Oliveira do Hospital classificado em 47º lugar pelo ITM, mas autores colocam ressalvas sobre conclusões do estudo

Oliveira do Hospital classificou-se em 47º lugar no ranking dos municípios mais transparentes a nível nacional no que respeita à informação disponibilizada no portal da internet do próprio município. Uma nota da autarquia oliveirense revela que este é o resultado de um trabalho  designado Índice de Transparência Municipal (ITM) 2014, que foi apresentado publicamente na passada sexta-feira, 8 de Novembro, pela “Transparência e Integridade Associação Cívica (TIAC)”, após a análise dos sites dos 308 concelhos do país. No distrito de Coimbra, Oliveira do Hospital surge como o quarto município que mais informação disponibiliza na sua página.

Este estudo, porém, como confirmou o CBS no site dos autores do trabalho, não mede, entre outros aspectos, a acessibilidade da informação. O mesmo é dizer que o facto de estar disponível não significa que a informação seja fácil de encontrar. O trabalho também não leva em conta a qualidade daquilo que é disponibilizado. “Estamos conscientes de que alguns dos documentos disponibilizados nos websites das câmaras não têm qualidade, utilidade ou são até desprovidos de informação fidedigna. Não cabe ao índice ajuizar se a qualidade da informação é boa ou má, terá de ser o cidadão a fazê-lo”, ressalvam os responsáveis pelo trabalho, alertando ainda que este estudo também não mede a corrupção ou a qualidade de gestão. “O índice não deve ser interpretado como um indicador da maior ou menor permeabilidade do município à corrupção ou má gestão”, explicam.

O Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, porém, numa nota de imprensa divulgada hoje, considerou que este resultado é o reconhecimento claro e inequívoco da gestão transparente que o seu executivo faz questão de imprimir à vida política autárquica, numa perspectiva de cultura de exigência e rigor. “Num país democrático, os cidadãos, e particularmente os oliveirenses, têm o direito de escrutinar a gestão autárquica e, sob esse ponto de vista, é um dever da Câmara Municipal a que presido prestar-lhes cada vez mais informação porque “fazemos tudo às claras e não temos nada a esconder”, sublinha o autarca, que é também vice-presidente da CIM – Região de Coimbra.

O ITM, que pela segunda vez avalia este aspecto das autarquias do país , realiza o seu estudo com base em  76 indicadores agrupados em sete dimensões: 1) Informação sobre a Organização, Composição Social e Funcionamento do Município; 2) Planos e Relatórios; 3) Impostos, Taxas, Tarifas, Preços e Regulamentos; 4) Relação com a Sociedade; 5) Contratação Pública; 6) Transparência Económico-Financeira; 7) Transparência na área do Urbanismo.

LEIA TAMBÉM

“CORO” DA HEGEMONIA PS NA CÂMARA E NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL ACTUOU DURANTE A EDIÇÃO 2018 DA EXPOH – OLIVEIRA DO HOSPITAL. Autor: João Dinis

Escrevo este “opinião” a 30 de Julho de 2018. Ontem à noite, fui a Oliveira …

Oliveira do Hospital fora dos estágios do PEPAL para as regiões afectadas pelos incêndios

O Governo anunciou ontem a abertura, na próxima segunda-feira, das candidaturas para estágios na administração …

  • Sr. Viegas

    “Transparência Integridade e Associação Cívica” e isto é? uma marca de pastilhas elásticas ou um daqueles estudos manhosos? O Sócrates também tinha um curso, e tinha o certificado do mesmo,..ora bolas, e não é que afinal não tinha qualquer curso! A CMOH também faculta documentos(que até servem para estes tipos fazerem estudos), mas facultam todos ou só os que interessam? Para mim, quase leigo, já que não sou “Doutor”, isto é o mesmo que dar papas a brutos, a gamela pode até estar cheia, mas comer, só come quem quer!

  • Sr. Viegas

    Se substituíssem “Transparência Integridade e Associação Cívica” por “Inspecção Geral das Finanças” até comia, mas parece que à IGF ninguém lhes quer dar de comer…é que nem papeis…

  • Viegaslopes

    O Sr. Viegas Lopes em vez de dizer bacoradas leia as noticias da imprensa nacional sobre o tema e informe-se sobre as coisas. Se a câmara de Oliveira tivesse ficado nos últimos imagine-se o que o senhor iria dizer. Mas como foi um dos melhores municipios da região já não lhe interessa. É a politica da terra queimada.

    http://expresso.sapo.pt/camara-de-alfandega-da-fe-e-a-mais-transparente-do-pais=f897031

    • Politicalex

      Os “Viegas Lopes” não dizem bacoradas. Denunciam-as. E tem muito para denunciar.

