Nova empresa de confeções prepara-se para criar meia centena de postos de trabalho

Só o excesso de burocracia em torno da utilização do espaço da antiga Fabrinconfex – unidade de confeções localizada em Gavinhos de Baixo que, no início de 2010 laçou perto de 200 trabalhadores para o desemprego – impedirá uma jovem empresária, de Lagares da Beira, de ali avançar com uma nova unidade de confeções, especialmente destinada à produção de calças de homem e também senhora.

Um processo que, adiantou a própria ao correiodabeiraserra.com, espera ver concluído com sucesso até ao final de janeiro, início de fevereiro. “Temos prazos para cumprir”, revelou, dando conta de “alguns entraves” com que se tem vindo a deparar no âmbito da utilização das instalações da antiga Fabriconfex que já arrendou para o efeito, mas que – garante – não a irão impedir de levar por diante um projeto que considera viável.

As instalações da antiga unidade de confeções surgem no topo das preferências da nova empresária, que tem todo o interesse em avançar com a empresa no concelho de Oliveira do Hospital. “Para além de ser o meu concelho e onde quero continuar, é também, em toda a região, o concelho com a mão de obra mais qualificada”, sublinha, não escondendo porém a existência de uma segunda alternativa para a instalação da empresa, localizada no vizinho concelho de Tábua.

Numa altura em que dá como certo o arranque da nova unidade de confeções, a empresária que parte este projeto com mais duas pessoas, tem também a registar o apoio que tem recebido por parte da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, em particular do presidente José Carlos Alexandrino, na agilização de todos os procedimentos.

A abertura da nova unidade de confeções , caso venha a acontecer no concelho oliveirense, surge precisamente seis anos após a forte crise que se abateu no setor das confeções e que continuou a fazer baixas até há pouco mais de um ano.

A Fabriconfex foi, precisamente, uma das últimas unidades a encerrar portas no concelho, assistindo-se já nos últimos meses a uma retoma do setor. A comprová-lo está a abertura da Azuribérica em fevereiro de 2011 nas antigas instalações da HBC, na Zona Industrial, e o aumento das encomendas verificado em importantes empresas do concelho que se viram forçadas a alargar o número de postos de trabalho.

“Para mim está é uma boa altura”, reconhece a empresária com um passado ligado ao setor e, por isso, conhecedora daquilo que foram os momentos menos prósperos no mundo das confeções.

“A nível nacional está-se a assistir a uma retoma da indústria de confeções e muitos clientes estrangeiros estão a voltar”, constata, garantindo ter também “reunidas as condições” para avançar com uma nova unidade em Oliveira do Hospital contando, para já, com uma bolsa de clientes confirmada e que, espera, venha a ampliar brevemente.

Uma vez ultrapassados, dentro dos prazos previstos, os “entraves” em torno das instalações, a nova unidade de confeções deverá iniciar a laboração, entre os meses de março e abril.

LEIA TAMBÉM

Primeiro-ministro vê nas biorefinarias uma “oportunidade” para aproveitar a floresta e elogia trabalho desenvolvido na BLC3

O primeiro-ministro destacou ontem na inauguração do Campus de Tecnologia e Inovação BLC3, em Oliveira do …

António Costa remete construção do IC6 para “quando haja condições financeiras”

O primeiro-ministro não se compromete com uma data para a construção do IC6 entre Tábua …