Almeida Santos

Morreu Almeida Santos, histórico do Partido Socialista natural de Seia

António Almeida Santos, de 89 anos, morreu esta segunda-feira, em sua casa, em Oeiras, pouco antes das 00h00. Natural da aldeia de Cabeça, Seia, Almeida Santos foi um nome incontornável do Partido Socialista, tendo sido fundador do partido, onde ocupou o cargo de líder do partido e era actualmente presidente honorário. Foi ainda opositor ao Estado Novo ocupado e era  pai da deputada recentemente eleita pelo circulo eleitoral da Guarda Maria Antónia Almeida Santos.

O presidente honorário do Partido Socialista sentiu-se mal após o jantar e foi ainda assistido na sua residência. Mas não resistiu. Completaria 90 anos no próximo mês e foi submetido por duas vezes a cirurgias cardiovasculares.

Almeida Santos licenciou-se em Direito na Universidade de Coimbra e exerceu advocacia em Lourenço Marques até 1974. Segundo o site oficial do Partido Socialista, Almeida Santos foi ministro da Coordenação Interterritorial, ministro da Comunicação Social, ministro da Justiça, ministro-adjunto do primeiro-ministro, ministro de Estado e ministro dos Assuntos Parlamentares, além de ter sido presidente da Assembleia da República.

O corpo do fundador do PS deverá estar em câmara ardente na Basílica da Estrela, em Lisboa, mas não haverá cerimónia religiosa, a pedido do próprio, adiantou a mesma fonte.

Nas últimas horas, têm-se sucedido as palavras, de tributo a Almeida Santos. O primeiro-ministro e líder do PS, António Costa, diz que partiu um “grande amigo” que “era das pessoas que nos levava a acreditar que havia vida eterna na terra”. “Era um miúdo quando comecei a ouvir Almeida Santos a falar na televisão e fez parte do meu crescimento e de toda a minha formação. É com profunda tristeza que o vejo partir”, afirmou. Jorge Coelho disse estar ” profundamente chocado com a morte de um grande, grande amigo, que deu tudo de si ao país e ao PS”.

O candidato presidencial Sampaio da Nóvoa destacou a “personalidade marcante do Portugal contemporâneo, fundador da nossa Democracia, combatente pela liberdade e por todos acarinhado como Presidente da Assembleia da República exemplar na sua forma de construir consensos e prestigiar o debate democrático”.  Para a também candidata Maria de Belém, que suspendeu a campanha que será retomada após o funeral, diz que “o mundo não fica igual quando pessoas destas morrem”.

Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações à SIC Notícias, por seu lado, salientou as qualidades de Almeida Santos como legislador e o “traço significativo de causas, pacificação e abertura política” que marcou o seu percurso de vida.

Foto: JN.pt

LEIA TAMBÉM

ANCOSE ajuda a salvar queijo Serra da Estrela com reforço dos rebanhos

A Associação Nacional de Criadores de Ovinos Serra da Estrela (ANCOSE) reforçou os rebanhos dos …

Autarcas avançam para tribunal para travar fecho dos CTT nas Beiras e Serra da Estrela

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) anunciou hoje que vai avançar …

  • Bernardo

    Aquele cantinho, à beira do Alvôco, perdeu um dos portugueses mais notáveis de todos os tempos.

    Curvo-me em sua homenagem.

    Bernardo Godinho

  • Guerra Junqueiro

    Chorai, chorai, chorai.
    Que Deus lhe dê o descanso que merece.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • António Lopes

    Por mais adjectivos que utilizasse, nuca seriam bastantes para enaltecer este HOMEM, grande em tudo o que fez e disse.Penalizo-me por em nome da democracia que pretendia e pretendo ver implementada neste Concelho, e tratando-se de quem se tratava, ter faltado à homenagem que lhe foi feita em Alvôco e à qual tinha todas as razões e obrigação de comparecer. Quem perdeu fui eu, porque, com a atitude, nada consegui alterar no caminho já então delineado. Perdi um momento de convívio com um dos principais “senadores ” do País, mas acima de tudo o convívio com uma das maiores referências morais da nossa sociedade. Apresentado por outro homem grande do nosso Concelho, o professor Francisco Garcia, tive o privilégio de com ambos privar numa cerimónia em Santa Ovaia. Pude constatar, ao vivo, aquilo que já conhecia.Uma profunda cultura, humanidade, um amor arreigado ao torrão de origem. Quis presentear-me com dois dos seus últimos livros que, ali, prometeu enviar-me. Naturalmente fiquei a pensar que o Senhor Doutor jamais se lembraria do assunto.Com os muitos afazeres e solicitações, seria perfeitamente normal.Pois, uma semana após, recebi, sensibilizado, os dois prometidos livros..! Palavras para quê. Obrigado Doutor António de Almeida Santos, por tudo o que deu à luta antifascista, à democracia , ao Estado de direito, ao elevado sentido de Estado que deve nortear os verdadeiros políticos, Os meus pêsames a toda a família, aos Socialistas,como ele, ao País.Sim, o País perdeu muito.Perdeu um dos seus melhores filhos. Que repouse com a paz e a serenidade que sempre cultivou e nos transmitiu.

    António dos Santos Lopes