  • António Lopes

    Sendo assim, qual o motivo porque estou desde 16 de Maio, à espera que me entreguem uma série de documentos? Se é assim, porque continuo à espera dos documentos pedidos por diversas vezes depois daquela data? Entretanto, quem não tem coragem de assinar o nome, cita o meu com que autoridade e legitimidade?

  • Guerra Junqueiro

    Mais palha para o burro.
    Nada se encontra sobre como chegaram ás taxas e tarifas que praticam na água e saneamento, nada se encontra sobre os grupos de trabalho, nada se encontra sobre vencimentos, nada se descobre sobre as avaliações de candidatos.
    Informação, há muita, vale é pouco.
    Enfim, cada um coma a que quer.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • Sr. Viegas

    Não encontrei no Expresso qualquer alteração a esta notícia, pelo contrário, não fazem qualquer alusão ás ressalvas que os próprios autores do estudo colocam. Ou será que o CBS ligou para os camaradas da dita marca de pastilhas para saber mais pormenores?!

  • Viegaslopes

    Lê a ficha técnica do estudo. Mas isso é ensaboar a cabeça a burros. A burros não, ao mesmo burro de sempre que a gente conhece e que passa aqui a vida a dar palpites em vez de gerir mas é as empresas insolventes.

    Vai trabalhar malandro.

    FICHA TÉCNICA

    COORDENAÇÃO CIENTÍFICA:

    Luís de Sousa, GOVCOPP-UA e Presidente TIAC (Coordenador)

    António Tavares, NEAPP-UM

    Filipe Teles, GOVCOPP-UA

    Susana Jorge, NEAPP-UM

    Nuno Ferreira da Cruz, LSE Cities

    Geovanni Allegretti, CES-UL

    EQUIPA DE INVESTIGAÇÃO:

    Nuno Ferreira da Cruz, LSE Cities(Investigador Principal SIL e ITM)

    Cátia Andrade, TIAC (Assistente de Investigação)

    Catarina Magalhães, NEAPP/UM (Assistente de Investigação)

    VOLUNTÁRIOS:

    Ana Dantas Pereira

    Ana Margarida Santos

    Ana Meireles

    António Gonçalves

    Catarina Lopes

    Célia Reis

    Daniel Lourenço

    David Prata

    João Curvelo Inocentes

    Karina Ferreira

    Kivia Lara

    Pedro Maldonado Rodrigues

    Rita Ferreira

    Salvador Faria

    Susana Vieira

    Voluntários de 2013

    Ana Maria Mão de Ferro Martinho Carver Gale

    Ana Meireles

    Ana Rita Gomes

    António Fernando Silva de Almeida

    António Joaquim Andrade Gonçalves

    António Joaquim de Castro Raimundo

    Daniel Lourenço

    João Curvelo Inocentes

    Luís Sena Esteves

    Miguel Martins Brás

    Nuno Albarran

    Susana Rita Coelho Vieira

    EQUIPA DE INFORMÁTICA:

    Celso Rodrigues, Webmaster TIAC

    José Eduardo

    Philippe Moreil

    COMUNICAÇÃO:

    João Paulo Batalha, TIAC (Diretor Executivo)

    INSTITUIÇÕES PARCEIRAS:

    Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-UL)

    Instituto Superior Técnico (IST-UTL)

    Núcleo de Estudos em Administração e Políticas Públicas da Universidade do Minho (NEAPP-UM)

    Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território da Universidade de Aveiro (GOVCOPP-UA)

    GRUPO DE ACONSELHAMENTO:

    Bárbara Rosa, Má Despesa Pública e TIAC

    João Dias Pacheco, ATAM

    João Ferrão, ICS-UL

    João Mourato, ICS-UL

    João Vasconcelos, AMA

    Luísa Schmidt, ICS-UL

    Orlando Nascimento, ex-IGAL

    Paulo Morais, Vice-Presidente TIAC

    Paulo Trigo Pereira, ISEG-UTL

    Rui Cunha Marques, IST-ULisboa

    AGRADECIMENTOS:

    A TIAC agradece a todos os associados e voluntários que contribuíram, direta ou indiretamente, para a realização destes estudos e ferramentas de trabalho.

