“Nunca nos calaremos quando as medidas de este ou de outro governo afetarem o nosso concelho” (Com vídeo)

Oliveira do Hospital assistiu, esta tarde, à tomada de posse dos novos órgãos autárquicos municipais. A iniciar um segundo mandato como presidente de Câmara, José Carlos Alexandrino revelou-se preocupado com a recente notícia da diminuição das receitas do Estado, mas avisou não estar disposto “para compactuar com políticas desastrosas” do governo.

Acabara de tomar posse e já erguia a voz para defender os interesses dos oliveirenses. Esta foi de resto a mensagem principal que no primeiro discurso enquanto reconduzido presidente de Câmara José Carlos Alexandrino fez questão de transmitir aos vários autarcas municipais e de freguesia e demais público que esta tarde encheu a Casa da Cultura César Oliveira.OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Uma mensagem que o presidente fez também questão de dirigir aos eleitos da oposição com quem espera desenvolver um trabalho “em conjunto”, mas sob “a capa de um compromisso claro: os interesses do concelho devem estar sempre acima dos interesses partidários”. Porque, continuou o presidente, “os eleitores julgar-nos-ão sempre por aquilo que construirmos e não pelo que destruirmos”.

Pela frente, José Carlos Alexandrino sabe que tem um caminho “árduo” a percorrer – “diariamente chegam sinais de grande preocupação para os cidadãos , as famílias e as empresas”, referiu – e que no próximo ano será dificultado por via do “rude golpe” saído da proposta de Orçamento de Estado para 2014 e que, segundo referiu, determina para o município a perda de cerca de 180 mil euros de receitas do Fundo de Equilíbrio Financeiro.

A somar a “outras medidas”, Alexandrino alerta para o que diz ser uma “grande dose de austeridade na vida das famílias e das empresas oliveirenses”. Porém, faz notar que apesar de não caber ao município fazer oposição ao governo, também não estará disponível para compactuar com “políticas desastrosas que ponham em causa a sobrevivência das empresas e a dignidade humana dos nossos concidadãos”.

“Nunca nos calaremos quando as medidas deste ou de outro governo afetarem o nosso concelho e os nossos munícipes”, assegurou o reconduzido presidente de Câmara, garantindo também “não imitar os que optaram por um silêncio cúmplice, aprovando decisões que prejudicaram Oliveira do Hospital como a extinção das freguesias e a constituição do mega agrupamento”, nem a assumir “uma posição subalterna perante os poderes instituídos”.

José Carlos Alexandrino falava assim num ato de tomada de posse onde assumiu o compromisso de “honra” pelo respeito por todos e de execução de uma política “focalizada nas pessoas”. Uma “maior coesão social” é o objetivo do autarca que pretende que todos tenham “igualdade de oportunidades nas áreas do emprego, da saúde e da educação”. “As portas do gabinete do presidente da Câmara continuarão escancaradas para receber as famílias e idosos em situação de carência, os munícipes que perderam o seu emprego, e os jovens com vontade de ultrapassar os obstáculos que a vida lhes coloca”, garantiu o presidente que se orgulha de o concelho ter sido distinguido pelo jornal “Sol” como um dos melhores para viver.
No arranque de um novo mandato autárquico, Alexandrino disse contar com os empresários, movimento associativa e IPSS para que no concelho se gere riqueza. “Todos juntos, trabalhando em rede, conseguiremos superar os desafios”, considerou, reiterando as elevadas expectativas que centra na BLC3, no projeto Biorrefina – TER e na reabilitação da antiga Acibeira que já viu aprovado no QREN investimento de 3,9 milhões de Euros.

“Sim, sabemos e conseguimos construir inovação em Oliveira do Hospital”, prosseguiu José Carlos Alexandrino que, do mesmo modo, defendeu a articulação da BLC3 e a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH). A reivindicação, junto do poder central, da conclusão do IC6 e início do IC7 figura também nas prioridades de Alexandrino.

A assistir à posse, por inerência, dos 16 presidentes de Junta /União de Freguesias no seio da Assembleia Municipal, Alexandrino não deixou de tranquilizar as populações com a certeza de que “seremos sempre o concelho das 21 freguesias”. “Onde o governo extinguiu, iremos nós criar serviços de proximidade às populações”, informou.OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O ato da tomada de posse dos novos órgão autárquicos municipais foi seguido da primeira reunião da Assembleia Municipal. A eleição da Mesa da Assembleia era ponto único na ordem de trabalhos. Sujeitos a votação em lista unica, António Lopes, Carlos Mendes e Rodrigues Gonçalves foram reconduzidos – com 36 votos favoráveis e cinco contra – presidente, 1º secretário e 2º secretário da Mesa da Assembleia Municipal, respetivamente.

LEIA TAMBÉM

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ deteve em Coimbra autor de crimes de homicídio, na forma tentada e de roubo

A Polícia Judiciária deteve um homem pela presumível prática de um crime de homicídio, na …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Filho preso por suspeitas de ter matado mãe com martelo em Viseu

O homem de 37 anos suspeito de ter matado a mãe em Santarinho, no concelho …