“Não há violência, nem bullying na Cordinha”, garante director do Agrupamento

Organizada em formato de quatro Workshops, a acção “Uma Escola Pela Não- Violência” alertou, hoje, os 280 alunos que frequentam o 2º e o 3º Ciclos de Ensino Básico do Agrupamento de Escolas da Cordinha para os malefícios da violência na escola, no namoro, na vida familiar e em sociedade.

Mas, perante uma plateia maioritariamente adolescente, a palavra mais usada pelas entidades que ministraram cada um dos painéis foi o “bullying” que se reporta à violência na escola, quer seja física, ou psicológica e, praticada directa e indirectamente.

O tema que indiscutivelmente captou a atenção daquela comunidade estudantil foi abordada de quatro formas diferentes, com a participação de técnicos da ADIBER, de professores responsáveis pelo projecto Educação para a Saúde, militares da Escola Segura da GNR e técnicos do projecto AGIR.

Para além da prática do “bullying” no recinto físico escolar, os alunos foram também alertados para o “cyber bullying”, decorrente do crescente uso das tecnologias de informação e comunicação como a Internet e os telemóveis. Para além de alertada, a comunidade estudantil foi também aconselhada, em caso de vítima de “bullying”, a denunciar os autores da violência junto da direcção da escola, ou até dos pais.

Acção para “prevenir os mais desprevenidos”

Satisfeito com o interesse que os alunos manifestaram pelo assunto que esta tarde mobilizou a comunidade educativa da Cordinha, o director do Agrupamento destacou o carácter preventivo da iniciativa.

“Foi uma forma mais preventiva de tentar elucidar os alunos do que é o bullying e das suas consequências”, afirmou Carlos Carvalheira que, com os quatro workshops pretendeu “prevenir os mais desprevenidos”.

Convidado a pronunciar-se sobre a realidade do Agrupamento de Escolas, o director não hesitou em afirmar que “não há violência, nem bullying na Cordinha”.

Apesar de não colocar de parte a possibilidade de um dia poder surgir algum caso, Carvalheira acha que tal será “pouco provável” porque “a comunidade da Cordinha é serena e calma”.

A acção realizada, esta tarde, decorre de uma decisão resultante do Conselho Pedagógico da Escola e que consiste na realização de uma acção, em formato de workshop, sobre determinado tema da actualidade. “ No ano passado foi sobre o tabaco. Resultou e foi extremamente positivo”, considerou o director Carlos Carvalheira.

LEIA TAMBÉM

Jovens cientistas da EPTOLIVA de Tábua desenvolvem Compósito Antisséptico e conquistam segundo lugar na XI Mostra Nacional de Ciência

Jovens estudantes da Eptoliva, na Tábua, no distrito de Coimbra, desenvolveram uma solução desinfectante a …

A escola ou a escolinha (?). Autor: António Ferro.

Durante várias décadas, fui assistindo às mudanças (algumas drásticas e escusadas) no sistema de ensino …