    Um agradecimento especial para a JB Fernandes Memorial Trust, e em particular a Donzelina Barroso, da Rockefeller Philanthropy Advisors, por terem acreditado no desenvolvimento do ITM e contribuído financeiramente para a sua execução.

    Os nossos agradecimentos também para o Secretariado da Transparency International, e em particular Valentina Rigamonti, por todo o apoio prestado.

    • Guerra Junqueiro

      Realmente, muita gentinha a receber, pergunto-me “quanto custam” para que o seguinte se escreva:
      Este estudo, porém, como confirmou o CBS no site dos autores do trabalho, não mede, entre outros aspectos, a acessibilidade da informação. O mesmo é dizer que o facto de estar disponível não significa que a informação seja fácil de encontrar. O trabalho também não leva em conta a qualidade daquilo que é disponibilizado. “Estamos conscientes de que alguns dos documentos disponibilizados nos websites das câmaras não têm qualidade, utilidade ou são até desprovidos de informação fidedigna. Não cabe ao índice ajuizar se a qualidade da informação é boa ou má, terá de ser o cidadão a fazê-lo”, ressalvam os responsáveis pelo trabalho, alertando ainda que este estudo também não mede a corrupção ou a qualidade de gestão. “O índice não deve ser interpretado como um indicador da maior ou menor permeabilidade do município à corrupção ou má gestão”, explicam.”

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

    • Politicalex

      Mesmo insolvente ainda vai oferecendo uns lotes em Alvôco. A Câmara bem gerida e sem dívidas tem o lar há 2 anos à espera do subsídio. Dinheiro para a obra em cima do terreno que ele ofereceu, não aprece..! Aos que o chamam falido está à espera que lhe paguem 232 000 00 euros.Já perguntei quanto ele deve ninguém responde..! Ele nunca quis nada. Correram com ele por causa de se opor às bandeirinhas. E um bocadinho de vergonha, não ficava bem? O que fizeram os senhores pelo Concelho, a não ser “mamar”? Não lhe respondiam, quando questionava que “Deus manda-nos ser justos mas não nos manda ser ingénuos. Agora é a nossa vez.Temos que meter “os nossos””..!Não foi isso que o irritou? Ele ainda espalhou alguma coisa. Este Concelho nunca foi ingrato. Não o envergonhem… O que vocês fazem para defender o empreguito provisório..!

  • Sr. Viegas

    Em tão extensa lista, estranho, e estranho mesmo, não estar o nome de um ilustre assessor aqui das bandas…também realiza grandes estudos, normalmente por encomenda, mas quando se trata de ler Português parece ter dificuldades…Então mas os próprios autores do estudo colocam ou não advertências quanto à fiabilidade do estudo? Talvez sendo pessoas creditadas sabem das falhas que estes estudos podem ter…se num raio de 50km, aqui de Aldeia das Dez, fizessem uma consulta às Câmaras Municipais para ver se o estudo estava ou não com falhas, acho que já nem publicado era…os papeis, o vento levou…

  • Sr. Viegas

    Caso existam dúvidas sobre a veracidade deste estudo, não se perca tempo, e coloquem já no terreno uma equipa multidisciplinar!

  • Sr. Viegas

    É por estas e por outras que prefiro o desporto, a política, com esta gente, nem dá para exercitar o cérebro.

  • Politicalex

    Quem conhece de perto os meandros da Câmara e lê estas afirmações do Senhor Presidente da Câmara sobre a transparência só pode soltar uma gargalhada..! Senhor Presidente: A mentira tem a perna curta. O tempo dos jogos e das meias verdades está a chegar ao fim.Não lhe prevejo grande ANO NOVO. A mentira não tem lugar numa política com nobreza.Em que é que este relatório adianta o que quer que seja?

    • Guerra Junqueiro

      Este relatório afirma que a câmara coloca muita informação, o que é verdade, só os anúncios das festas dá para alimentar 4 ou 5 câmaras. Já informação interessante como o relatório da IGF e da CADA entre outros é que não aparecem.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

  • Politicalex

    E tem a política de licenciamentos urbanos que “é”da responsabilidade da “Assembleia da Republica”..! Hehehehe. Só me gozam!!!

