Nuno Vilafanha

Nuno Vilafanha acusa PS e autarquia de “teatralização” e de “manipular” oliveirenses em relação ao IC6 e garantiu requalificação da EN17

O líder da concelhia do PSD de Oliveira do Hospital acusou ontem a autarquia e o PS local de ter promovido uma teatralização, com o objectivo de manipular os oliveirenses em relação ao IC6. Nuno Vilafanha, que falava na Assembleia Municipal, lembrou que nas actuais circunstâncias não há dinheiro para concluir aquela obra, mas referiu que o actual Governo vai requalificar a Estrada Nacional 17, o que não sendo o “ideal” é “o possível nas actuais circunstâncias”. E criticou o ex-secretário de Estado das Obras Públicas do Governo Sócrates, o oliveirense Paulo Campos, que não concluiu a obra quando tinha todas as condições para o fazer. O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, deu-lhe alguma razão neste ponto.

“Tal como o senhor presidente da Câmara também nós achamos que Oliveira do Hospital merece melhores acessos. O PSD já tomou várias iniciativas e diligências onde demonstrámos o nosso descontentamento pela actual situação. Mas todos sabemos que, por incúria do anterior governo socialista, Portugal não tem condições económicas para concluir o IC6. Não há dinheiro e dizer o contrário é mentir e iludir os oliveirenses”, começou por dizer o eleito social-democrata, adiantando que o que poderia ser feito para minorar o problema vai ser feito pelo Governo. “Passa pela requalificação da Estrada Nacional 17, que se encontra num estado lastimável, e que o actual Governo decidiu enquadrar no programa de proximidade e que irá avançar brevemente. Não é a melhor solução, nem é a que mais desejamos. É a possível e resolve parte dos problemas”, sublinhou Vilafanha.

Considerando que a recente manifestação promovida pelo PS, e que contou com o presidente José Carlos Alexandrino, onde este apelou ao corte da EN17, entre os limites dos concelhos de Gouveia e Oliveira do Hospital, não passou de teatralização, Vilafanha diz que esta “exibição” apenas visou “agradar e manipular os oliveirenses”, escondendo as responsabilidades do PS pelo facto do IC6 não ter sido concluído e de nada ter feito para resolver o problema. “Sabem que não há dinheiro. Sabem, que provavelmente não haverá condições para fazer o IC6 nos próximos anos. Mas este problema causa engulhos ao PS, porque o principal responsável por não termos acessos condignos é um ilustre socialista e oliveirense, o ex-secretário de Estado do governo Sócrates, Paulo Campos. Não nos podemos esquecer que Paulo Campos e a ex-ministra Dulce Pássaro, ambos oliveirenses, nada fizeram por Oliveira do Hospital. Paulo Campos teve todas as condições para concluir o IC6 e não o fez. Deixou-o num pinhal à entrada do nosso concelho”, frisou.

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital também reconheceu que Paulo Campos poderia e deveria ter feito mais, mas lamentou que o PSD esteja a deixar cair esta reivindicação e manteve a sua vontade de radicalizar a luta. “Defendo a radicalização há muito tempo. Temos de fazer alguma coisa para que a nossa voz seja ouvida e respeitada. Em termos de desenvolvimento económico esta via é fundamental. Reconheço que também me parece mal que Paulo Campos não tenha construído o IC6 até Oliveira do Hospital. Não deixo de o dizer”, explicou, ao mesmo tempo que voltou a acusar o secretario de Estado das Obras Públicas, Sérgio Silva Monteiro de não ter cumprido aquilo que prometeu em Seia. “Disse que não havia dinheiro para três ICs, mas havia para fazer um. Não tem sido honesto com esta população. Sabemos que não há dinheiro para três, mas há para um”, rematou Alexandrino, enfatizando que são necessárias medidas radicais.

 

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …