José Sócrates detido quando regressava de Paris

Novos dados bancários complicam vida a Sócrates

Um conjunto de novos dados bancários, de 2005 a 2010, reforçam as suspeitas do Ministério Público sobre José Sócrates, adianta o Jornal de Notícias. Dados que surgem a alguns dias de terminar o prazo (25 de Fevereiro) de três meses de prisão preventiva do ex-Primeiro-ministro, altura em que o juiz avaliar se se mantêm os pressupostos para Sócrates continuar detido.

Os dados bancários oriundos da Suíça evidenciam a origem de cerca de 23 milhões de euros, depositados em nome de entidades ligadas a Carlos Santos Silva. Os montantes estão a ser relacionados com entidades ligadas ao Grupo Lena, empresa de Leiria, que neste mesmo período terá celebrado contractos com o Estado de valores superiores a 200 milhões de euros.

O Ministério Público está ainda a efectuar diligências junto de bancos como o Barclays, o BPI e o Deutshe Bank, dos quais o amigo de Sócrates era cliente. E existem alegadamente indicações de que estaria a ser preparada a constituição de um fundo imobiliário no qual iriam alegadamente ser colocados imóveis adquiridos por Santos Silva no interesse do ex-governante.

LEIA TAMBÉM

Investigadores da Universidade de Coimbra desenvolvem nova forma de combater o estigma na obesidade e excesso de peso

Investigadores do Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC) da Faculdade …

Luís Lagos abandona o cargo de eleito na Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital e diz que dificilmente voltará à vida política

O eleito municipal do CDS/PP Luís Lagos comunicou hoje à presidente da Assembleia Municipal de …