  • Guerra Junqueiro

    O Barreto enviou este facho de palha para o CBS, para ver se os leitores a comiam. Teve azar, pois o jornalista provou a opacidade da transparência da informação municipal.
    Mais uma vez, parabéns Manuel, a isto chama-se “jornalismo”.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • Sr. Piegas

    “alguns dos documentos disponibilizados nos websites das câmaras não têm qualidade, utilidade ou são até desprovidos de informação fidedigna”

    Sr. jornalista não se importa de concretizar dando exemplos concretos no site da Câmara Municipal?

    • Guerra Junqueiro

      Não me digas que não tens discernimento para tal? Qualquer retardado mental consegue constatar a falta de qualidade, utilidade e fidedignidade disponibilizada nos websites camarários.
      O dia mundial da bolota e afins é nuclear. A prontidão com que colocam as actas quer das Assembleias quer da Câmara é assustadora. Ó Piegas, só dá para rir.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

      • inginheiro

        Qualquer retardado consegue constatar que não concretizaste, não é necessário ser “injinheiro” da mula russa.

        • Politicalex

          O gozo desta gente é que passam a vida a mostrar o peito, no on-line. No dia a dia é bajulação,é esconderem-se atrás de outros, é serem responsabilizados pelo que dizem, nos locais próprios. Vão queimando os últimos cartuchos. O tempo da fogachada tem os dias contados..! Vem aí o tempo de “gemer” e assumir as responsabilidades..!

    • Politicalex

      Lá estas tu? Qual transparência, quando se pede para discutir licenciamentos duvidosos, para não dizer de favor,se quer saber quais são os critérios de licenciamento, respondem que não há politica de licenciamentos, que isso é com a Assembleia da Republica..! É a Assembleia da Republica que autoriza armazéns de mais de 500 m2, em zona de REN, que dá multa de umas dezenas de milhar, demolição e 3 anos de cadeia, para quem faz e para quem deixa fazer? Onde é que está a transparência? Porque é que quando perguntam quanto foi a multa e a documentação a negam? O Barreto não chapou este caso aqui? Tem cerca de dez casos desses. Não discutem porquê, não fornecem documentos porquê? Transparência é isto? Mas não vos calais porquê? Isto é tudo burros..? Entrai por aí pode ser que encontrem a saída…

      • REN

        Pergunta ao teu ídolo quem autorizou um armazém de tecidos na Zona Industrial?

        • Politicalex

          E quem é o meu ídolo..? Se é quem eu penso, não foi o 1ª a provar o “drink” ? Não se consegue argumentar qualquer coisita melhor..? Eram e são mais para receber as senhas de presença e o ordenado a qualquer preço..?

  • Estudo

    “estudo com base em 76 indicadores agrupados em sete dimensões: 1) Informação sobre a Organização, Composição Social e Funcionamento do Município; 2) Planos e Relatórios; 3) Impostos, Taxas, Tarifas, Preços e Regulamentos; 4) Relação com a Sociedade; 5) Contratação Pública; 6) Transparência Económico-Financeira; 7) Transparência na área do Urbanismo.”

    Os vossos argumentos são o máximo.
    Não sei qual é o indicador em que o dia da bolota se encaixa.
    Só evidencia a ignorância sobre o estudo em causa…

  • Sr. Viegas

    Vocês sabem lá…mas um dia, um dia vão saber!

  • Tó Correia

    O custo de uma campanha – despesismo fácil – 8 anos a pão e água. Pelos valores de capacidade de liquidez da c.m. poder-se-á dizer que serão oito anos de uma gestão desastrosa e irresponsável, de despesismo fácil e de incompetência gastadora a troco de favores eleitorais, conduziram este concelho a uma situação vergonhosa e humilhante. A ruína da autarquia e o atraso do Concelho não lhes importa. Pois, ao que tudo indica, a autarquia poderá recorrer de um ‘resgate autárquico’ (pomposamente: Fundo para as Autarquias), já que o aumento da água, a taxa de IRS, taxas sobre estudantes (AGrup. Nogueira do Cravo) parece ficarem aquém da máquina gastadora implementada pelo JCA. Os impostos municipais manter-se-ão no seu nível máximo (onde este executivo os colocou).

