Movimentos migratórios são positivos se forem bem geridos. Autora: Marta Bronzin.

Assistimos nestes dias a manifestações que juntam espontaneamente dezenas de milhares de pessoas na Europa em apoio ao acolhimento de refugiados, numa demonstração que é ao mesmo tempo de solidariedade para com estas pessoas e de frustração pela incapacidade dos seus Governos darem uma resposta à altura das circunstâncias.

A crise migratória no Mediterrâneo não é uma situação isolada. Acresce que o número de migrantes atingiu máximos históricos – uma em cada sete pessoas no mundo é um migrante hoje em dia. 60 milhões de pessoas estão a ser deslocadas e procuram refugio em várias partes do mundo devido a múltiplas crises humanitárias, a  instabilidade política e situações de perseguição. Estes factores obrigam-nas a saírem das suas casas em busca de segurança e melhores condições de vida, gerando forte pressão migratória sobre os países de trânsito e de acolhimento. O desespero e a falta de canais legais alimentam a migração irregular, agravando os riscos ao longo das rotas migratórias e favorecendo o mercado dos traficantes.

Também confrontada com esta realidade, a União Europeia não tem conseguido encontrar um consenso político para receber e gerir os fluxos de pessoas que chegam às suas portas. Estas são consideradas como um peso ou até como uma ameaça. Há muito tempo que se assiste a uma instrumentalização política do tema das migrações. Ao mesmo tempo opta-se por soluções securitárias e de contenção que dificilmente serão eficazes e sustentáveis.

A Europa enfrenta também outra realidade com a qual tem que lidar. Está a envelhecer, e a população em idade activa está destinada a perder 7.5 milhões pessoas até 2020, de acordo com os dados da OCDE, com um consequente desencontro entre necessidades laborais e competências e qualificações disponíveis. Estas projeções pioram se excluirmos os migrantes deste cenário.

Então o que está a faltar ou a falhar neste momento? Falta olhar para além da dimensão humanitária e das respostas de curto prazo. Falta reconhecer que a mobilidade humana nas suas várias formas e causas sempre existiu e continuará a existir. Falta uma visão objectiva e uma reflexão honesta sobre as nossas necessidades e o contributo que as migrações, se bem geridas, podem dar às sociedades e às economias dos países de acolhimento.

Apesar dos imigrantes não poderem por si só resolver os problemas demográficos e as assimetrias do mercado de trabalho, deverão fazer parte da solução. Em determinados países da Europa, inteiros sectores da económica como a saúde, as tecnologias, o trabalho doméstico, dependem de mão de obra estrangeira mais ou menos qualificada para o seu funcionamento. Quem procura os nossos países pode dar um contributo importante para a economia e o sistema de protecção social. Mas isso não acontecerá se não houver políticas transparentes e realistas que conduzam à criação de canais legais e seguros de migração, ao respeito dos direitos humanos básicos dos migrantes, num espírito de responsabilidade partilhada entre países de origem, trânsito e destino.

Na nova Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, adoptada pelas Nações Unidas no fim deste setembro, as migrações finalmente ocupam o lugar que merecem enquanto fator incontornável para um desenvolvimento global inclusivo. Fica só reconhecer que as migrações são relevantes para a prosperidade e o crescimento de todos os países, tanto do Sul como do Norte do mundo.

Autora: Marta Bronzin

Chefe de missão em PortugMarta Bronzinal da OIM – Organização Internacional das Migrações

LEIA TAMBÉM

À Boleia Autor: André Duarte Feiteira

O país da Maria, do Manuel, das cunhas e dos tachos! Autor: André Duarte Feiteira

Que bonito é Portugal! Um país à beira mar plantado, com um clima afortunado e …

tractor

Vítima de acidente com tractor em Oliveira do Hospital faleceu no Hospital de Seia

Um homem que ficou gravemente ferido num acidente com um tractor agrícola em Oliveira do Hospital …

  • outono

    mais uma inteligencia !!!!!!!!!

    Isto é que está uma açorda tão mediocre que termina a la palisssse o pretenso artigo

    “Fica só reconhecer que as migrações são relevantes para a prosperidade e o crescimento de todos os países, tanto do Sul como do Norte do mundo.”

    Mulherzinha , não seria melhor estudar antes de tanta ligeireza!
    Que tristeza

  • Ave de arribação

    Com o devido respeito…
    Está claro que esta “designação” de migração, relativa a pessoas, é , exma senhora, uma das maiores “aldabrices” montadas para justificar um dos maiores crimes da segunda década do séc. XXI: “as guerras”, guerrilhas, a venda de armas – barcos pneumáticos e coletes salva-vidas! – negócios de petróleo..etc, etc…
    UMA VERGONHA:
    – Uma civilização, adiantada, jamais confundiria – e só assim foi escolhida por necessidade ideológica! (e de desresponsabilização pelos crimes cometidos) animais com pessoas!
    Poderão chamar-me de “bota de elástico”: essa de migração de pessoas merece, a todos os títulos, a maior das condenações cívicas, com base na Carta dos Direitos do Homem.
    …E recordarmos, porque não, que o verdadeiro “berço” da espécie humana foi, de facto África?
    Onde é que está, afinal, esse verdadeiro ADN de toda a trafulhice geopolítica que considera homens, mulheres e crianças como “migrantes”?
    – No negócio!

  • Crime

    Irresponsáveis , criminosos, criadores de bestas!- o negócio continua rentável!
    Então, prezada senhora, e hoje, dia 3 de Outubro de 2015, nada tem a acrescentar ao seu “fluido” artigo?
    Depois de as “forças ” da NATO terem bombardeado os “cartéis” da “coisa islâmica”, por engano, terem acertado num hospital dos MÉDICOS SEM FRONTEIRAS, de facto? Não lhe apetece escrever um outro artigo sobre o tema?
    – Não me venha com a argúcia, “bisbilhoteira”, DA HISTÓRIA ACTUAL, de quem escreve com as “costas quentes”…:
    -” O pentágono já recomendou ao hexágono para perguntar ao quadrado o que é que o triângulo, depois de ter consultado o heptágono, o octógono, o eneágono , e até o decágono…e o putinágono, imagine! – recorda-se que ontem, o seu amigo obamágono, malhou forte e feio, no putinágono, porque os russos se tinham enganado nuns “simples” bombardeamentos?
    Então, prezada senhora, continua na mesma?
    Francamente…
    “Migrantes”?
    -Não!
    VÍTIMAS DE CRIMES CONTRA A HUMANIDADE!
    Já muitos responsáveis, por crimes de tal tipo, foram condenados à morte.
    OS VERDADEIROS RESPONSÁVEIS POR ESTES – e com opinadores como a senhora, a ajudar – JAMAIS O SERÃO.

    • António Lopes

      Os Russos não se enganaram.Para os Russos “terrorista é terrorista”. Para os americanos são todos os que não cumprirem as ordens deles.Se as cumprirem, passam de terroristas a “combatentes da liberdade”..! Ora os que andam a combater o governo legítimo da Síria, para os Russos, são todos terroristas.Sejam do ISIS ou sejam fantoches dos Americanos.E porque os Russos o são, mas não são parvos, deram preferência aos “combatentes da liberdade” da CIA.A seguir, eles mais o exército regular da Síria, logo tomam conta do ISIS, por acaso, só por acaso, também armado s pelos Americanos? Porque morreram Sá Carneiro e Amaro da Costa..? Não tem que ver..? Olha se tem..!!!