, afinal aquele Serviço Público a que a Constituição da República Portuguesa dá prioridade. É lamentável !
    João Dinis, Jano