MP arquiva queixa da BLC3 contra CBS e PJ continua a investigar participação criminal de António Lopes contra aquela associação

O Ministério Público (MP) determinou o arquivamento (despacho de arquivamento na integra) da queixa apresentada pela BLC3 e pelo seu administrador João Nunes contra o ex-presidente da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, António Lopes, o actual vereador social-democrata, João Paulo Albuquerque, e o jornal Correio da Beira Serra. O MP, após o decurso do inquérito, concluiu que os acusados não podem ser responsabilizados criminalmente pelos “factos denunciados face ao direito à liberdade de opinião e expressão e liberdade de imprensa”. O despacho recorda ainda que neste momento a Policia Judiciária encontra-se a investigar a factualidade de uma participação criminal por parte de António Lopes sobre factos relacionados com a BLC3 em inquérito que “corre termos no D.I.A.P de Coimbra”.

Em causa estava uma queixa apresentada pela BLC3 e João Nunes “em que relatavam factos cometidos pelos arguidos” que poderiam consubstanciar, em abstracto, “a prática pelos visados do crime de difamação agravada, com publicidade e de ofensa a pessoa colectiva, além do crime de difamação através da imprensa”, através de “escritos, artigos noticiosos e entrevistas efectuadas pelos arguidos… que segundo os assistentes, imputam factos falsos que afectam o seu bom nome e reputação”. O relatório concluiu que “conjugando os indícios probatórios recolhidos, os mesmos não são suficientes para permitir concluir que os arguidos praticaram o crime em causa e em seguida formular uma acusação contra os mesmos”, descreve o despacho de arquivamento a que o CBS teve acesso.

O documento reconhece que “lendo-se o conteúdo integral dos artigos de opinião, notícias veiculadas pelo jornal, nota-se uma posição muito critica por parte dos arguidos António Lopes e João Paulo Albuquerque relativamente ao modo como a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital participa/investe na sociedade assistente, já que apontam para o facto de esta não prestar esclarecimentos nem informar documentalmente do modo como são realizados alguns negócios…., o que motivou uma participação criminal por parte do arguido António Lopes em inquérito que corre no D.I.A.P de Coimbra, estando a PJ a investigar tal factualidade”, pode-se ler no relatório, para quem não se pode retirar das notícias e artigos de opinião qualquer menção a factos que extravasem o direito de qualquer cidadão de opinar sobre o modo como os dinheiros públicos são gastos.

Referindo que em causa “nestes autos o confronto entre o direito à honra e consideração devida aos assistentes e o direito de informação e de livre opinião, tendo em vista que os assistentes são respectivamente uma associação de direito privado financiada pela Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e por apoios comunitários e o assistente é o seu responsável”, o despacho do Ministério Público considera que “na verdade, qualquer cidadão tem o direito de duvidar de negócios que são feitos com dinheiros públicos…”. E remata referindo que “concorde-se ou não com as opiniões e factos publicados pelo jornal, tais não extravasam os limites e o campo de actuação da liberdade de opinião e de expressão e do direito de informar de forma livre e esclarecida”.

LEIA TAMBÉM

Santa Ovaia anuncia tradicional Festival das Sopas, com muita música e porco no espeto

Santa Ovaia, em Oliveira do Hospital, já tem alinhado o cartaz de mais uma edição do …

João Dinis afirma que houve abate “selvagem” de plátanos em Oliveira do Hospital e pede explicações à Câmara Municipal

O eleito da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca …

  • António Lopes

    Mas como é que não vai a julgamento, esta situação, depois de tudo o que pedimos e afirmá-mos? Que se passa, em Portugal, o meu País? Segue a parte final da defesa que apresentei

    …///…41- Continua a ser nossa convicção que, muitas e graves irregularidades se cometem e cometeram, na BLC. Basta analisar os 74 concursos que se juntam.É possível aferir todas as reservas que suscitá-mos e mantemos.Como eleito tentá-mos fazer o nosso melhor para o evitar. Aqui, e nos demais serviços públicos, sob gestão Municipal como era meu dever , de eleito.

    42-Deve um eleito, probo e empenhado, ficar calado quando vê adjudicar à CIP-Construções Irmãos Peres por 848 219.89 €, uma obra que a Joaquim Marques e Filhos se propôs fazer por 375 000 00 € (Ver proposta anexa)? Deve ficar calado quando vê adjudicar a fiscalização da mesma obra a uma bolseira da instituição? Não são coincidências a mais, apesar da eventual legalidade?

    43- Não deve tentar o esclarecimento? Não foi para isso que foi eleito..? Porque se recusou toda esta documentação e esclarecimento quando quisemos comparar os mapas de trabalho, para aferir o porque de tão grande discrepância de preço..?