    Em vez de responsabilizar e punir as Câmaras gastadoras, o Governo PSD-PP, prefere dar-lhes uma mão para os ajudar na próxima campanha eleitoral, emprestando-lhes dinheiro que não tem, retirado dos nossos bolsos com impostos, mais impostos, mais impostos.
    Só um balão de oxigénio (entenda-se mais empréstimos) o executivo socialista pode ‘salvar a face’. A manutenção do poder pelo poder

  • Santa Ignorância

    Tó Correia,
    Em Oliveira do Hospital não se paga Derrama e o IMI está abaixo da média nacional.
    Dizer que todos os impostos estão no máximo ou é ignorância ou é mentir descaradamente.
    Quanto ao resgate autárquico tal não é possível. Consulte a Lei dos compromissos e aprenda alguma coisa. A Câmara de Oliveira ainda vai alimentar o fundo nos próximos anos. São uns largos milhares de euros que poderão ajudar Câmaras como a de Poiares que foi liderada durante muitos anos por um ícone do PSD.

  • Pró Tó Correia

    Senhor “Tó Correia”,
    Ou é o senhor ou alguém usurpa ilegalmente um nome por todos conhecido. E se assim é…
    Sobre a mentira do despesismo do executivo de JCAlexandrino , tenham vergonha e tento na língua. Mintam pouco para terem alguma credibilidade.
    1º O executivo de JCA nunca contraiu qualquer empréstimo.
    Pediu zero à banca, mas anda a pagar os empréstimos que lhe foram deixados pelso anteriores executivos, incluindo o de 5 milhões de euros que o Mário Alves deixou para estes pagarem.
    Fixa bem: nada pediram. Mas têm que pagar os 5 milhões que o Alves pediu.
    E olha que o Alves gastou a bom gastar, até à “tripa forra”. Fixa!
    2º A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital não tem apoio, nem precisa de nenhum “balão de oxigénio”, nem do apoio do Governo dos papões do PSD/CDS.
    3º Para que saibas, “Tó Correia”, a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital tem que contribuir com cerca de 700 mil euros, durante 7 ano, a 100 mil euros/Ano, do Orçamento de Oliveira do Hospital, para pagar as dívidas dos municípios falidos.
    Queres 2: Vila Nova de Poiares e Vila Nova de Gaia (dizem-te alguma coisa??)
    4º Aprende: o Governo do PSD/CDS tira à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, obrigando-a a contribuir para pagar a dívida dos falidos.
    5. A mentir como mentes, nada vales. És uma aldrabice!

    • Politicalex

      Isso é mentira:Quando entrou havia dois milhões disponivéis de um empréstimo de cinco contratado por Mário Alves.O Alex pediu 2 milhões. O MA só pediu três milhões.Sejam rigorosos. O Alex foi buscar mais umas centenas, de obras já feitas como foi o Largo Ribeiro do Amaral, Biblioteca e saneamento de Lourosa.Quem é apanhado por aldrabão não somos nós. Veja-se a limpeza do mato para limpar uma caleira que não existe. Veja-se as inverdades ou meias verdades do comentário. Despesismo sim.Não pede dinheiro mas também não faz. O que faz são festas e bola em valores impensáveis para os tempos que correm.Não se endividam mas vêm meter-nos a mão no bolso.67% na água, IRS no máximo.Pensam que andam a lidar com lorpas.É a política das meias verdades.Saiam dessa e depressa.Esse tempo já lá vai.O “GC” sabe mais de gestão de Câmara que todos os que lá andam a polir…E nunca lá houve tantos como com o ALEX.4 vereadores para quê? .

  • Politicalex

    É tudo tão transparente que até nem se consegue ver a caleira no campo de futebol.E as contas do campo também não está facil…É o descrédito total.Cortaram o mato para limpar uma caleira que nunca lá existiu. O Paulo Figueira como é que sai disto..? Veio proteger os aldrabões e criticar os apoiantes…Enfim..!

    • Transparência

      “A urgente intervenção na cobertura da bancada do Estádio Municipal, em virtude de uma caleira que recebe as águas do telhado da referida bancada estar obstruída, provocando assim danos na referida infra-estrutura”, justificou por escrito. “Tendo em conta que os serviços camarários precisavam de aceder ao local, para intervir rapidamente por forma a solucionar o problema, verificou-se que a única forma de o fazer era através da limpeza de uma pequena faixa de vegetação herbácea confinante com o Estádio Municipal, razão pela qual se solicitou à Sonae Indústria a disponibilização da chave para aceder ao local para intervir”, explicam.

    • Transparência

      5. Após análise efectuada pelo técnicos do Município, verificou-se que havia de
      facto que intervir na cobertura da bancada, desobstruindo a caleira aí
      existente, e bem assim proceder à reparação dos buracos existentes na
      cobertura.