Presidente da CM Oliveira do Hospital quer ver a ESTGOG incluída no programa de incentivo à procura de estabelecimentos de ensino do interior

Novo Plano Director Municipal de Oliveira do Hospital já está em vigor

O novo Plano Director Municipal (PDM), que constituirá o principal instrumento de ordenamento do território do Município de Oliveira do Hospital, foi ontem publicado em Diário da República e entrou imediatamente em vigor esta quinta-feira, dia 2 de Outubro, revelou ontem em comunicado a Câmara Municipal de Oliveira de Hospital. O novo plano procura, referem, garantir a valorização simultânea do património cultural classificado e não classificado, procurando, salvaguardar a identidade e os valores culturais.

“Neste PDM de segunda geração, estão vertidas as opções de ordenamento e estratégias de desenvolvimento municipais juntamente com as políticas e opções de ordenamento centrais, sectoriais e regionais”; refere o comunicado, adiantando que este é resultado “de um profundo diagnóstico que foi efetuado ao Município de Oliveira do Hospital, abrangendo a caracterização demográfica, económica, os equipamentos colectivos, infraestruturas, património cultural e natural, habitação e rede urbana, a primeira revisão do PDM teve início em 2002 e terminou em 2014”.

José Carlos Alexandrino destaca, na missiva, o empenhamento constante do Município e da equipa técnica, coordenada por Lusitano dos Santos, na conclusão desta magna carta de desenvolvimento que agora entra em vigor, e realça a importância de que se reveste a conclusão deste instrumento de planeamento do território e de gestão urbanística para a autarquia oliveirense. “É o início de uma nova e desafiante etapa no processo de desenvolvimento do município”, considerou José Carlos Alexandrino.

Este novo PDM, segundo a autarquia, procura valorizar e potenciar o solo rural, os seus valores naturais e biofísicos, requalificar e valorizar os lugares, os seus espaços urbanos, a sua identidade e o seu património, conferindo-lhes qualidade urbana. “Pretende-se também potenciar o desenvolvimento económico através da salvaguarda do solo rural para as práticas agrícolas, pecuárias e florestais, da criação de espaços para actividades económicas em áreas estratégicas e permitir e desenvolver a actividade turística, complementada com as actividades de recreio e lazer, cultura e equipamentos e serviços”.

Sobre as infra-estruturas, nomeadamente ao nível da rede rodoviária, a autarquia sublinha, que o novo PDM, que integra o Plano Rodoviário Nacional 2000, incluindo a chamada zona de servidão do traçado do IC6 – uma zona “non aedificandi” –, tem a preocupação de salvaguardar este espaço para a futura construção deste itinerário. O documento, para além dos traçados previstos pelo governo central, propõe ainda um conjunto de vias municipais estruturantes, articuladas com os nós do IC6, que irão estruturar a rede rodoviária municipal.

 

LEIA TAMBÉM

Atropelamento mortal em Candosa, concelho de Tábua

Mulher morreu hoje em Oliveira do Hospital vítima de atropelamento na EN17 junto ao Lidl

Uma mulher, com 60 anos, morreu ao final da manhã de hoje na sequência de …

João Paulo Albuquerque acusa PS por não concluir IC6, pelo menos, até 2030

João Paulo Albuquerque considera que o IC6 não é uma prioridade, mas sim uma necessidade …

  • Combate

    Então o Lopes não impugnou a publicação do PDM, como sendo mais um acto ilegal da Assembleia Municipal?
    Era só mais uma humilhação…

  • Combate

    Discutir com a ignorância sempre foi uma luta inglória.Vão-se rindo.Se, depois, como tudo o indica lhe for dada razão,eu quero ver quem assume as responsabilidades e como resolvem o problema. Estás a rir-te mas a probalidade de ser nulo é muito grande. Bem sei que o vosso problema são uns empreguitos de 600 e umas avenças.Querem lá saber do Concelho para alguma coisa….

  • Cris Vabb

    Valorizar o solo rural!!! Para os outros trabalharem porque V. Exas. não foram concebidas para isso!! V. Exas são as cabeças pensantes, os visionários deste concelho!
    Realmente esta corrente política, se assim lhe posso chamar, coloca em evidência a falta de transparência em todos os processos, onde impera a suspeita, porventura até a calúnia ou as tentativas eventuais de ocultação e da procura de ou dos culpados de tamanha ousadia.
    Uns vendem o voto, estes compram….

    O maior cego é o que não quer ver!! A corja! A sobrevivente e subserviente forma de estar! A ladainha daquele que se alardeia de sábio ou censor do outro!
    A vaidade e auto-elogio ao ego é a ordem diária daqueles que confundem vamos governar com vamos governar-nos.
    A família! La família!

    Quanto à política vigente, e o saber manipulado pelo poder do dinheiro! O sinal de falta de vitalidade e lucidez das nossas gentes, hipócritamente a afirmar-se presente e esclarecida quanto à política vigente. É triste… É triste assistir, em câmara ardente, os destinos de ohp!

    Ainda que manifeste os meus receios, pois em situações análogas outros registos foram silenciados!!

    E a justiça feita pelo homem!?
    E a igualdade de direitos?
    E a amordaçada liberdade apregoada?
    Como passamos duma coordenação local com recursos para uma situação de pré-intervencionismo?

    Já sei! A culpa de tudo isto é do Passos Coelho!!!

    Há alguém que contribuiu para tudo isto impere e não posso deixar de felicitar! Parabéns AL!