    44- E foi por ser assim, que nos debatemos no campo da legalidade,na AM, junto do Presidente de Câmara, na CADA e até no tribunal,para conseguir os esclarecimentos que nunca nos foram dados.Melhor foi-nos contada, por duas vezes, a “historieta” que qualquer técnico desmontará.A primeira a “alta tecnologia”, do gerador e a segunda, a das baixas temperaturas..! (Quanto custará um gerador na Sibéria)?

    Nem abrir as caixas e mostrar o equipamento, conseguimos que fosse feito.Em sede de julgamento se fará requerimento para peritagem ao equipamento.Então se esclarecerá se se trata de difamação, se de teste à “alta tecnologia”, se de denuncia a grossas ilegalidades.

    45- Foi para esclarecer isso, também, que fizemos queixa ao Ministério Público e fomos ouvidos pela Polícia Judiciária, sob o assunto.

    Até ao momento, desconhecemos o resultado dessas queixas e o despacho do Ministério Publico, pese já terem decorrido dois anos…

    Por tudo o exposto, espera-se que o presente inquérito, vá a julgamento e seja feita a necessária investigação, se ainda não está feita – tendo em contas as nossas denuncias- para se desmontar toda a falaciosa argumentação.Estamos de consciência muito tranquila.

    Anexa-se a documentação anunciada,que demonstra, cabalmente , a lisura dos nossos comportamentos e o empenho nas funções, que livremente assumimos, e a veracidade de tudo o que então foi afirmado e feito, que nada tem a ver com o conteudo da denuncia.

    É tudo o que, nesta fase processual se nos oferce.

    Covilhã, 26 de Março de 2018

    Denunciado

    António dos Santos Lopes

  • Popular

    Sr António Lopes…benvindo….ao país do “Rimanço do país das uvas”…
    Contudo, neste momento, apelar-lhe-ia, se me permite, à sua memória…vivida (e creio que registada) sobre uma simples greve mineira, na Panasqueira, e que explicasse, passe o título da “notícia”, naqueles tempos, o que significou – se assim aconteceu – o “fundo de greve”…
    (Saberá que, nos tempos que correm, as autarquias deste país estão isentas de qualquer escrutínio…como há 30 anos eram…e passaram a ser
    É que, sabe, hoje, em Oliveira do Hospital, há pessoas que pagam fundo de greve umas às outras…e dizem que fazem greve…e estão na frente…
    Grande confusão, ou não.É Oliveira do Hospital.
    Faça o favor: explique se, nos idos de 70, os mineiros grevistas tinham fundos de greve.
    Obrigado.

    • António Lopes

      O que é lá isso de fundos de greve? Não é que eu não saiba.Mas, nunca usei nem me consta que se use, de facto.Muito menos de direito. Um fundo de greve é a negação da greve.Até porque, tal como enquanto cidadãos, recebe-se sempre menos do que se paga.Logo, não faz sentido.A haver , se muitas greves há mais haveria…Outra coisa é a solidariedade com grevistas.Tive a honra de ajudar a dirigir, com uma quota elevada de protagonismo, uma greve de 93 dias seguidos.28-4 a 2- 8 de 1981, envolvendo 1763 trabalhadores. Pessoalmente pedi crédito em muitos estabelecimentos para as famílias mais numerosas.Da mesma forma me empenhei para que pagassem , quando se ganhou a greve. Fizeram-se alguns peditórios para casos de infortúnio, acidentes etc.Fundo de greve nunca houve.Lembro-me de alguns empréstimos,poucos, por acaso a trabalhadores aqui da zona que tinham letras a pagar,Mas, não mais que isso.
      Consta-me que lá para os States haverá uma coisa parecida com isso de fundo de greve.Mas tenho dúvidas que funcione.Aliás raramente fazem greves…Há muita “democracia” por lá.

      Objetivamente, onde é que quer chegar? Não sei se o entendi bem, nem qual a motivação.O que me aconteceu, também com pessoal aqui da zona(pouco, felizmente), era levantarem o braço com grande energia a votar a greve e, depois, furavam-na..! Poucos como disse.Não chegavam aos dedos da mão, até porque tinha engenho e arte para contornar as “ovelhas tresmalhadas”.Também alguns aqui da zona, uma vez tiveram honras de desfilar num corredor com alguns trezentos mineiros a bater-lhes palmas.Nunca mais furaram. É de casos semelhantes que se está a lamentar..? O mais comum é tirarem dias de férias e dizerem que estão de greve..! Aconteceu-me com um trabalhador que tive que era eleito regional do PS, numa greve geral, em que pedi a todos para aderirem…Têm-me chegado casos caricatos aí na autarquia.Mas, como agora já não tenho compromisso eleitoral com os Oliveirenses e para não ser acusado de protagonismo, deixo para quem mereceu a confiança do eleitorado, e tem o dever de oposição. Não sei se correspondi.Se não, disponha.O que estiver ao meu alcance…

      • Popular

        Foram professores…a assim proceder, em junho/julho de 2018…
        Obrigado.