Movimento a favor dos itinerários da Serra da Estrela pede empenho aos partidos

O Movimento de Apoio à Construção dos Itinerários Complementares da Serra da Estrela (MAIS) apelou, ontem, aos partidos com assento parlamentar que se empenhem na concretização daquelas obras consideradas “muito importantes” para a região.

Elementos do MAIS, autarcas e empresários da região da Serra da Estrela foram recebidos por todos os grupos parlamentares na Assembleia da República, a quem apelaram que as vias previstas para aquela zona – IC6/IC7 (Oliveira do Hospital, Seia, Gouveia, Covilhã) e IC37 (Seia, Nelas, Viseu) – sejam “incluídas nas prioridades do Governo no âmbito do próximo quadro comunitário de apoio”.

“Todos os partidos são favoráveis, à exceção do PSD que acha que não vai haver dinheiro no quadro comunitário e apoio para as obras, a não ser para pequenos troços de dez quilómetros. O CDS-PP diz que ainda anda a fazer o levantamento dos projetos”, declarou o porta-voz do movimento, no final das reuniões.

Mário Jorge Branquinho contou que aos dois partidos do Governo (PSD e CDS-PP) foi dito que a luta pela concretização dos projetos é para continuar.

“Dissemos que não deitamos a toalha ao chão, não desistimos e continuamos a lutar. Pedimos para eles também não desistirem, porque há sempre soluções para tudo”, referiu.

Os defensores dos itinerários saíram de Lisboa “determinados” em continuar a lutar, alegando que “só é derrotado quem desiste de lutar”.

“Nós continuamos a lutar e a apelar aos vários partidos para se empenharem. Vamos continuar a pressionar deputados e membros do Governo, porque entendemos que é agora ou nunca. Não podemos ficar mais 10 ou 20 anos à espera da concretização destas obras que são muito importantes para a região”, disse o responsável.

Mário Jorge Branquinho admitiu que o MAIS esperava “outra atitude” por parte do PSD porque a zona da Serra da Estrela “foi sempre marginalizada” e contava que, finalmente, “fosse feita justiça” com a construção dos itinerários complementares.

“Estamos desiludidos, mas não derrotados, porque estamos a reivindicar verbas da comunidade europeia e não do Orçamento do Estado e não estamos a pedir que se façam os três itinerários complementares ao mesmo tempo, mas um de cada vez”, concluiu o porta-voz.

As obras reclamadas pelo MAIS não estão incluídas no relatório final do grupo de trabalho para as infraestruturas de elevado valor acrescentado que está em discussão pública.

lusa.pt

LEIA TAMBÉM

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

idosos

Idoso desaparecido em Trancoso

Os Bombeiros e a GNR estão a procurar um homem de 90 anos que foi …