Museu da Electricidade de Seia promove exposição sobre história das máquinas de projecção e de filmar

O Museu Natural da Electricidade celebra, amanhã, o seu quarto aniversário, e vai assinalar a data com a inauguração, pelas 15h00, da exposição “A minha vida dava um filme” que decorrerá até 25 de Março. A exposição, referem os promotores, é um convite a viajar através do tempo, desde o século XVII, numa história contada através de máquinas de projectar, de filmar e também por cartazes de filmes trespassados no tempo, espólio da colecção particular de José Poeta (1957-2006).

Natural da Figueira da Foz, José Poeta associou a sua vida de docente ao gosto pelo coleccionismo de objectos cinematográficos, fruto da sua paixão pela “7.ª Arte”. Enquanto realizador, foi premiado em Portugal, com vários trabalhos, assim como em França pelo seu documentário sobre a Reserva Natural das Berlengas. Do seu currículo constam a sua colaboração no Festival de Cinema da Figueira da Foz, como crítico e membro do júri, e na Rádio Foz do Mondego, enquanto moderador de emissão.

O Museu Natural da Electricidade está instalado na centenária central da Senhora do Desterro, detendo verdadeiros tesouros do património industrial que enquadram uma exposição permanente acerca da electricidade, dos recursos hídricos da serra da Estrela e das energias renováveis em Portugal. “Aqui, pode tomar-se contacto com o processo de produção da central, compreendendo o funcionamento dos quatro grupos geradores equipados com turbinas Pelton, do painel do comando, da conduta, do canal de restituição da água ao rio Alva, e também, com diversas ferramentas de apoio usadas na manutenção das máquinas”, referem os responsáveis da autarquia de Seia.

A história da Central da Senhora do Desterro remonta a 1907, ano em que a, então, Empresa Hidroeléctrica da Serra da Estrela, agora EDP, iniciou a sua construção, tendo sido o primeiro aproveitamento hídrico, dos quatro existentes sobre o rio Alva.
Localizada na Senhora do Desterro, esta central manteve-se em actividade até meados dos anos noventa.

LEIA TAMBÉM

Casas abandonadas. Autor: Renato Nunes

A partir do momento em que a minha avó materna faleceu, já lá vão 22 …

Festival “Origens” de Travanca de Lagos agendado para o próximo fim-de-semana

Os Jovens da Liga de Travanca de Lagos apresentam, de sexta-feira a domingo, mais uma …