Novo exame de português marcado para 2 de julho

O ministro da Educação anunciou, esta segunda-feira, em conferência de Imprensa, a realização do novo exame de Português, no dia 2 de julho, pelas 9h30.

“O exame de dia 2 é um dos que já estava preparado”, explicou Nuno Crato, aos jornalistas, lamentando as perturbações registadas esta segunda-feira.

O governante garantiu, ainda, que estão preparados enunciados com idêntico grau de dificuldade aos dos exames realizados esta segunda-feira, de Português e Latim.

Nuno Crato afirmou que a medida vai ao encontro das solicitações de pais, no sentido de não sobrecarregar mais o calendário da primeira fase.

Questionado sobre as questões da equidade entre os alunos que hoje realizaram o exame e o do próximo mês, o governante afirmou que está garantida a igualdade de condições, porque as provas nacionais são preparadas por equipa de profissionais e sorteados para serem aplicados “num momento preciso dentro de uma estrutura semelhante”.

“Não há qualquer problema quanto à equidade”, garantiu.

Segundo Nuno Crato, que avançou dados provisórios do júri nacional de exames, “mais 70% dos alunos do ensino secundário realizaram hoje exames nacional de português e 70% das escolas com provas marcadas realizaram-nas a 100%”.

Os exames nacionais do Ensino Secundário começaram esta segunda-feira apenas para uma parte dos alunos devido à greve dos professores. A prova de Português ficou por fazer em várias escolas motivando protestos dos alunos pela situação de desigualdade. Há relatos de acções de protesto em Braga, Aveiro, Lousada e Viseu.

Os responsáveis sindicais apontam uma adesão significativa à greve. Mário Nogueira, da Fenprof, aponta para uma “adesão de 90%” e João Dias da Silva, da FNE, fala em “adesão positiva”.

Os dois líderes sindicais apontam ainda várias irregularidades nos exames, designadamente o caso de provas feitas em locais não apropriados e com vigilância feita por professores que, alegadamente, não o poderiam fazer.

Em comunicado divulgado ao final da manhã, a FNE refere uma “notável adesão” à greve e diz poder afirmar que se trata de “uma das maiores greves de sempre, com uma adesão de cerca de 90%”.

Os 90% de adesão apontados pela Fenprof e FNE não significam que 90% dos alunos não tenham realizado os exames, uma vez que foram convocados outros professores (que não estavam destacados para vigiar os exames) e encontradas soluções alternativas pelas escolas.

Mário Nogueira sublinhou que a responsabilidade desta situação, que faz com que alguns alunos realizem o exame e outros não, é do Ministério da Educação, “que não quis acautelar a equidade”.

É precisamente esta situação de desigualdade que motiva os protestos de alunos de várias escolas que continuam já depois de terminado o exame de Português.

In jn.pt

 

LEIA TAMBÉM

IP3 cortado na zona de Penacova devido a avaria de pesado

A avaria de um pesado, pelas 14 horas, provocou o corte do trânsito no IP3, …

Denuncia do grupo do empresário Fernando Tavares Pereira coloca IMT sob investigação do DIAP

Duas empresas do grupo Tavfer, do empresário Fernando Tavares Pereira, a CIMA – Centro de …