“Não há violência, nem bullying na Cordinha”, garante director do Agrupamento

Organizada em formato de quatro Workshops, a acção “Uma Escola Pela Não- Violência” alertou, hoje, os 280 alunos que frequentam o 2º e o 3º Ciclos de Ensino Básico do Agrupamento de Escolas da Cordinha para os malefícios da violência na escola, no namoro, na vida familiar e em sociedade.

Mas, perante uma plateia maioritariamente adolescente, a palavra mais usada pelas entidades que ministraram cada um dos painéis foi o “bullying” que se reporta à violência na escola, quer seja física, ou psicológica e, praticada directa e indirectamente.

O tema que indiscutivelmente captou a atenção daquela comunidade estudantil foi abordada de quatro formas diferentes, com a participação de técnicos da ADIBER, de professores responsáveis pelo projecto Educação para a Saúde, militares da Escola Segura da GNR e técnicos do projecto AGIR.

Para além da prática do “bullying” no recinto físico escolar, os alunos foram também alertados para o “cyber bullying”, decorrente do crescente uso das tecnologias de informação e comunicação como a Internet e os telemóveis. Para além de alertada, a comunidade estudantil foi também aconselhada, em caso de vítima de “bullying”, a denunciar os autores da violência junto da direcção da escola, ou até dos pais.

Acção para “prevenir os mais desprevenidos”

Satisfeito com o interesse que os alunos manifestaram pelo assunto que esta tarde mobilizou a comunidade educativa da Cordinha, o director do Agrupamento destacou o carácter preventivo da iniciativa.

“Foi uma forma mais preventiva de tentar elucidar os alunos do que é o bullying e das suas consequências”, afirmou Carlos Carvalheira que, com os quatro workshops pretendeu “prevenir os mais desprevenidos”.

Convidado a pronunciar-se sobre a realidade do Agrupamento de Escolas, o director não hesitou em afirmar que “não há violência, nem bullying na Cordinha”.

Apesar de não colocar de parte a possibilidade de um dia poder surgir algum caso, Carvalheira acha que tal será “pouco provável” porque “a comunidade da Cordinha é serena e calma”.

A acção realizada, esta tarde, decorre de uma decisão resultante do Conselho Pedagógico da Escola e que consiste na realização de uma acção, em formato de workshop, sobre determinado tema da actualidade. “ No ano passado foi sobre o tabaco. Resultou e foi extremamente positivo”, considerou o director Carlos Carvalheira.

LEIA TAMBÉM

Alunos da ESTGOH consideram “Oliveira do Hospital uma cidade acolhedora”

ESTGOH atrai 110 alunos na primeira fase de acesso ao ensino superior, curso de Gestão das Bioindústrias sem grande adesão

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) preencheu 110 das …

Amianto vai ser retirado da Escola Secundária de Oliveira do Hospital, oposição critica “timing”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital anunciou ontem que assinou um contrato de adjudicação …